Corpos cheios e mentes vazias, sonhos que desabam por fraqueza ou nostalgia De tempo em tempo, pessoas que amam mais a si mesmo do que o próximo Destino traçado e mente adormecida, olhares se voltam junto com aplausos Um narcisista em potencial cresce ao ouvir a multidão gritar seu nome Pelos versos não rimados e frases bagunçadas, ele grita em desespero por ajuda Tardia era a tal ajuda, pois aquele já havia se perdido, em maços baratos e garrafas vazias Seu corpo se degradava dia após dia, sua mente, por outro lado, apenas crescia Um conto fascinante ele recitava, pois a ele lembrava uma antiga amante Que de tempo em tempo, voltava para lembrar-lhe a dor ter amado por todo aquele instante Versos sem conteúdo, um desabafo em geral, cumpria ele seu papel com esforço? Ou poderia fazer algo pra mudar, uma rima, que seja, iria machucar?
—  d-etonad-o