Essa noite eu bebi, mas bebi de verdade até estar completamente entorpecido pelo álcool e não sentir meu corpo. A única necessidade que eu tinha era te esquecer. E adivinha só?! Eu não consigo esquecer do seu sorriso nem bêbado e completamente entorpecido.
—  Os Devaneios de Adam Joseph-Fritz.
Sentia as lágrimas pesando sob minha camiseta, doía entende?! Doía como o inferno, eu jamais seria o suficiente para você, jamais seria quem lhe entenderia e protegeria. Por quê? Eu não sou assim. Eu estou tão na merda que não sei como me levando da cama todos os dias. Eu juro a ti, queria ser quem seca tuas lágrimas e abraça tuas angústias, não sou perfeito, machuco com frequência, sou um pedaço de merda na verdade… egoísta para caralho, aperto teu coração enquanto alguém poderia lhe abraçar e lhe beijar enquanto eu estou longe. Mas sabe, na realidade a ideia de alguém estar lhe tocando os lábios e seu corpo me deixam enojado, me dói, me consome. Constantemente sou consumido pelo egoísmo de lhe desejar, lhe querer, de te fazer minha que não consigo lidar com com a mão que você aperta após uma reunião. Sou louco, eu sei, completamente pirado pela doença que carrego comigo. Tu és a minha morte e minha vida, você me destrói e reconstrói constantemente. Me perdoe querida por ter entrado na sua vida, você merece alguém melhor, alguém que lhe ame, cuide, esteja ao teu lado e não eu, um babaca idiota que constantemente magoa seus sentimentos e seus pensamentos.
—  Os Devaneios de Adam Joseph-Fritz.