9cap

3ª Temporada - 9º Cap. Lua-de-mel adiantada (+18)

[Narração Elidio]

Depois de jogarmos juntos por tanto tempo, e termos matado a saudade desse tempo, percebemos que haviamos nos esquecido da hora.

- Lico… Já são 20:00. Vamos pra casa. - Daniel cochichou em meu ouvido.

- Só mais um gol, Dani. Só mais um. - eu pedia sem tirar os olhos da Tv.

- Mas o Andy está ganhando de 3 x 0, Lico. - Daniel se justificava.

- E vai deixar que eu vá embora com a moral baixa? - conitnuei a me explicar, sem fitar os olhos da Tv.

Daniel não gostava de jogar futebol, e ele ficava sempre “na de fora” apostando em quem ia vencer. Percebi sua impaciência, então resolvi pausar o jogo.

- Acho melhor irmos embora, Andy. Depois de amanhã já tem Tuca. - falei sério e apertei a mão de Anderson.

- Verdade, amanhã é nosso último dia de férias. Eu acompanho vocês até a porta. - Anderson desligou todo o equipamento e a Tv, e seguiu em direção á mesma conosco.

Ao passarmos pela sala, avistamos Gio dormindo toda “desajeitada”, e a casa impecavelmente limpa.

- Não façam barulho. - Andy pedia. - Até mais, gente. - ele se despedira de nós dois e fechou a porta.

- Foi a primeira vez que vi você tão mal humorado enquanto jogávamos futebol, Dani. - tentei manter o tom de voz calmo.

- Sempre senti ciúmes, Lico. E agora ainda mais. - Dani falava com seu tom de voz manhoso.

Sorri de lado pra ele, encerrando o assunto. Percebi Daniel cansado, então tomei a direção do carro. Daniel se encolheu no banco do carona e foi dormindo, até chegarmos em casa.

- Dani… DanDan… Acorda. - eu pedia, enquanto tentava carregá-lo do carro. Combinemos que eu não era o melhor nessa tarefa, pois sempre era Dani que me carregava.

Daniel saiu do carro, e abraçou-me por trás, caminhando junto á mim até a casa.

- Eu quero dormir. Que dia cansativo, Lico! - Daniel reclamava.

- De jeito nenhum, Daniel Nascimento da Silva Pinto. - falei sério, mesmo brincando com seu nome completo. - Vá tomar banho, e se trocar. É uma ordem. - exigi.

- Tem alguma coisa errada nisso, Lico. Geralmente, eu que mando. - Daniel dizia sonolento.

De fato, Daniel estava coberto de razão. Eu não sabia argumentar, mandar. Só obedecer.

- Daniel, vai agora. Sai desse sofá. - continuei exigindo, e bati algumas vezes em sua bunda. - Se não, eu vou chorar. - dramatizei.

- Você é péssimo com ordens. Mas eu vou, só porque amo você. Coisinha linda. - Daniel levantou-se, apertando minha bochecha e subiu para nosso quarto para então, cumpri com minha “ordem”.

Ao sair do banho, Daniel e eu “mortos” de sono, deitamos e rapidamente pegamos no sono.

[Narração Anderson]

Acordei antes que Giovana, e beijei sua bochecha como de praxe. Pelo trabalho árduo que ela tivera no dia anterior, resolvi surpreendê-la. Haviamos adormecido no sofá da sala essa noite, e tentei sair de perto dela sem acordá-la. Abri o armário para ver o que havia de comer, e preparei um café da manhã com seus alimentos preferidos. Salada de fruta, suco natural, barra de cereal, e algumas torradas. Preparei tudo em uma bandeja grande que tinhamos, e subi com a mesma, para nosso quarto. Em passos lentos para que ela não acordasse, e desconfiasse. Deixei a bandeja na mesinha ao lado de nossa cama, tirei toda roupa de cama que havia, e coloquei uma nova que compramos. Fui até o banheiro e preparei um banho em nossa banheira, do jeito que Gio gostava. No rádio, deixei tocando um cd do U2, banda favorita de Gio. Desci novamente para a sala, e fui até o lado de fora da casa. Havia uma árvore com flores, e arranquei algumas. “Ninguém vai perceber” pensei sozinho. Juntei todas em minha camisa, e subi novamente até o quarto em passos lentos. Espalhei as flores pela cama, e pelo quarto, tirei minha camisa e deitei-me na cama só de bermuda, á espera de Gio. 10:00, 10:30, 10:45 e Gio finalmente havia acordado.

Anderson? Andy? Não brinque comigo. É sério.” ela gritava lá da sala, provavelmente, á minha procura.

[Narração Giovana]

Procurei pelo Anderson até na parte de fora de casa, e não encontrei. Fiquei calada por um tempo, e ouvi uma música do U2 vindo do nosso quarto. Pensei mil coisas, e até mesmo, em ele estar com outra e subi as escadas freneticamente. Abri a porta e o quarto estava totalmente escuro, nem as cortinas estavam abertas.

- Anderson? - falei caminhando, e sentindo algo em meus pés. Olhei para o chão, e peguei aquilo que me parecia esquisito, e vi que era uma flor.  - Estou com medo. - eu prosseguia.

O silêncio tomava conta do quarto, e andei até que esbarrei na cama, e alguém me puxara.

- Bom dia, minha linda. - Anderson dizia beijando meus lábios, e passando uma mão pelo meu cabelo.

- Quem morreu, Andy? - eu dizia envergonhada, com uma risada baixa.

Andy então acendeu os abajures, e indicou com o dedo uma bandeja que estava ao lado de nossa cama.

- É pra você. - ele dizia sorrindo de canto a canto.

Retribui o sorriso, e levei a bandeja até á mim.

- Você não prepara nem seu próprio café da manhã. O que houve? - respondi impressionada.

