a-pedido

One Shot Zayn Malik

  • Pedido - Tay vc podia fzr um imagine do Zayn em que a (s/n) e sua namorada e o filho dele ( q pode ter 16 anos) fica dando encima dela e o final vc decide? Por favor


— Nathan, a (seu nome) chegou!

Zayn gritou da escada com a namorada ao seu lado e não demorou muito para que ouvissem uma porta do andar de cima bater e vissem um adolescente descer as escadas correndo para em seguida se atirar nos braços da mulher mais alta que ele.

Era normal para eles todo esse carinho e até mesmo algumas cantadas do garoto na mulher dez anos mais velha, Zayn na verdade não se importa, para ele é uma brincadeira do filho e ele não pode negar que tem uma namorada gostosa que desperta o interesse em qualquer homem, até mesmo em um garoto de dezesseis anos.

(Seu nome) leva na esportiva tudo que sai da boca do mais novo em demonstração de interesse, no começo era um pouco mais difícil que ela corava e ficava sem jeito, mas com o tempo aprendeu se acostumar.  

— A melhor parte do dia é quando você está aqui.  

O garoto declarou com a cabeça apoiada nos seios da namorada do pai enquanto aproveitava o contato,. Mantendo o respeito. Pai e filho moravam na casa sozinhos, então qualquer presença feminina seria uma boa naquele ambiente, principalmente a de (seu nome).

— Fico feliz que minha presença te agrade, pequeno Malik.

(Seu nome) já perdeu as contas do número de vezes que a mesma frase pronunciada pelo garoto já foi lhe dita sempre quando chega naquela casa, mas ela não se sente enjoada pelo número de vezes, pelo contrário. É sempre bom saber que é bem vinda.

— Ok, já pode desgrudar. — Zayn tirou o filho de perto da namorada somente para provocá-lo.

— Eu tenho que aproveitar o máximo que posso. — Nathan disse rindo sendo acompanhado pelo pai e pela mulher.

— Então… O convite que recebi dizia que ficaríamos na piscina, vamos? — (seu nome) estava ansiosa para desfrutar novamente da enorme piscina.

— Claro… Adoro te ver de biquíni. — Nathan ganhou um tapa na cabeça dado pelo pai.

Os três caminharam para a parte de trás da casa onde a piscina ficava e (seu nome) tratou logo de tirar a roupa recebendo o olhar babão do adolescente, seria impossível não olhá-la e Nathan não fez questão de esconder.

Zayn, que trajava apenas um calção pulou na água extremamente limpa e transparente fazendo que um pouco da água espirrasse no filho sentado na borda perto da espreguiçadeira que (seu nome) estava deitada em busca de um bronzeado, mesmo que o sol não estivesse muito quente.

— Então, (seu apelido)… Como estão as coisas com o meu pai? — Nathan perguntou enquanto Zayn nadava alheio a conversa.

— Estão ótimas. — a mulher respondeu deitada de barriga para cima e olhos fechados tendo a luz um pouco bloqueada pela lente escura do óculos de sol em seu rosto.

— Se precisar que eu passe protetor nas suas costas é só dizer. — o garoto se prontificou.

— Obrigada, Nath, mas seu pai faz isso por mim. — (seu nome) sorriu imaginando a careta do garoto.

— Ele tem quarenta anos, sabia?

— Sim… Ele é meu namorado, lembra?! — ela riu.

— Acredito que saiba que os mais novos tem muito mais a oferecer…

— Ele não é tão velho, ainda está em forma.  

— Eu não sei… Ele parece cansado e um pouco velho demais para namorar uma mulher como você. — Nathan disse simplesmente.

— Você está tentando boicotar o seu próprio pai? — ela gargalhou se sentando para olhar o filho de seu namorado — Que malandro.

— Eu faço o que posso. — se gabou — Nós adolescentes temos muita energia para gastar.

— Que ótimo. — Zayn nadou até a borda da piscina ficando ao lado do filho — Então creio eu que esse adolescente não vai se importar de fazer uma limonada para o pai e futura madrasta.

— Não era nesse sentido que eu estava falando. — Nathan revirou os olhos.

