Vivemos

Acho que em alguns dias a gente acorda meio louca. Não tem outra explicação. Dá uma saudade de coisas que já passaram, de coisas que nem vivemos direito, do que nem sabemos ao certo. E uma vontade de trocar de nome, de corpo, de cabelo, de profissão, de país, de vida.
—  Clarissa Corrêa.
O amor de Deus por nós é infinito. Ele nos ama independente de como somos ou de como vivemos aqui. Deus nos dá amor de verdade. Só em pensar que Ele deu seu filho por nós, e tudo para nos libertar de todos os nossos pecados e para que possamos ter uma segunda chance de recomeçar e seguir no seu caminho. Essa é a maior e mais linda prova de compaixão que poderíamos receber. Vamos retribuir esse amor dEle por nós. Vamos ser pessoas melhores. Vamos conhecer Sua palavra, Sua verdade e entregarmos nossa vida para Ele. Entregue seus medos, aflições, anseios, inseguranças, angústias e mágoas. Deus irá transformar tudo em amor, basta você procurá-lo e dar todo o seu amor para Ele.
—  O amor de Deus por nós é verdadeiro.

a gente enlouquece de pensar quem foi mês passado, ano passado
a gente enlouquece de pensar em como as coisas são líquidas, mutáveis
a gente enlouquece de pensar que as coisas não pedem nossa opinião para acontecerem
e que elas não param nem esperam por nenhuma alma potencialmente perdida em meio à essa confusão diária e eterna
e nós, somos tão sólidos
vivemos em um processo forçado de fusão
em que o calor da existência não nos da outra escolha
e somos, ao mesmo tempo, assim tão gasosos
nos perdemos facilmente na atmosfera da vida.

c.s.

A literatura é ficção porque acima de qualquer coisa é uma mentira. A verossimilhança nunca será verdade, porque a verdade não faz parte de nossas existências, e bem sabemos que a arte imita a vida. O escritor finge, mente, engana, dissimula, desrealiza, inventa… Ele não tem a missão de propagar fatos, seu único compromisso é com a imaginação e a imaginação não fará jus ao seu nome se não brincar com o real. A literatura é um meio de tornar nossa existência mais necessária, fazer de nossa angústia algo belo; escrever é simplesmente enfeitar com flores a merda que é nossas vidas. Vivemos porque mentimos. Sobrevivemos porque iludimos. Se a literatura é uma insólita representação da vida, ela está fadada a ser uma mentira. A literatura não torna nossa existência mais suportável, a arte não nos salva a vida, somente a mentira faz isso por nós, mas, quem será capaz de admitir isso?
—  Gabriel Vargas
Quanta coisa aconteceu em 4 bilhões de anos que a luz nessas galáxias demoraram para chegar até aqui ganhamos uma Lua, a vida surgiu, se desenvolveu e a nossa curiosidade nos fez questionar o mundo ao nosso redor. Até que criamos maneiras de olhar para cima e ver como foi escrita à história do universo. Olharíamos o céu noturno de uma maneira superficial, olharíamos a Lua, as estrelas, contemplaríamos a sua beleza e pronto. Seguiríamos nossas vidas até algo nos chamar a nossa atenção novamente, nunca iríamos ver como é a nebulosa de Helix O Olho de Deus, ou então os pilares da criação, e é possível trançar um paralelo com o nosso cotidiano. Da mesma maneiras que o céu não deve ser admirado de uma forma superficial, a vida também deve ser encarada com mais profundidade, nós vivemos correndo, sempre com pressa, temos pressa de ir, de vir, temos pressa para nos relacionar com outras pessoas, não extraímos todo o potencial de uma música ou de um outro tipo de obra porquê nesse mundo globalizado as coisas acontecem tão rápido que quando você consome algo, logo em seguida ele já está obsoleto e você sente necessidade de trocar. Podemos dizer que vivemos a filosofia do descartável. Por exemplo: Trocamos de celular a todo o momento, pois o modelo novo trás novas funções. Ou será que a propaganda nos fez acreditar que eu tinha problemas para serem solucionados? A não importa, eu quero um novo. Aí o seu celular velho é descartado, mesmo tendo as suas utilidades. E fazendo isso movimentamos a indústria que para tornar mais barato e descartável apela pela mão de obra barata, muitas vezes vindo de lugares que se trabalha por um prato de comida. Nós estamos sempre atrasados nos distraindo com novidades que no fim sempre trás as mesmas coisas. Já descartámos tantas coisas que hoje não temos mais onde por o nosso lixo, o nosso erro é achar que a nossa felicidade tem um preço ou uma etiqueta, passamos a vida trabalhando para comprar a felicidade e não vivemos ela. Não é estranho lembrar que mesmo com a população mundial crescendo, as pessoas estão sempre reclamando de solidão? Não temos tempo nem mesmo para o próximo, o amor se transformou descartável também, assim como existe uma beleza escondida entre as estrelas do céu, ela também está presente aqui em baixo, tente dar uma segunda olhada nas coisas, um outro ângulo do mesmo sorriso, o calor de um abraço que você nunca deu, aquela música que você nunca ouviu. A vida, é uma dádiva, já olhamos para anos luz daqui e até o momento em nenhum lugar ela é experimentada da forma que experimentamos aqui, então não disperdi-se isso.
—  desconhecido