- Houve que iremos passar nossa lua-de-mel em Buenos Aires, lugar que você é louca para conhecer. Mas como é só ano que vem, eu quero te dar uma breve prévia do que será. - Andy dizia com os olhos fitando-me o tempo todo.

- Anderson, não acredito. Vai me levar pra Argentina? - eu dizia empolgada, quase derrubando a bandeja. - Por isso a roupa de cama nova,… U2… Flores… Tem mais alguma coisa? - prossegui olhando em volta quarto todo.

- Coma antes, e depois lhe mostro. - Anderson disse seriamente, e colocou uma de suas mãos em minha coxa.

Coloquei a bandeja no lugar que estava antes, e subi em cima de Anderson e beijei-o por alguns segundos.

- Quero que me mostre agora. - disse, e então ergui uma sobrancelha.

Anderson fitou-me seriamente e entrelaçou seus dedos em meu cabelo, beijando-me com toda vontade. Sua mão percorria meu corpo todo, e sua língua, minha boca toda. Andy então interrompera o beijo com um selinho, e tirou minha camisola que eu usara. Sua boca, antes em minha boca, descia pelo meu corpo todo. Suas mãos apertavam meus seios, apalpando-os todo. Deitei-me toda sobre Anderson, e com minha boca em seu pescoço, desci percorrendo cada centimetro de seu corpo. 

- Você me enlouquece. - Anderson puxou meu cabelo pra trás, dizendo num tom de voz firme e mordeu meu pescoço.

Andy então virou-me na cama, e deitou por cima de mim e desceu sua boca dos meus seios até minha b*t. Calmamente ele me chupara, e então colocou 2 dedos dentro de mim, fazendo-me delirar. Com minhas mãos, forcei sua cabeça contra minha b*t, até que eu finalmente gozei. Anderson então tirou sua bermuda e cueca rapidamente, e deitou-me sobre mim colocando seu membro dentro de mim. Soltei um gemido alto, e Andy colocou sua mão sobre minha boca e começou com alguns movimentos lentos. Agarrei-me sobre o lençol na cama, e revirava meus olhos, sem conseguir proferir nenhum som. Anderson então aproximou ainda mais nossos corpos, enquanto aumentava o ritmo das penetradas. E então, ele gozara.

- Que saudade eu senti disso. - disse, bufando.

Anderson colou seu rosto ao meu, e fechou seus olhos.

- Você não faz ideia de como me fez falta isso também. Mas ainda não acabei. - ele dizia baixinho.

Me mantive em silêncio, e Andy pegou-me em seu colo e  levou-me até a banheira, com um banho já preparado. Água morna, sais minerais… Tudo como eu gostava. Andy colocou-me lá, e se deitou junto a mim.

- O que fiz para merecer tudo isso? - respondi sorrindo olhando em seus olhos.

- Nada. Mas você estava merecendo que eu te surpreendesse mais vezes. - Anderson dizia beijando minha nuca, e massageando meus ombros.

- Desculpa não conseguir fazer o mesmo. - respondi, ainda olhando em seus olhos.

- Querida, você faz mais que o necessário. - Anderson disse sorrindo.

Acabamos o banho, e voltamos para o quarto. Anderson vestiu-se novamente, e eu coloquei outra camisola.

- Hoje não quero fazer nada de diferente, Andy. Só ficar assim… Com você. - peguei em sua mão, acariciando a mesma, e sorri.

Anderson apenas sorriu, e sentamos em nossa cama, para tomarmos o café da manhã que estava na bandeja.

- Estamos devendo alguma coisa á Elidio e Daniel. Você lembra, Gio? - Andy perguntou e beijou meu pescoço.

- Ah, claro. A foto! Precisamos tirá-la, Andy! - respondi apressada.

Anderson puxou-me de modo que deitasse em seu ombro, e com sua mão passada por trás de meu ombro, eu segurava sua mão de modo que mostrasse nossas alianças. Ele então tirara a foto e colocara a legenda: “Queria acordar assim todos os dias de minha vida. Mas ás vezes, ela está brava e nem sorrir pra mim sorri. #setembrotáai”.

- Você é um palhaço! - falei gargalhando pela legenda. - Pronto, agora entrei para a família das odiadas. 

- Odiada porque, Gio? Fã sente ciúme mas não irão te odiar. Olha como você é linda. - Anderson respondeu, e tentou morder meu braço todo.

- Deixe eu comer, chato. Estou com fome. - respondi segurando para não rir.

Andy então parou, e ficou apenas observando-me comer.

[Narração Daniel]

Elidio e eu, para variar, acordamos perto da hora do almoço.

- Bom dia, Dani. - Elidio acordou-me pulando em cima de mim, e enchendo-me de mordidas.

- Elidio! Você sabe que sinto cócegas. - falei em meio á risadas e tentei desvencilhar-me dele.

- Acorda, e vamos almoçar fora. Estou animado hoje! - Elidio dizia ainda pulando ajoelhado na cama.

- Você vai quebrar nossa cama. Deixa de ser louco. - respondi tentando segurar Elidio, e a risada.

- Vamos, Dani. Está calor, quero sorvete. Vamos! Vamos! - Elidio dizia ainda pulando na cama. 

- Você é um chato! - brinquei, e agarrei Elidio em meu colo. Ele gritava tentando desvencilhar-se do meu colo, porém, carreguei-o firme e joguei-o na banheira, com água gelada do dia anterior. - Para abaixar seu fogo. - finalizei e ri ironicamente.

- Eu vou te matar, Daniel. - Elidio gritava. Ignorei-o e sai ali do banheiro, e fui checar o celular. Observei em uma das notificações do twitter que Anderson havia compartilhado uma foto do instagram há 1h atrás. Antes que eu pudesse checar, Elidio pulou em minhas costas, todo molhado.

