Linha-do-Horizonte

Ainda sinto o vento bagunçando meus cabelos na beira do mar, como você costumava bagunçar minha vida. Sinto seus braços quentes na minha pele, me acolhendo da imensidão do oceano, da brisa do mar. Eu olhava pra linha do horizonte, e me perguntava onde iriamos parar. Você nunca parou. Você acelerou. Como se acelera um motor, você foi fundo. Viajou km e km pra descobrir que o inédito está em todos os lugares. Que você queria sorrir pra mim enquanto descobria algo que fosse bizarro de mais para conseguir contar. Enquanto você descobria que contar suas histórias pra mim, enquanto mexia nos meus cabelos, deitada em seu peito, não era o que você queria. Não era o que te extasiava. E eu te esperava, a cada viagem, voltar pra mim. Eu te esperava, voltar do horizonte que você partia. Eu ainda sinto o frio do entardecer, na beira do mar. (inefar)