— O que você anda ensinando para esse menino, Zayn? — (seu nome) mantinha-se a dar risadas.

— Eu gostaria saber onde ele aprendeu ser tão cara de pau. — Zayn acompanhou as risadas da namorada — Se eu tivesse ensinado, o que ele está tentando fazer daria certo.

— Eu ainda estou aqui! — Nathan bufou não achando graça.

— Eu não estava brincando quando falei da limonada. Vamos, tire essa bunda daí e vá preparar, adolescente com muita energia. — Zayn não perdeu a chance de zoar o filho e esse foi o motivo do garoto se levantar e bater os pés até a cozinha.

— Nathan é  impressionante… — (seu nome) se levantou indo até o namorado e se sentou na beira da piscina — Ele não tem nem um pouquinho de vergonha, não nega ser seu filho.  

— Acho que essa é uma das características que mais se sobressai nos Malik’s, além do bom gosto para escolher mulheres, claro. — Zayn deixou um beijo na barriga da namorada e segurando sua bunda a puxou para dentro da água colando seus corpos — O fedelho sabe que você é minha. — beijou o queixo da mulher.

— Ele quase me disse que você precisaria de viagra para dá conta do serviço. — ela riu com a forma que os braços ao redor de sua cintura a apertou.

— Você sabe que não é verdade. Minha barraca está sempre armada para você.  

— Ai, Malik… Essa foi pior que qualquer uma cantada barata que o Nathan já me disse. Talvez você esteja mesmo ficando velho, está retirando cantadas do fundo do baú. — (seu nome) brincou.

— Posso estar ficando velho, mas tenho bala na agulha. — Zayn riu da sua própria fala contagiando a namorada.

— Você está sendo péssimo com essas frases dignas de estarem em um museu.      

— Eu sei que você gosta… — Zayn distribuiu beijos pelo pescoço de (seu nome) ouvindo um pigarreio não muito tempo depois.

— Não me obriguem a ver isso… — Nathan disse segurando uma bandeja com três copos de limonada enquanto seus olhos castanhos estavam focados nos dois corpos colados na piscina — Isso é pior do que as cenas de acasalamento dos animais no animal planet.

— Aposto que adoraria estar no meu lugar…  

— Aposta ganha, mas como não sou eu, mantenham a civilização e um pouco de espaço entre seus corpos.  

— Você é fofo sabia?! — (seu nome) sorria para o garoto.

— Esse é o pior adjetivo que você poderia usar para se referir a mim. — ele fez bico entregando o copo de limonada para a mulher.

— Que lindo… Merece até um beijo por ser tão inteligente.  

(Seu nome) fez um sinal para que Nathan se aproximasse mais e ele o fez fazendo um bico a espera dos lábios da mulher pelo menos encostassem nos seus, mas tudo que recebeu foi um beijo no rosto. Zayn riu alto da cara de desapontado do filho e puxou a namorada de volta para os seus braços enquanto ela experimentava a limonada.

— Você terá que comer muito para ser como o seu pai, Nathan.

Zayn falou de si mesmo na terceira pessoa vendo o filho se sentar na espreguiçadeira com a cara fechada. Era divertido ter aqueles dois em sua vida, risadas eram facilmente dadas e o clima era sempre leve e descontraído.




Espero que tenham gostado, se sim, deixe seu favorito para que eu saiba e/ou me diga na ask.

Voltarei as 20 hrs, vocês sabem para quê né?! ;)

Votem no Niall usando a tag #MTVStarsNiallHoran no twitter.

Até mais tarde!

- Tay

Pedido: Faz um do nini que ele é professor e ele se apaixona por ela (pode ser hot) pfvv - ofeverybookymyfeeling

Eu não fiz hot porque achei que ficaria melhor com uma vibe mais fofinha, mas se não tiver ficado do seu agrado eu posso refazer.

***

Imagine Niall Horan:

Lá estava ela, S/n, a melhor aluna da sala. É tão lindo o jeito em que ela se concentra e franzi as sobrancelhas quando não entende algo. Ou o jeito que ela morde o lábio em nervoso quando estou corrigindo sua tarefa e logo depois sorri inocentemente por ter acertado todas. Ou como ela fica na ponta dos pés para responder às questões no quadro. E o jeito que sua saia e sua blusa se levantam por ela ter que pegar um livro na prateleira mais alta.

