Tomas

E no dia 31 de outubro, em minha porta chegou.
Não achava-se ninguém
e ninguém ingressou, se aconchegou-se na mesa
e passou o tempo a mim, ninguém.
Jamais consegui esquecer aquela inexistência
que se aproximava como Maria
e me saciava com o não ser,
trazendo um vago disponível a tudo.
Questionei ninguém, sem olhar e falar.
Mas ninguém, inexistia.
—  Tomás.