One Shot - Liam Payne  (Parte III)

/ Parte I >>

- T-tudo bem?

- Sim, e contigo?

- Tudo indo. - deu de ombros e se sentou no lugar que eu ocupava. - Espero que não se importe, é que eu estou aqui há duas horas e estou muito cansado.

- Está tudo bem. - encarei suas olheiras assustada. Liam estava muito mal, sua barba estava grande, como se não fosse feita há um bom tempo, estava mais magro, tinha olhos perdidos e os cabelos estavam grandes também. - Quer um chá? - perguntei após notá-lo melhor.

- Quero. Obrigado. - assenti, fui até o lugar que tinha o café e o chá e o servi. - Você está… Grávida. - concluiu e sorriu sem vontade.

- É, estou. - toquei na minha barriga por instinto e sorri.

- É uma menina?

- Sim. Como sabe?

- Eu sabia que você iria ser recompensada com algo que sempre quis. Lembra que nós esperávamos uma menina? - engoli em seco.

- É, eu lembro. E a Jude? Seu filho ou filha nasceu?

- Nasceu. - ergueu o canto da boca. Ele não parecia feliz. - É um menino.

- Parabéns. - falei e ele me olhou incrédulo. Liam riu fraco e abaixou a cabeça.

- Jude está internada desde que teve o bebê. - fiquei muda por um tempo para digerir a história. - O caso dela é grave. Mike não tem ninguém que dê leite pra ele e eu estou tendo que comprar um especial pra alimentá-lo.

- Pelo menos você tem dinheiro pra isso.

- Mas isso não é nada bom para ele, você sabe.

- Sei sim. Mas a Jude vai ficar boa.

- Não, não vai. - ele disse convicto. - O médico falou comigo, disse que as chances dela são mínimas.

- É uma pena. - lamentei de verdade. Ele estava passando por um tormento, talvez sentindo um pouco do que eu senti quando descobri a sua traição. - Sinto muito, Liam. - toquei seu ombro e sua mão foi até a minha. Tirei-a com pressa.

- Você casou de novo?

- Não.

- O pai da sua filha deve ser o cara mais feliz do mundo, não é? Tem uma mulher perfeita e futuramente terá uma filha perfeita. - tocou minha barriga. Alice chutou com força fazendo-o se assustar. - Ela… Ela chutou. - Droga filha, não dê essa moral ao seu pai. Tentei mentalizar, mas ela não me ouviu. Pelo contrário, se exibiu ainda mais para Liam.

- (s/n)! - ouvi a voz firme de Peter me chamar. Ele não deveria estar com a Beatrice?

- O-oi, Peter.

- Meu amor, você não tinha que estar sentada? - ele aproximou-se de mim com uma sacola nas mãos e beijou minha testa. Olhei pra ele confusa e com uma pergunta no olhar: o que você está fazendo?

- Erm… Eu estava sentada.

- Trouxe um lanche pra você. - ergueu a sacola. - Beatrice mandou. - sussurrou quando foi beijar minha bochecha. - Precisa de mais alguma coisa, meu amor?

- Não, Peter. Obrigada. - sorri e o abracei. - Você é louco. - sussurrei de volta e ele riu. Peter estava fingindo ser meu namorado para Liam ficar enciumado. E bem, foi assim que ele ficou.

- Eu te amo. - disse, beijou minha mão e saiu. - Te espero em casa. - falou mais alto e quando ia saindo, voltou correndo e beijou minha barriga. - Eu te amo, minha lindinha.

- Ele é bem cuidadoso. - falei baixo ao ver a cara de Liam. Ele parecia querer atacar Peter.

- Que bom. - disse firme olhando para a saída. - Você merece. - encarou o chão. - Tenho que ir. - levantou. - Obrigado pelo chá e… - olhou para a minha barriga. - Adorei conhecer sua filha. Como é o nome dela?

- Alice.

- Alice… - pensou e riu. - Lindo nome. E (s/n)… - olhei-o e antes que eu percebesse recebi um abraço. - Eu te amo, nunca deixei de te amar e nunca deixarei, pode ter certeza.

Não respondi nada e o deixei ir. Minha cabeça estava a mil por hora, eu não conseguia racionar e parar pra pensar em tudo o que havia acontecido. Liam, Peter, Alice… Eu estava perdida.

~ 4 meses depois ~

Alice era uma menininha muito inquieta e impaciente. Remexia-se o tempo todo no bercinho rosa com lilás e quando segurava o dedo de alguém não queria soltar mais. Um mês de vida e a garotinha já era tão marcante.

- Achei legal você colocar o Payne na certidão dela. - minha mãe disse.

- O Liam é o pai dela, não posso privar ele disso.

- Porém você não diz a ele que tem uma filha.

- Desnecessário. E também nunca mais eu vi ele.

- Quando viu preferiu deixar que o Peter fingisse ser seu namorado.

- Mãe…

- Tudo bem, você quem sabe.