- Vou te assassinar! - ele dizia em meio á mordidas em meu pescoço.

- Espere, Elidio. Olha isso. - indiquei o tweet de Anderson á Elidio. Ele então saira de minhas costas, e ficou encarando meu celular para que eu abrisse a tal foto.

- Ah, que lindos. Olha Dani, eles são lindos juntos! - Elidio dizia batendo palmas.

- Acordou com um vibrador na bunda hoje, né, Lico? - debochei. - Olha os comentários! E-li-di-o! - eu dizia perplexo.

- E olha essa tag, Dani, #AndyTenhaUmFilho. Ele vai morrer de rir quando ver! - Elidio dizia caindo na gargalhada. - Estão querendo saber o nome da Gio, e se ele vai casar. - Lico prosseguia indcando-me alguns comentários abaixo.

- Acho que não somos mais o centro das atenções, Lico. Ainda bem! - falei empolgado, e apertei a bochecha de Elidio selando seus lábios.

- Podemos ir comer agora? - Lico pediu olhando-me, e passando a mão em sua barriga.

- Tudo bem, amor. Vá se trocar. Vamos no restaurante aqui perto mesmo, ok? - respondi dócilmente e sorri pra Elidio.

Enquanto eu me trocava, observei Elidio fazer o mesmo, e o tempo todo cantando.

- Qual o motivo da alegria? Me traiu nos seus sonhos dessa noite? - falei abraçando-o por trás, e com a boca colada em seu ouvido.

- Minha felicidade tem nome, sobrenome e não sabe fazer escapate. - Elidio disse rindo baixinho.

- Idiota. - respondi sem graça.

Eu e Elidio terminamos de nos arrumar, e fomos para o tal restaurante. Procuramos uma mesa e nos sentamos.

- O que os senhores desejam? - uma voz feminina conhecida se aproximava. Olhei para trás e vi… Camila. “Puta que pariu!” pensei comigo mesmo.

- Vamos embora desse restaurante. Agora! - Elidio escandalizava. 

- Calma, Lico. Vamos sim, mas não chame a atenção para a gente. - falei cochichando perto dele.

- Daniel! Que saudade! - Camila gritara ao me reconhecer.

- É mesmo? Não perguntei se sente saudade. - disse nervoso, e peguei na mão de Elidio, guiando-o para fora do estabelecimento. - Lico, não vai chorar né? Você estava tão animado…

- Vamos pra longe daqui. Só isso. - Elidio abraçou-me forte, e pediu com uma voz mansa. Fomos em direção ao carro, e antes de ligar o mesmo, sentei-me de frente para Elidio e fitei-o.

Peguei em sua mão, e então comecei: - Vamos almoçar na casa de minha mãe. Hoje, eu que irei contar. - disse, sem tirar meus olhos dos dele.

- Você está falando… sério? - Elidio disse, mais uma vez, empolgado.

- Sim! E lá tem sorvete. - finalizei e beijei sua mão.

Elidio sorriu de canto a canto, e concordara com minha ideia. Então, tomamos caminho pra lá.

Capítulo 9 - Fome.

Acordei no outro dia com meu despertador tocando, olhei pro lado e o Yan ainda estava lá, chamei ele algumas vezes e ele nem se quer se mexeu me aproximei até ele e mordi seu lábio inferior e puxei, ele começou a rir.

- Agora você acorda né retardado.
- Quanto amor. –ele veio pra cima de mim e começou a me beijar.
- Jeeessy. – o Clendon começou a gritar lá de baixo. – Você vai se atrasar. –completou.
- Por que ele acorda essas horas? –ele parou de me beijar mas, logo volto a me beijar novamente.
- Sei lá, e Táaa. –disse entre o beijo. – Você tinha que tá em casa se arrumando pra ir para a escola. –disse pro Yan.
- Até parece. –ele deitou do meu lado e começou a encarar o teto, fiz o mesmo.
- Mas agora eu tenho que ir porque não tenho mais meus pais pra me bancar a passar de ano. –disse me levantando, assim que olhei pra ele, ele já estava dormindo de novo. Puta merda.

Tomei um banho rápido porque eu já estava atrasada, coloquei uma calça jeans preta rasgada e uma blusa cinza cropped e meu all star. Peguei as minhas coisas e desci, deixei o Yan dormindo depois ele se resolvia com o Clendon.

[Yan Narrando]

Acordei com o sol na minha cara e com uma puta vontade de comer, coloquei minha calça e desci pra cozinha e não tinha ninguém lá, ou seja não tinha Clendon pra encher o saco. Benza a Deus. Abri o armário da pia e comecei a revirar as coisas em busca de comida.

- Uau que selvagem que ela é. -levei um susto do caralho, assim que virei me deparei com a Sophia com um pacote de bolacha nas mãos.

- Hã?

- É, as suas costa está toda arranhada. -ela se explicou.
- Ah ta. –disse me virando novamente pro armário de pia. – Hein Sophia aqui não tem comida não?
- Sei lá, eu devo ter comido tudo. –ela deu de ombros. – Mas Yan –ela continuou- não dói isso aí não?
- Me dá esse pacote de bolacha aí porque tô com fome pra caralho. –disse mudando de assunto.
- Hã, eu não. –ela arqueou uma sobrancelha.
- Me dá logo isso aí Sophia. –insiste.
- Eu já disse que não.
- Você vai virar uma obesa.
- E quem disse que eu me importo? –ela disse colocando uma bolacha na boca.
- Você é chata hein. –disse coçando a cabeça.
- Eu sei. Mas então Yan não dói não? –ela voltou ao mesmo assunto de alguns minutos atrás.
- Pergunta teu namorado. –voltei a procurar comida naquele armário.
- Oque tem eu? –o Clendon surgiu do nada.
- O Yan aí falando pra eu perguntar pra você se não dói esses arranhões, tipo os dele. –ela apontou pra mim. Ela só fode as coisas.
- Quem fez isso aí nas suas costas hein Yan?? –ele perguntou.
- Aqui nessa casa definitivamente não tem comida. –disse me virando.
- Adivinha só Clendon quem fez. –ela disse gesticulando as sobrancelhas e colocando mais uma bolacha na boca.
- Sei lá. –ele deu de ombros, ele foi até a geladeira e pegou duas cervejas e entregou uma pra mim.
- Uma partida de PES?? –perguntou ele.