-Professor! Eu não entendi a última questão.
Josh me chamou em sua mesa me fazendo tirar os olhos de S/n que se concentrava em suas contas sem ao menos perceber que sua saia mostrava grande parte de sua coxa pela mesma ter cruzado as pernas.

-Já estou indo.
Falei e me levantei soltando um longo suspiro entediado.

Enquanto ajudava Josh a resolver uma equação que eu havia passado. Notei que S/n me olhava de rabo de olho.

-Precisa de ajuda senhorita S/s?
Perguntei erguendo uma sobrancelha e esperando por sua resposta.

-Na verdade, eu queria perguntar se poderia ligar o ventilador, está muito quente aqui.
Falou se abanando e por um momento tive vontade de falar “Tire a roupa! Fique à vontade!” Mas reprimi por estar em uma escola e ela ser uma de minhas alunas.

-Eu sugiro que desabotoe sua blusa, talvez assim passe.
Respondi vendo ela fazer um pequeno bico manhoso.

-E porque o senhor não pode ligar o ventilador?
Insistiu.

-Ele está quebrado amor, não irá funcionar.
Respondi e quase me arrependi pelo apelido já que estamos em um ambiente inapropriado. S/n bufou e desabotoou os primeiros botões de sua camiseta, me fazendo ter uma visão um pouco melhor de seus seios levemente fartos para sua idade.

Eu confesso que fui bem descarado, o ventilador nem está quebrado, mas só de imaginar que todos esses  garotos irão ficar olhando para ela por sua saia ficar voando pelo vento já fico irritado.

Voltei para minha mesa e esperei até dar o sinal do almoço.

Assim que o mesmo tocou me apressei em arrumar minhas mas não sem antes inventar uma desculpa e deixar S/n sozinha comigo na sala.

-Oque aconteceu Sr.Horan?
S/n me olhou docemente esperando por uma resposta.

-Por favor me chame de Niall, só estamos nós dois aqui.
Falei e pisquei um olho vendo ela sorrir tímida.

-Então…Niall, porque me chamou?
Perguntou curiosa.

-Eu notei que você anda muito cansada esses dias, que sair um pouco para você sabe…relaxar, respirar um pouco de ar puro.
Expliquei e vi um sorriso ainda maior brotar em seus lábios.

-Claro! Quer dizer, se isso não for atrapalhar suas aulas ou algo do tipo.
Falou dando em ombros.

-Não, não irá atrapalhar em nada. Me espere na frente da escola na hora da saída.
Falei e ela assentiu logo me dando um beijinho na bochecha -coisa que ela tinha mania de fazer para se despedir- e sair da sala.

Hoje eu irei tomar coragem para falar melhor com ela. Chega a ser estranho eu estar tão atraído por uma adolescente de dezessete anos, mas oque posso fazer se ela rouba meu coração a cada olhar e tira minha sanidade a cada passo.

(…)

Cinco entediantes aulas se passaram e eu finalmente pude ir embora, peguei as chaves de meu carro e andei até o estacionamento me despedindo de alguns professores e funcionários, entrei em meu carro e fui até a entrada da escola encontrando S/n a minha espera. Buzinei e assim que ela notou veio até meu carro abrindo a porta e se sentando no banco do passageiro.

-Aonde vamos?
Perguntou animada.

-Estava pensando em ir à uma cafeteria aqui perto. Oque acha?
A olhei e vi a mesma assentir sorrindo.

Comecei a dirigir até que cheguei na cafeteira, sai do carro e como um cavalheiro que sou, abri a porta para que ela saísse. Seguimos até a cafeteria e quando adentramos no local já podia ser sentido o cheiro de bolinhos e café. Nos sentamos em uma mesa e fizemos nossos pedidos.

-Então eu…queria te conhecer melhor. Me conte sobre sua vida.
Falei um pouco nervoso por não saber direito oque fazer ou falar.

