Cidade de Vidro

O amor que move o sol e todas as outras estrelas.
—  Cidade das Almas Perdidas - Cassandra Clare
Eu é que deveria estar sentado com você. Que deveria tê-la feito rir daquele jeito. Não conseguia me livrar daquela sensação. Deveria ter sido eu. E quanto mais a conhecia, mais sentia; nunca tinha me acontecido isso antes. Sempre que eu queria uma pessoa, depois que conhecia, não queria mais; mas com você a sensação só se fortalecia.
—  Cidade de Vidro.
- Por que você não consegue dormir? Alguma coisa aconteceu?
- Eu tinha que ver você. Eu sei que eu não deveria. Mas eu tinha. Eu estava tentando ir pra algum lugar. Mas eu ficava voltando pra cá. Eu não podia parar de andar, não podia parar de pensar sobre a primeira vez que eu vi você e como depois daquilo eu não podia esquecer você. Eu queria, mas eu não podia parar eu mesmo. Não há fingimento. Eu te amo e eu sempre vou amar você até eu morrer e se houver uma vida depois desta, eu irei amar você então.
—  Cidade de Vidro.
E depois a conhecemos, e foi como se ele tivesse acordado. Você não podia ver, porque nunca o conheceu de outro jeito. Mas eu vi. Hodge viu. Alec viu! Por que acha que ele a odiou tanto? Foi assim desde o instante em que a conhecemos. Você achou incrível poder nos ver, e era, mas, para mim, o que era incrível era que Jace podia vê-la também. Ficou falando de você em todo o caminho para o Instituto; fez Hodge mandá-lo atrás de você; e quando a trouxe de volta, não queria que você fosse embora. Onde quer que estivesse, ele ficava olhando… Estava até com ciúme de Simon. Não sei nem se ele mesmo percebeu, mas estava. Eu notei. Com ciúme de um mundano. E depois do que aconteceu com Simon na festa, se dispôs a acompanhá-la ao Dumort, a transgredir a Lei da Clave só para salvar um mundano do qual sequer gostava. Ele fez por você. Porque se alguma coisa acontecesse com Simon, você sofreria. Você foi a primeira pessoa fora da família cuja felicidade ele levou em consideração. Porque ele a amava.
— 

Cidade de Vidro - Pág. 313

Os instrumentos mortais