Não sei o que aconteceu com o Clendon que não falou nada, nem perguntou oque eu estava fazendo na cozinha da casa dele só de calça jeans, mas de boa não vou reclamar de barrig…. Opa ainda tô com fome.

Fomos jogar PES( Pro Evolution Soccer) enquanto a Sophia ia no supermercado comprar alguma coisa pra nós comer.

Ficamos jogando PES até a hora que a Jessy chegou da escola e quase teve um surto. Normal isso vindo dela.

Nada por acaso - 9ª Capítulo

1 mês depois do atropelamento. 

 Estava chovendo muito naquela manhã. Mas, eu tinha que ir para escola. Era a primeira vez que eu ia depois do acidente. A Isabella chegou cedo na minha casa para me arrumar. 

 -Você precisa estar bem bonita, Julie. -ela tinha dito isso á uma semana atrás. E eu prometi que ia deixar ela me arrumar. 

 Cheguei na escola e a Fernanda veio correndo me abraçar. 

 -Que saudades de você! -ela disse me abraçando bem forte. 

 Ela virou minha melhor amiga nesse tempo que fiquei fora da escola. Mantemos contato pela internet e ás vezes ela ia na minha casa. Tenho muita sorte por te-lá como amiga. 

 Senti alguém me abraçando por trás. Adivinha. 

 Isso mesmo. Adivinhou. Era o Lucas. Eu o abracei também. 

 -Faz tanto tempo que a gente não se vê. -ele sussurrou no meu ouvido. 

 Eu saí do abraço, olhei para ele e sorri. 

 Tive que ouvir todos os professores perguntando se eu estava bem. Os alunos falando que eu perdi muita matéria. E a diretora me abraçando toda vez que me via. 

  Cheguei em casa, joguei minha mochila no sofá e fui direto pro meu quarto. Quando eu tinha acabado de deitar para dormir, a campainha tocou. Eu tava sozinha em casa, então tinha que descer para atender. Devia ser a Isabella. Mas achei meio estranho. Ela nunca toca a campainha. 

 -O que foi, Isabella? -gritei lá de cima mesmo, mas não tive resposta. Então desci. 

 -Oi, Julie. -não era a Isabella. 

 -Oi, Lucas. Mas, o que você tá fazendo aqui? Desculpa a pergunta. 

 -Eu tive que vir aqui para falar que… Eu te amo, Julie. 

 COMO ASSIM ELE ME AMA? 

 -Toda vez que eu te vejo, meu coração dispara. Eu quero ficar com você, Julie. Não ficar por ficar. Ficar pelo resto da vida. Namorar, casar, ter filhos… 

 -Entendi. 

 -Olha, eu sei que o meu amor não é reciproco. Mas, me dá pelo menos uma chance, Julie. 

 -Lucas, sei lá. Acho que você é errado pra mim. 

 -Errado? Ok. Eu sou errado pra você, Julie. 

 Ele abriu a porta e saiu. Eu sentei no chão e abaixei a cabeça. Depois daquilo, acho que eu vi outra parte Julie saindo de mim, e tomando o lugar da Julie tímida. Só sei que eu saí por aquela porta, na chuva mesmo, corri até o Lucas -que já estava a mais ou menos 100 metros da minha casa- e disse: 

 -Eu gosto do errado. -e o beijei. 

4ª Temporada - 9º Capítulo - Tuca com danidio (+18)

[Narração Daniel]

A reunião se recomeçara, se alastrara, e Elidio não desgrudava de sua cesta junto de seu bichinho. Ao fim da mesma, ele manteve-se da mesma maneira.

- Achei o Elidio muito deselegante hoje. Era uma reunião importante e ele ficou olhando pra essa cesta! - Anderson dissera incomodado ao nos dirigirmos para o elevador.

- Andy! Terei que relembrá-lo de tudo que já conversamos? - Giovana chamara sua atenção irritada.

- O Elidio nunca falta em nenhum compromisso e sempre cumpre seu papel bem. Qual a razão para pegar no pé dele? - perguntei-o irritado.

- Isso é ciúmes, Daniel. Tudo que o Elidio faz ele implica! - Gio respondera olhando seriamente para Anderson.

Elidio ficara em silêncio e abraçado á mim o tempo todo. Minha sorte era de que Elidio havia parado de se ofender com o que Anderson dizia, e deixara comigo o papel de defendê-lo.

- Daniel, sei que o Anderson está sendo indelicado, portanto, iremos a pé mesmo. Não quero que haja desentendimento. - Gio dissera ao chegarmos perto do carro.

- Tudo bem, Gio. Nos vemos amanhã então. - respondi-a despedindo-me dos dois.

Elidio não despedira-se de nenhum dos dois, e entraram no carro sem dizer uma só palavra. Eu já suspeitara desde o começo o motivo desse comportamento, e preocupei-me de imediato.

- Você está tão calado, querido… - comentei ao entrar no carro, e então acariciei sua coxa.

- Odeio quando o Anderson me xinga. - Elidio respondera olhando para seu coelhinho fixamente.