-Meu nome e minha idade eu tenho certeza que você já sabe,  então…eu tenho um irmão mais novo, ele se chama Peter e tem onze anos, meus pais são separados e eu e meu irmão moramos com minha mãe aqui perto da escola. Eu gosto de desenhar e já fiz alguns quadros, mas nunca tive coragem de mostra-los para ninguém. Eu adoro literatura e já tentei escrever um livro mas não achei que iria ficar bom, então fiquei só nos quadros mesmo. E você?
Falou me olhando.

-Bom eu…me chamo Niall James Horan, tenho vinte e três anos, não queria ser professor mas foi o que a vida me deu, mas não vejo isso como algo ruim já que em dois anos de profissão eu encontrei uma aluna linda, dedicada e que muitas vezes me leva a cometer algumas loucuras, como leva-la para uma cafeteria depois da escola correndo o risco de que o diretor me pegue e eu tenha que inventar qualquer desculpa esfarrapada para ele não me demitir e eu perder o único emprego que me sustenta, só porque eu tenho uma paixonite por ela.
Falei vendo ela me olhar supresa.

-Ah! E minha cor favorita é verde.
Falei arrancando um pequeno riso dela mas ainda sim mantendo a feição surpresa.

-Uau! E…bom, essa aluna por acaso sou eu?
Franziu as sobrancelhas.

-Sim, pensei que já estivesse na cara.
Ri nervoso.

-Niall…não sei nem oque dizer! Acho que nunca pensei que um homem como você iria se apaixonar por mim.
Falou pensativa.

-Eu sei que talvez eu esteja sendo muito apressado mas…já estamos no final do ano e eu sinto isso por você desde que te vi no ano passado! A novata que todos os alunos ficavam em cima fazendo perguntas e querendo saber mais, e eu o professor que achava que só sentia uma pequena atração carnal por sua aluna que era…mais…dotada? Até que percebi um sentimento um tanto quanto escondido, e isso era amor. Eu me apaixonei por você e quando descobri isso você não sabe como minha cabeça se embaralhou! Eu sei que posso correr muito risco de perder meu emprego, de seus pais me odiarem e quererem nos separar, de nunca mais poder te ver e até mesmo ser preso! Mas tudo isso não supera oque eu sinto por você. Por favor me dê uma chance.
Pedi e ela continuava estática. Como se tudo aquilo fosse algo de sua imaginação.

-Bom…eu…acho que…eu não quero correr nenhum desses riscos, ainda mais porque a maioria deles você se dá mal.
Falou encarando o café a sua frente. Eu abaixei a cabeça, não suportaria ouvir aquilo.

-Mas…eu sinto que não posso te perder, não quero que você vá embora ou arrume outra sem antes nós pelo menos tentarmos!
Falou e eu logo olhei em seus olhos vendo um brilho diferente neles.

-Nós podemos tentar, e se tudo der errado…pelo menos estivemos juntos.
Falou e eu quase gritei e sai correndo daquela cafeteria com minha garota em meus braços.

-Espera! Eu quero fazer isso direito.
Falei e sai da cafeteria e indo a uma floricultura que por sorte era ao lado, comprando uma rosa. Voltei a cafeteria e vi S/n completamente confusa a minha espera.

-S/n s/s, aceita namorar comigo?
Me ajoelhei no chão perto de sua cadeira e lhe estiquei a rosa.

-Aceito!
Sorriu e pegou a flor logo me puxando para levantar e me abraçar.

Se não tentarmos, não saberemos se dará certo.

***
Espero que tenha gostado.😘

Os traços do teu rosto já estão gravados em minha mente, o timbre da da sua voz eu já sei de cór. O tom exato dos seus olhos eu já não esqueço e o encaixe das nossas mãos já é perfeito. Não querer que isso acabe já um pedido que sempre faço crendo ser atendido. Só peço que não desista de mim por qualquer besteira, porque te quero hoje, amanhã e talvez a vida inteira.
—  Denise Costa
Imagine Harry Styles
  • Pedido:  Amor você poderia fazer um imagine que a s/n faz a música “I Heard Love Is Blind” da Amy Winehouse pro Harry e ele fala todo carinhoso sobre isso em uma entrevista. Eles são só amigos ainda. Você poderia fazer?