- Posso te fazer uma pergunta?

- Pode.

- O que você acha de eu doar um pouco do meu leite para o Mike, filho do Liam com a Jude? Ela morreu e ele só se sustenta de leite especial comprado, eu posso falar com a Karen e pedir pra ela entregar ao Liam.

- Você não sabe o tamanho do orgulho que eu sinto de você, minha filha. - abraçou-me e ali eu soube que fazia a coisa certa.

Doei uma boa quantidade de leite para Mike, acredito eu que daria para um mês, ele precisava de leite materno original e desde que nasceu não obteve isso. A criança não tinha culpa de nada. Liam ficou sem saber que eu havia dado o leite por todo o mês que o menino usufruiu, mas depois sua mãe o contou e ele me ligou agradecendo profundamente e me contou o sofrimento que estava passando por criar uma criança sozinho.

Você poderia estar comigo e ser o cara mais feliz desse mundo, mas você não quis.

~ 2 anos depois ~

- Volta aqui, Alice. - puxei a menininha pelo bracinho fino. - Você tem que se comportar, entendeu? Está no trabalho da mamãe, não pode correr. - ela fez bico e eu beijei sua bochecha.

- Vovó. - chamou por minha mãe.

- Ela está viajando. Senta aqui. - fui com ela até um amontoado de almofadas e Alice se sentou. - Muito bem. Promete ficar quietinha?

- Prometo. - falou enrolado e beijou os dedos indicadores cruzados em xis, como eu havia ensinado. Sorri.

- Confio em você. - beijei sua testa e levantei para receber o próximo paciente. Alice pintava desajeitadamente um livrinho de pinturas. - Bem-vindos. - foi a única coisa que eu disse antes de paralisar.

- Oi (s/a). - Liam disse sorrindo de lado. Olhei para ele e para o menininho em seu colo e apenas dei espaço para que Liam passasse.

- Oi. - falei breve. E se ele desconfiasse da Alice? - O que houve? - perguntei ao menininho que fez bico e abraçou mais o pai.

- Ele quebrou o pé jogando futebol e está se recuperando, mas ainda não mexe o pé direito. Preciso que você…

- Já sei. - interrompi. - Vamos fazer uns exercícios e logo logo seu pezinho volta ao normal, sim? - falei pra Mike que assentiu manhosamente. - Você vem comigo? - ele esticou os braços na minha direção e eu o peguei.

- Dói? - perguntou. Liam riu.

- Não, não dói. Mas se doer você me avisa e a tia para, tudo bem?

- Tudo. - concordou freneticamente.

- Oi, menininha. - Liam sorriu pra Alice. Era a primeira vez que os dois se viam. Tentei me concentrar no que fazia no pé de Mike. - Está pintando quem?

- Mamãe. - Alice sorriu pra ele e mostrou o desenho.

- E o que você acha de pintar o cabelo dela? Ela tem um cabelo tão bonito, não merece que ele fique assim tão apagado no desenho.

- Não sei pintar cabelo. - Alice disse e fez careta.

- Eu te ajudo, vem cá. - sentou a menina em seu colo e os dois foram pintar juntos.

- Você joga bem? Faz muitos gols? - perguntei a Mike enquanto massageava seus pés.

- Sim, fiz quatro gols. - levantou quatro dedinhos.

- Uh, você é craque! - sorri. - O papai vai nos jogos?

- Vai sim, mas… - ele parou de falar e abaixou o olhar. Aproximou-se do meu ouvido e sussurrou. - Eu queria uma mamãe. - engoli em seco e o encarei.

- Mas você tem a vovó, não tem? - falei baixo.

- Tenho, mas não é uma mamãe. - fez bico e eu beijei sua testa.

- Um dia você vai ter sua mamãe. - concluí e voltei a fazer meu trabalho. Liam e Alice riam e brincavam. Eu não sabia se proibia ou se deixava, mas acabei ficando muda e fazendo meu trabalho. - Prontinho. - disse colocando uma faixa no pé dele. - Quando você mexer o pé vai doer um pouco, mas vai ser bom porque te ajuda, está bem?

- Está. - concordou.

- Você ouviu, Liam? - perguntei ainda de costas.

- Sim, ouvi. - quando virei vi ele com Alice nos braços enquanto balançava ela. A menina ria e quando Liam parou ela deu um beijo em sua bochecha. - Podemos ir? - colocou Alice no chão.

- Sim, podem ir. - falei. - Tchau, Mike.

- Tchau. - ele acenou, olhou Alice e pegou na mão do pai. Liam veio até mim.

- Eu sei que ela é minha filha. - sussurrou. - Sua mãe me disse. - sorriu de canto. - E eu vou fazer parte da vida dela agora.

E realmente, ele entrou na vida de Alice e não saiu mais. E eu nem preciso dizer que a menininha adorou a presença do pai junto com ela. Liam e eu? Bem, nada definido e nada certo.

Jess