- Ele daria tudo pra ser você. Pra estar no seu lugar. Esse é o motivo. - respondi-o calmamente.

- Eu sei. - Elidio dissera suspirando e então escorou sua cabeça na janela do carro.

Respirei fundo e preocupei-me em levar-nos para casa novamente. Quando chegássemos, eu sabia exatamente como mudar seu humor. O caminho inteiro Elidio manteve-se em silêncio, apenas acariciando o bendito bichinho de pelúcia! Ao chegarmos em casa, Elidio saira do carro e fora correndo para o nosso quarto.

[Narração Elidio]

Eu estava realmente chateado com o modo como Anderson havia me tratado. Daniel tentava animar-me com seu jeito cuidadoso, mas eu realmente sentia-me mal em ouvir certas coisas de Anderson. Subi apressadamente para nosso quarto, na expectativa de distrair-me.

- Venham, filhos. Vou arrumar vocês todos juntos. Esse é o mais novo membro da família. - eu conversara enquanto pegava alguns dos meus bichinhos de pelúcia. - Ele ainda não tem nome, mas eu vou nomear todos. - eu finalizara enfileirando todos, e deixando minha cesta do lado da cama. - Você vai se chamar “minhoca”. - eu indicara para um dos brinquedos. - Você vai se chamar “Sulley”, porque você é ele. - eu rira sozinho. - E você… é tão branquinho. Vai se chamar “bola de neve” - eu dissera apertando um deles. - Agora vocês outros serão: Mike, Dave, Stuart, banguela, bolacha e totó. - eu prosseguia enquanto indicava um por um. - Falta você, não é mesmo, coelhinho? - perguntei-o pegando-o em meu colo e abraçando-o.

[Narração Daniel]

Eu havia preparado algumas coisas das qual Elidio amava comer, e subi para nosso quarto para entregar-lhe. A porta estava semi aberta, e então escorei-me nela e o vi conversando com seu coelhinho. Sorri de lado ao ver aquela cena, e então entrei no quarto e ele me encarara colocando o brinquedo no chão.

- Já que eu não consigo te animar, trouxe isso. - eu dissera mostrando-o a bandeja em minha mão.

- Pão com Nutella, sorvete, um copo com canudinho. - Elidio dissera olhando o que estava na mesma. - Isso tudo porque subi apressado sem falar com você? - ele perguntara rindo timidamente.

- Não tem graça, Elidio. Você sabe que me tortura quando fica sem falar comigo. Gosto do Elidio que estou acostumado á viver. - reclamei.

- Como é o Elidio que você acostumou á viver? - Elidio perguntara de braços cruzados.

Coloquei a bandeja no chão e então aproximei-me de Elidio. Coloquei minha mão sobre sua coxa e respirei fundo antes que eu pudesse responder.

- Feliz, animado, batendo palmas. Pedindo para eu parar no meio do caminho porque sentiu vontade de comer alguma coisa, e fazer birra para que eu obedecer. - respondi-o enquanto acarinhava sua coxa.

- Vou te dar um desafio. Se você passar por ele ganha um beijo e eu como. - Elidio dissera desafiando-me.

- Já quero te avisar que: sou péssimo nisso. Mas tudo bem, diga. - respondi-o olhando-o ansiosamente.

- Pensa na porra de um nome bonito pra esse bicho! - Elidio dissera impacientemente segurando seu coelhinho em suas mãos.

- Sei um nome. Fará com que se lembre de mim toda vez que vê-lo. - eu dissera animado. - “Batom”! - arrisquei.

- Gostei! Você vai ser o “Batom”, agora sente-se aqui. - Elidio dissera colocando o bichinho junto dos outros. - Agora você merece um beijo. - Elidio aproximara de mim, e então finalizara respirando fundo.

Assim que Elidio aproximou-se, segurei em seu rosto guiando-o contra o meu e então beijei-o. Elidio então guiou-me deitando-me no chão, e manteve-se em cima de mim. Desci minhas mãos pelas costas de Elidio, até alcançar sua bunda, e apertei-a enquanto beijava-o lentamente.

- Precisamos nos arrumar para irmos para o Tuca, DanDan. - Elidio lembrara interrompendo o beijo por um momento.

- Ah, não me lembre… - lamentei-me com a voz desanimada.

- Primeiro o trabalho, depois a diversão. - Elidio dissera levantando-se.

Elidio então comera, e arrumamos-nos para ir ao Teatro. Tinhamos que sair ás 19:00, e faltavam 5 minutos para tal.

- Estamos atrasados. Vamos, DanDan. - Elidio dissera guardando o frasco de perfume que estava usando e dirigindo-se para a porta.

- Você sempre passa esse perfume para que eu fique excitado, não é? - perguntei-o enquanto aproximava-me dele por trás.

- Por que acha que estou de azul hoje? - Elidio perguntara rindo timidamente. - Mas estamos em cima da hora, não se distraia! - ele prosseguira enquanto andava apressadamente.

- Imagine que legal um dia, Lico… “Barbixas cancelam sessão no Tuca pois Daniel estava ocupado demais”. - respondi-o apertando sua bunda.

- Não tem graça. Pare, DanDan. - Elidio pedira enquanto tentava desvencilhar-se de meus braços.

Tomamos caminho para o Teatro, e chegamos ao mesmo ás 19:30. Como de costume, os últimos á chegar. Cumprimentamos á todos, e Giovana encarara Anderson.

- Faça o que eu te mandei. Agora! - ela pedira.

- Elidio, sei que fui grosso com você hoje. Peço que me perdoe. Aqui está: uma barra de chocolate. - Anderson dissera entregando-a para Elidio.

- Eu sei que não come meio-amargo, então nos atentamos á isso. - Giovana complementara sorrindo.