——————————————————–


Eu tinha discutido novamente com Harry pelo mesmo motivo das nossas outras brigas nos últimos 7 dias: por eu ter ficado com um cara em uma festa.

Poxa… eu estava bêbada. Estava sozinha. Precisava de companhia e de um “carinho”. Mas ele não entende isso.

Nós não temos nada sério. Não namoramos, não ficamos. Sim, fizemos isso algumas vezes. Mas nunca passou disso. Somos apenas bons amigos. 

Mas ele insiste em me culpar e falar que agi errado. Mas eu não errei. Sou solteira, livre. Não entendo o por quê dele ter ficado tão bravo. 

E, para piorar tudo, vamos nos encontrar amanhã em um evento. Estou animada… mas não vai ser legar o encontrar. 

**

Comecei a me arrumar e, estando completamente pronta, fui até o carro e meu motorista dirigiu até o local. Chegando lá, caminhei pelo tapete estendido no chão, tirando algumas fotos e dando alguns autógrafos. Entrei no grande salão e vi alguns amigos meus. Fiquei conversando com eles para passar o tempo. Virei o rosto de relance e vi Harry entrando. O olhei novamente e ele me olhou no mesmo momento. Sua expressão ficou séria e pude ver a raiva e ressentimento ali. 

Até quando ele vai agir assim? 

Esbocei um leve sorriso, mas fui ignorada. Ele simplesmente se virou e voltou a conversar com as pessoas que estavam ao seu redor. Respirei fundo e fiz o mesmo que ele. 

Fui chamada para cantar. Meu corpo inteiro tremia. Minhas mãos suavam frio. Eu estava muito nervosa. Principalmente pela música que iria cantar. 


Eu não pude resistir a ele
Os olhos dele eram como os seus

Você é tudo, ele não significa nada para mim
Eu nem ao menos consigo lembrar o nome dele
Por que você está tão chateado?
Querido, você não estava lá e eu estava pensando em você

O que você esperava?
Você me deixou aqui sozinha
Eu bebi demais e precisava de um toque
Não faça escândalo, eu fingi que ele era você

Mas ele se parecia com você, eu acho que ele se parecia com você
Não, ele não era você
Mas você ainda pode confiar em mim, isso não é infidelidade
Não é traição, era você que estava na minha cabeça

Mas eu ouvi dizer que o amor é cego


Aquela música falava tudo o que eu queria o falar cara a cara. Mas não tinha forças e nem coragem para tal ato. Essa foi e a melhor forma que encontrei para colocar tudo pra fora. 

Ao final da minha apresentação o encarei e ele sorria levemente para mim, com os olhos marejados. Ele balançou a cabeça suavemente e sinal positivo. Sabia que ele entendeu o que eu quis ao cantar aquela música. Ele sabia - ele e todos ali - perfeitamente que era para ele essa música. 

Desci do palco e tomei o meu lugar novamente. Olhei Harry novamente e ele me encarava. 

Saímos dali, para ir ao salão onde teria um “after party”. Vi alguns paparazzis perto de Harry. Vi que uma mulher de um programa pediu uma entrevista com ele, e fiquei escutando o que iriam perguntar.

- Harry… o que você achou sobre a apresentação da S/N?

- Eu achei incrível! - ele sorriu mostrando suas covinhas 

- Aquela música foi feita para você, certo? Como você se sente sobre isso? Como percebemos, ela fala sobre ter ficado com outro cara. Foi uma traição?

- Oh, não! - ele riu fraco - Nós não temos nada. Ela não me traiu. E sobre a música ter sido feita ou não para mim só cabe a ela responder! - sorri

- Certo! Mas, o que você achou da música em si?

- Eu achei excelente. É realmente muito boa. Ela sempre arrasa, e sabe escrever músicas como ninguém! Mais uma vez ela se saiu muito bem e está de parabéns! - ele sorriu e eu fiz o mesmo. 

**

A festa estava rolando e eu ainda não tinha falado com ele. Queria o encontrar, mas não o achava em canto nenhum. Peguei mais uma bebida e me encaminhei para o lado de fora; para tomar um ar. 

