a cidade vai parar

DICA DE LEITURA: Os livros da Carina Rissi

Por Aline Moretti


Todos nós, apaixonados por um bom livro, temos um autor que amamos e que queremos ler até sua lista de compras no mercado, não é mesmo? No meu caso essa autora é a Carina Rissi!

Sabe quando nós só queremos sentar em um lugar confortável, com um copo de chocolate quente e um cobertor e ler um livro que te faça mergulhar na história? Então, nesses casos, é para os braços da Carina que eu corro. Com seus livros leves, com uma leitura fácil e personagens que parecem ser nossos amigos, ela me faz querer ler mais e, além disso, ter o desejo de compartilhar com o máximo de pessoas essa sensação tão boa. Como não consegui escolher o meu favorito, decidi  falar um pouquinho de cada um. Vamos lá

Em Procura-se um marido (primeiro da autora que eu li), conhecemos a história de Alicia, uma jovem que perdeu seus pais ainda criança e é criada pelo Vô Narciso, a quem ela muito. Porém, um dia seu avô falece e deixa um testamento no qual diz que a neta só poderá ter a herança depois de se casar. Sem saber o que fazer, Alicia tomará uma decisão que mudará os rumos de sua vida. Com um final inesperado, essa obra foi a porta de entrada no vício (risos).

Keep reading

Às vezes eu só quero descansar
Desacreditar no espelho
Ver o sol se pôr vermelho

Acho graça
Que isso sempre foi assim
Mas você me chama pro mundo
E me faz sair do fundo de onde eu tô de novo

Nada sei dessa tarde
Se você não vem
Sigo o sol na cidade
Pra te procurar

Eu bem sei onde tudo vai parar
Já não tenho medo do mundo
Sou filho da eternidade

Trago nesses pés o vento
Pra te carregar daqui
Mas você sorri desse jeito
E eu que já perdi a hora e o lugar
Aceito.

Nada sei nessa tarde
Se você não vem
Sigo o sol na cidade
A te procurar

Você reza, ora, murmura, se agarra em qualquer fé para ter a certeza de que esse dia nunca vai chegar. Você não quer enxergar o fim da linha, quer apagar a antiga e rabiscar uma nova fora do alcance. Você quer ganhar tempo para não assumir de uma vez por todas que se esforçou mais que o suficiente. A sacada final é que você está se esforçando sozinho. E acha que por amor àquele emprego, àquela pessoa, àquele lugar, você pode ficar só um pouco mais. Em um passe de mágica alguém vai reconhecer seu sacrifício, vai perceber seu esforço e dar o devido valor que merece. Amigo, para você que chegou até aqui, eu queria te pedir: pare de riscar novas linhas de limite. Você já ultrapassou todas elas.A cidade não vai parar de funcionar, a empresa não vai falir e o grande amor da sua vida, talvez nem seja um amor que dirá grande. Entre os inúmeros momentos dramáticos da minha vida, uma amiga me chacoalhou: “Para de perder tempo com essa bosta. Você está perdendo o tempo que poderia estar lendo,escrevendo, produzindo.” Um conselho mestre, uma lufada,duas mãos sem luva te sacudindo. Quantos limites me dei acreditando que nunca deixaria ninguém ultrapassar? Quantas pessoas ultrapassaram e eu mudei a linha de posição para dar mais uma chance? No fim da amarelinha o resultado é o mesmo: você perdeu tempo. Adiou outros convites, outros lugares, outros sorrisos por causa de algo que era importante só para você. Mais ninguém. É hora de perceber o fim da linha, parar de estender os prazos. A vida não perdoa os atrasados.Faça um desenho com sua linha final. Faça uma estrada para fora dela. Faça as malas e deixe as situações limite dentro do limite delas. Passe um tempo fora e volte para perceber que você não fez falta. Volte para espiar que está tudo igual e até melhor sem você.Você não é o pilar que mantém a organização do mundo, mas a sua vida precisa de sua total dedicação para prosseguir. Tenha coragem, compre o bilhete de partida, não perca o trem na estação e boa viagem. É hora de encarar o óbvio, você não é o centro do universo de ninguém, apenas do seu.
—  Chão de folhas.