- Parecem duas crianças conciliando-se nos tempos de escola. - Ballas comentara ao vê-los se abraçando.

- Espero que mude algum dia, Anderson. - respondi-o em seco e então abracei Elidio.

Anderson fingira que eu não havia dito nada, e mudara de assunto. Depois de organizarmos tudo para o inicio do espetáculo, ele finalmente, inicializou-se.

- Vamos jogar o jogo das Luzes, e pra isso eu quero Daniel e Elidio de pé. Para ajudar-me nesse jogo, preciso que vocês sugiram emoções! Uma emoção, primeiramente.- Ballas dissera.

- Ciúmes! - alguém gritara.

- Tudo bem. Agora vocês aqui do meio, um estilo… - Ballas pedira.

- Possessão! - alguém sugerira.

- Tudo bem, possessão pode ser. Agora um animal, pessoal daqui. - Ballas indicara.

- Cachorro! - alguém dissera.

- Então, ciúmes, possessão e cachorro. Quando tiver essa luz azul a emoção predominante será ciúmes. Luz verde: possessão.. E vermelha: cachorro. E jogo das Luzes começa agora! - Ballas autorizara.

[Narração Elidio]

Daniel tomara á frente fingindo estar chorando, e então aproximei-me.

- Por que você está chorando, Carlinha? - perguntei-o enquanto olhava-o com dó.

- Porque Cláudia, aquele cachorro do Gilberto terminou comigo! - Daniel dissera esbravejando ainda fingindo estar chorando.

A luz então fora para azul.

- Você gosta mais dele do que da sua amiga aqui? - eu dissera cruzando os braços.

- Mas foi você que outro dia estava agarrada com aquele canalha do Cláudio. - Daniel respondera estapeando-me de leve por todo corpo.

A luz então passara para vermelha.

Agachei-me no chão, ficando de quatro e Daniel o fez também. Aproximei-me de Daniel e lambi-o no rosto.

- Você sabe que é minha pessoa preferida do mundo todo. - eu dissera segurando para não rir.

- Acho melhor eu marcar território. - Daniel respondera aproximando-se de minha bunda, então ele abrira as pernas, e  fingira estar fazendo xixi na mesma.

A luz então voltara para azul.

- Eu não quero que você veja o Gilberto nunca mais! Você vai dar atenção somente á mim a partir de hoje, Carlinha! - eu dissera com um tom nervoso apontando o dedo para Daniel.

- Tem certeza que seu interessse é esse, Cláudia? Me parece que você quer o Gilberto pra você! - Daniel cruzara os braços e batera o pé no chão, mostrando-se indignado.

- Como pode pensar isso de mim? Eu sua amiga, que estive tantos anos junto de você. - respondi-o fingindo estar chorando.

A luz então ficara verde.

- É verdade… Então você é minha agora! - Daniel dissera andando para trás de mim, então agarrara-me daquela maneira.

Daniel segurou-me tão forte, que acabei guiando-me para o chão, e ele manteve-se deitado por trás de mim encoxando-me. Ballas disparara a campainha encerrando o jogo.

- Antes que acabe de uma forma que não gostaríamos… - Ballas justificara-se olhando-nos desconfiado.

Eu e Daniel ríamos disparadamente daquela cena, porém, tentamos disfarçar. O espetáculo alastrou-se, até chegar o seu final. E sem muita demora, a sessão de fotos então iniciou-se.

- Oi, garotos! - uma garota dissera ao nos ver. - Eu achei muito lindo quando você e o Daniel cairam juntinhos. - ela comentara olhando-nos.

- Eu não gostei, mas já que você gostou… - Daniel respondera tentando disfarçar.

Tiramos a foto junto dela, e das outras pessoas, até que ela acabara. Avisamos á todos que novamente, não iriamos jantar junto deles e fomos para nossa casa.

[Narração Daniel]

Durante o caminho de volta para nossa casa, percebi Elidio mais animado. Ele deixara o rádio ligado e fora cantando até chegarmos, e eu senti alívio ao ver meu Elidio animado novamente. Assim que chegamos, antes que Elidio dissesse alguma coisa, abracei-o por trás e comecei á beijá-lo pela nuca.

- Assim eu arrepio, DanDan. - Elidio dissera contorcendo-se.

- Você me fez ficar todo esse tempo com vontade. - respondi-o sussurrando ao pé do seu ouvido.

- Quer dizer que sentiu vontade? - Elidio perguntara provocando-me.

- Sim… E pensei em algo diferente para fazermos. - agarrei-o virando-o de frente e então encarei-o.

- Diferente? Ainda existe algo que não tenhamos feito? - Elidio rira ao perguntar-me.

Apaguei a luz de nossa casa e guiei Elidio até o sofá, e liguei a televisão. Elidio então tirara o tênis e a meia, e sentou-se em meu colo.

- O que você vai fazer? - Elidio perguntara envergonhado.

Passei pelos canais, e então selecionei um em que passava pornô gay. Elidio olhara assustado, e então olhei-o fixamente. No filme, estavam dois homens em um navio, enquanto um sentava no membro do outro.

- Preciso comprar um navio. - comentei lamentando-me.

Elidio olhara aquela cena, e então tirara sua camisa jogando-a pro lado e então beijou-me com vontade. Deixei que minhas mãos passassem por toda sua cintura, e assim cheguei até seu membro por cima da roupa. Continuei á beijá-lo enquanto apertava levemente seu membro.

- Fazer assim num navio enquanto está balançando deve ser gostoso. - Elidio comentara timidamente.

- Quando eu ganhar na Loteria comprarei um pra gente. - respondi-o enquanto apalpava um lado de seu rosto.