- Você se saiu muito bem! - escuto uma voz grossa invadir meus ouvidos e já sabia quem era o dono dela. 

- Obrigada! - o encarei - Eu… escutei a entrevista que você deu mais cedo… -ele me olhou de novo - Amei o jeito carinhoso como você falou sobre a música… - ele sorriu - E sim; ela foi feita para você! - rimos fraco

- Eu imaginei… - ri mais uma vez - Eu… eu acho que fui muito rude com você, agi errado. Me desculpa! - sorri

- Tudo bem… Já foi… - ele sorriu - Eu só não entendo o por quê de você ter ficado tão bravo comigo….

- Porque… porque eu amo você. - o ecarei surpresa - É sério! Fiquei irritado por você ter ficado com um cara que não era eu. 

- Eu já falei como tudo aconteceu…

- Eu sei. E eu já entendi… Eu só não consegui controlar… - respirou funfo

- Tá tudo bem… já passou. - sorri e segurei sua mão e ele me encarou, entrelaçando nossos dedos e sorrindo levemente.  

Ele se aproximou aos poucos, sem desconectar nossos olhares. Nossos olhares revesavam entre nossos olhos e nossa boca. Não demorou muito para ele grudar nossos lábios num selinho longo. Ele levou sua mão para a minha cintura, me puxando para mãos perto dele; e a outra foi para minha nuca. Só então ele aprofundou o beijo. E eu retribui com vontade, embrenhando meus dedos no seu cabelo, e os puxando de leve. 

Foi um beijo de tirar o fôlego. Ele foi finalizado com alguns selinhos molhados, grudou nossas testas e me encarou novamente. 

 - S/N… quer namorar comigo?

 […] 


/Helo^^ 

Espero que tenham gostado! Me contem o que acharam!

No me digas que querer morir a esta edad es estúpido si no sabes cuántas noches he llorado hasta dormirme. Cuántas noches me he cortado,cuántas veces le he pedido a Dios que me quite la vida, cuántas veces he pensado todas las maneras posibles de escribir mi carta final. Cuántas veces me he sentido totalmente destruida y he tenido que sonreír para fingir que todo estaba bien... no digas que es estúpido, porque no sabes nada de mí.

Hoje na Coréia já é o aniversário do nosso Pink Princess Jin. Por favor dê muito amor a ele pelo twitter usando o #HappyJinDay. Vamos espalhar pelo mundo o amor que o oppa crianção tem nos dado sempre, ele constantemente pensa nos armys e tá na hora de retribuir o máximo possível dessa atenção. To querendo fazer um especial para o jin mas n sei oq fazer😂 me mandem sugestões e vou tentar fazer todas até uma da tarde de amanhã *só aceitarei pedidos sobre o jin, não do grupo*

pior arrependimento é quando você acha que deveria ter pedido outro sabor de pizza, né. eu tô com uma raiva aqui porque pedi de presunto com cream cheese, mas eu deveria ter pedido margherita ):
Gente seguinte... eu resolvi me organizar assim:

Eu vou escrever imagines e preferences toda segunda, quarta e sexta. Então:

Segunda - Imagine

Quarta - Preference

Sexta - Imagine 

Só não sei se vou conseguir postar hoje, então provavelmente vai ter dois imagines do Louis (a continuação da Bela e a Fera, e um outro pedido que eu recebi), pra poder compensar o 1s que era pra ser de hoje.

/Bela

Conversando com um curtidor gente fina lá da page, notei que seria mais… como posso dizer… abrangente - talvez - legal e etc, eu dar uma ampliada na ‘’saga dos bregas nostálgicos’’, arrastá-la para uma ‘’saga de qualquer coisa nostálgica’’, já que há muuuita música que embalou (alguém ainda usa ‘’embalou’’?) a infância de muita gente (e a minha) durante os anos 90 e 2000 e lá vão os jegues.

Então inauguro essa bifurcação com a música Convite De Casamento daquele moço, o Vavá, hsdhjkkuda.

P.S.: música indicada pelo plásticonauta Hugo Nascimento.