existe uma teoria em que quanto mais vivemos em busca da paz interior, mais estaremos distantes de nós mesmos.
passei a acreditar nisso quando me olhei no espelho e tive repulsa por mim mesma. quando meu coração acelerava e eu não conseguia encontrar forças pra amenizar a intensidade dos batimentos cardíacos dele. quando o meu próprio olhar se cansou de transbordar lágrimas e só clamava por compreensão.
eu fui sugada por mim mesma nessa fuga de tentar conseguir abraçar o mundo e tentar resistir após absorver catástrofes diárias.
a gente precisa se manter forte até quando?
a gente precisa reconhecer a nossa dor até quando?
o sabor amargo que degustei da vida é tão caótico quanto a minha alma pesada.
porque nesse dilema de voar constantemente pra se atracar em qualquer paz,
eu me perdi de mim mesma.
eu me afundei em mim mesma.

Hipocrisias igualitaristas.

Quando se fala sobre “igualdade social”, há sempre um viés hipócrita e incoerente, pois não é nada “democrático” em um igualitarismo cognitivo, onde sua liberdade de expressão é completamente tomada.

Se tratando de pautas de esquerda vale tudo e qualquer coisa, inclusive desrespeito e desacato, pois “é por uma causa nobre”, já falando de pautas que não favoreçam suas ideologias, essas são completamente ocultadas e o direito das mesmas são nulos. Vivemos em uma época baseada no “Não concorda saí fora”, onde o ser pensante é substituído por uma máquina programada para reproduzir aquilo que convém, os famosos macacos treinados.

A perseguição política é disfarçada com demagogias como “Estamos apenas tentando lhe explicar” “Sofremos tanta opressão, que pegar pesado nos discursos é válido” etcs. A democracia é uma panelinha de pouco espaço, não se aplica aos demais. O igualitarismo pregado não é apenas o socioeconômico, mas sim um igualitarismo de ideias, onde existe apenas um único pensamento predominante e irrefutável, onde não se abre espaço para o pluralismo.

Uma sociedade igualitária é uma sociedade sem liberdade, onde tudo o que lhe constrói é propriedade do Estado, como seus pensamentos, suas ações, seu dinheiro e todo o resto. Uma sociedade, no mínimo razoável, é uma sociedade onde TODAS as opiniões tem espaço, onde não existe uma democracia restrita, onde todos tem voz e a verdade não se torne uma mentira encoberta por um grupo de pessoas.

As coisas acontecem de forma que você não vê passar, pois não se contam mais os dias, apenas vivemos os momentos, e quando se der conta, o tempo já passou.
—  de-s4bafei