Elidio então tirara minha camisa e voltara á beijar-me. Minha mão que antes apalpava seu membro subira até o feixe da sua calça, e então abrira a mesma. Assim que o fiz, tirei sua calça jogando-a no chão. Elidio então virou-se de frente pra mim e começara á roçar sua bunda pra frente passando pelo meu membro enquanto mordiscava a ponta de minha orelha. Meus olhos continuaram á vista do filme, e um dos atores começara á penetrar dedos no parceiro, e estimulei-me ao ver aquilo. Desci minhas mãos até a cueca de Elidio, e joguei-a para um canto qualquer. Em seguida, olhei-o fixamente e estapeei sua bunda com força. Elidio soltara um gemido enfraquecido, porém, prolongado. Desci com meu dedo “do meio” pelo seu meiozinho, e então adentrei sua entradinha com um dedo. Coloquei-o e tirei-o rapidamente para escutar Elidio pedir por mais. Elidio virara sua cabeça para o lado olhando-me como se pedisse por mais e então coloquei outros dois dedos. Comecei á movimentá-los para dentro de Elidio, e Elidio gritara de tesão. Mantive meus dedos ali e então troquei de lugar com Elidio. Coloquei-o ajoelhado no sofá, e inclinei sua bunda de modo que ela ficasse á altura de meu rosto. Assim que o fiz, levei minha boca até perto de sua entradinha e comecei á chupá-lo enquanto adentrava com meus dedos para dentro de sua entradinha. Elidio segurava-se no sofá, e seus gemidos saiam de forma escandalosa. Ao vê-lo daquela maneira, puxei-o para meu colo e levei-o até a cozinha.

[Narração Elidio]

Daniel guiou-me até a cozinha, e então colocou-me sobre a tampa do fogão. Assim que o fez, Daniel abrira a geladeira, e tirara o pote de Nutella da mesma. Olhei-o ansioso para ver o que iria fazer, e Daniel então abrira o pote e “afundara” dois dedos no mesmo. Em seguidos, levou-os até a boca e começou a chupá-los de maneira insinuante. Daniel então desabotoara a calça, e descera sua cueca, descartando ambas ao mesmo tempo. Assim que o fez, Daniel começara á masturbar-se lentamente enquanto chupava seus dedos. Ao ver aquela cena, senti meu membro ficar ainda mais duro, e meu tesão aumentar ao máximo. Desci do fogão e fui em direção á Daniel. Beijei-o ao aproximar-me, e Daniel então pegou-me em seu colo, deixando que minhas pernas entrelaçassem sua cintura, e guiou-me até o fogão novamente. Assim que sentei-me no mesmo, Daniel então despejara um pouco de Nutella em meu membro, e em seguida, Daniel começara á chupar-me. A temperatura gélida da Nutella arrepiara-me da cabeça aos pés, e a boca quente de Daniel constratava com a mesma. Daniel manteve seus olhos fixos nos meus, e eu segurara seu sua nuca, deixando que ele chupasse lentamente. Daniel deixara que sua língua explorasse meu membro como um todo, deixando-o bem úmido. Assim que o fez, Daniel começara á chupar-me mais rapidamente. Segurei-me no fogão e deixei que ele se movimentasse. Meus gemidos continuara á sair escandalosamente, o que parecia excitar bastante Daniel. Daniel manteve-se rápido em seus movimentos, chupando-me freneticamente. Meus gemidos misturavam-se com os do filme que ainda estava em execução na televisão, e eu sentia-me ainda mais excitado. Daniel então jogara um pouco mais de Nutella em meu membro, lambuzando-o como um todo, e voltara á chupar-me na mesma intensidade. Meu corpo contorcia-se, e meus pés tremiam, sentindo  o gélido do doce misturado aos movimentos de Daniel. Com o passar dos minutos, meu membro encontrara-se completamente úmido, e a boca de Daniel escorregara facilmente pelo mesmo. Segurei em sua nuca, e deixei que sua boca ficasse prensada alguns segundos em meu membro, enquanto eu olhava-o desesperado. Daniel manteve-se assim até não conseguir mais, e então voltara á movimentar-se. Entrelacei meus dedos em seu cabelo, e mantive meu olhar fixo no dele, até enfim, gozar. Daniel então engolira, e voltou-se pra cima. Ele então pegara em minha mão, guiando-me até a parede. Em seguida, Daniel virou-me de costas. Ao fazê-lo, senti algo gélido passar em minha entradinha, e percebi ser Nutella.. Daniel então inclinara minha bunda para trás, e enfiara sua língua toda dentro de mim. Soltei um gemido alto, e Daniel então segurara em minha cintura e começara á movimentar meu corpo para frente e para trás enquanto chupava-me. Mantive minha cabeça escorada na parede, deixando que somente meu quadril se mexesse. Segurei-me firme na mesma, devido aos movimentos bruscos de Daniel. Á medida que Daniel enviadia-me mais, meus gemidos aumentara de volume, ecoando casa afora. Daniel então separa uma de minhas nádegas, e começara á brincar com sua língua dentro de mim, balançando-a para cima e para baixo. Eu gemia repetidamente, não aguentando-me de tesão, e Daniel continuara daquela forma. Daniel então voltara á chupar-me, e levara seu dedão á altura de minha entradinha massageando-me por ali, deixando-me ainda mais estimulado. Assim que ele o fez, comecei á gritar ainda mais alto, e Daniel não diminuiu o ritmo um só segundo. Daniel então puxou-me para baixo, e deitou-se no chão. Assim que ele o fez, Daniel puxou-me de modo que eu sentasse em sua boca. Ao sentir sua língua adentrando-me, comecei á rebolar, de forma que minha bunda fosse ainda mais fundo em seu boca. Enquanto chupava-me, Daniel levara sua mão até meus testículos e começara á massageá-los. Aumentei o ritmo com que “rebolava” na boca de Daniel, e então senti um orgasmo prolongado vindo. Levantei-me dali, e Daniel pegara em minha mão e então guiou-me  para a área de nossa casa. Ao chegarmos na mesma, Daniel ligara a máquina de lavar e eu olhei-o surpreso.

