Ela era a Alasca Young da minha vida. Enigmática, cheia de segredos e problemática até o último fio de cabelo. E foi aí que eu sabia que estava perdido: garotas complicadas sempre foram meu ponto fraco.
—  Descriar.
Ele esta ali, esperando, você sabe que é ele, mas são várias as “perspectivas”. Aí você começa a trabalhar e vem a expectativa, encontra alguém melhor. E nada. Ele ainda esta ali. Você começa um cursinho e pensa: é agora! Até conhece uma pessoa. Não foi o que você pensou, não foi dessa vez. Ele ainda esta ali. Você sabe que é ele, não quer que seja, luta contra isso. Começa uma faculdade, muita gente, varias opções, se envolve com muitas delas. Ele ainda esta ali. Não deu certo ainda, o tempo está passando, você continua lutando, tenta se distrair com bares, festas, amigas, novos relacionamentos.
É, você viu que não tem jeito, é ele mesmo, você o ama. Percebe que perdeu tempo, vai falar com ele. Mas, ele não está mais ali…
—  Thiago Sousa.
E quando hei de aprender a rimar e fazer a desgraça um pouco mais bonita? Textos corridos, linhas e mais linhas para dizer que estou triste no final, já não convencem mais ninguém. Quero rimar, meu caro, quero fazer de poesia minha nova loucura. Os olhos passam mais alegres quando as palavras tem sonoridade semelhante, ao em vez do som do desespero que meus escritos produzem. A vida com poesia soa encantadora, por mais que estejamos a beira da morte. Ensine-me a viver rimando e rindo dessa peça tragicômica que chamo de vida. Não sois poeta? Pois bem, poetize-me!
—  Gabriela Giacomini.
Eu pediria desculpas de joelhos, se fosse preciso. Acho que é isso o que as pessoas fazem quando estão apaixonadas, tomam atitudes extremas sem pensar duas vezes e hoje eu sei mais do que nunca que eu faria qualquer loucura por você.
—  Descriar.
Te coloquei na minha lista negra, só por precaução. Pra quando der vontade de estar com você, me lembrar de todo o mal que você me fez.
—  Descriar.