- Não tenho navio, mas… - Daniel dissera olhando-me de lado.

Retribui o sorriso, e então Daniel sentara na mesma. Realmente, ela balançava muito, e pude sentir assim que aproximei-me de Daniel. Daniel puxou-me para cima, e então encaixou seu membro em minha entradinha. Os movimentos de Daniel misturavam-se com os da máquina, e eu sentira seu membro adentrando-me por inteiro. Daniel segurara em minha cintura, enquanto sua boca descia por toda minha nuca carinhosamente. Daniel então colara sua boca ao pé do meu ouvido, e eu escutara-o gemendo baixinho. Á medida que os movimentos foram se intensificando, nossos gemidos faziam o mesmo aumentando de volume. Daniel então levara sua mão até meus testículos novamente, e voltara á massageá-los estimulando-me. Ao sentir sua mão por ali, comecei a gemer ainda mais alto, e Daniel sorria o tempo todo. Segurei-me na máquina de lavar e então comecei á rebolar em cima do membro de Daniel intensamente. Daniel gemia prolongamente ao sentir-me daquela maneira, e então abraçou-me voltando á penetrar-me rapidamente. Eu sentia seu membro adentrar-me completamente facilmente, e minha entradinha completamente úmida. Daniel então começara á gemer mais intensivamente até enfim, gozar.

Daniel então descera da máquina junto de mim, e entrelaçara seus braços em meu pescoço, beijando-me carinhosamente.

- Eu também amo você. - eu dissera sorrindo de lado.

Daniel retribuira o sorriso, e então subimos para nosso quarto. Tomamos banho rapidamente, e deitamos para dormir daquela mesma maneira.

- Amanhã temos um vôo cedo para Curitiba. Descanse bem, querido. - Daniel dissera dando-me um beijo longo em minha testa.

- Você também, DanDan. - respondi-o sorrindo de lado.

Agarrei-me á Daniel, abraçando-o o mais firme que eu conseguira. Depois de tantos cafunés recebidos de Daniel, finalmente, peguei no sono.

Cap. 9

Rafael Correa: Oi gabi, tdo bem?
Gabriele Fontinelly: To bem sim e vc?
Rafael Correa: Bem tbm
Gabriele Fontinelly: Que bom ^^

Acabou o assunto, e eu não me importaria, se ela pensa que vou ficar correndo atrás esta muito enganada

Gabriele Fontinelly: dsclp não falar direito com vc hoje, eh q eu soh vjo o Lu dia de sábado e tva morrendo de saudade, ele eh meu melhor amigo uashasu
Gabriele Fontinelly: Mas na saída pq não se juntou a nós? Eu iria adorar ^^
Ela esta tentando me deixar louco, só pode ser isso
Rafael Correa: Iria adorar? RS
Gabrielle Fontinelly: Uai pq não? Vc eh super gente boa, qro q conheça meus amigos *-*
Rafael Correa: ah achei q n quisesse nem sabia se o cara lá era seu namorado RS
Gabriele Fontielly: hushuahuhsau o Lu? Nuuunca ele é tipo a sua melhor amiga eh pra vc sabe? q vc me dise? Eh tipo um irmão mais velho auhsua
Foi um alívio vê-la falando aquilo, e eu passando raiva atoa, não é que a mica tinha razão? Ri para mim mesmo
Rafael Correa: Entendi, tava reparando vc tem msm muitos amigos ne? Kk
Gabriele Fontinelly: homens.. ate q +/- e fora da facul tbm mas nunca rolou nada com nenhum deles eh soh q sou muito carinhosa sabe? Uashuas muuuuito
Rafael Correa: e eles n confundem?
Gabriele Fontinelly: Não, todo mundo sabe q sou assim asusahu
Rafael Correa: Gabi, me passa seu celular?

Ela passou o numero dela e eu o meu, era da mesma operadora, conversamos mais um pouco até que ela disse que ia sair com seus pais e saiu do face, fiquei vendo umas outras coisas o dia todo e a noite a Mica ligou.

*Ligação on
– Fael! Como você esta? – Falou com a voz um pouco baixa
– To bem mica, consegui falar com ela – Falei um pouco mais animado
– Conseguiu?? E ai? – perguntou empolgada mas ainda falando baixo
– Era o melhor amigo dela – falei aliviado
– Viiu, você não pode se precipitar – Falava quase sussurrando
– Mica por que esta sussurrando? – estava me irritando com isso
– É que o Lu pegou no sono aproveitei pra te ligar, jaja ele acorda – deu um risinho
– O que vocês estavam fazendo? – perguntei e pensei que eles podiam ter.. – Se é que me interessa né! ¬– Falei avisando que se fosse sexo nem precisava falar
– Faael.. bobo, estávamos assistindo filme e ele pegou no sono
– Entendi, vai dormir ai hoje?
– Vou sim – respondeu sem malícias
– hhmmm hoje teem, melhor esse frouxo descansar bastante mesmo, mais tarde vai precisar de energia, use camisinha em Dona mica – Falei caçoando a mica
– Fael! – Falou um pouco alto e deu uma pausa – Fael, seu idiota, cuida da sua vida muleque – ela detestava falar sobre esse assunto quando o assunto era ela
– Promete usar camisinha? – insisti, mas sabia que ela usaria se fizesse
– Vaai cuidar da sua cinderela e me deixa em paz – disse irritada e eu ri – Boa noite mala
– Boa noite mica, diviiirta-se – falei dando uma ultima zoadinha antes de desligar o tel.
Ela resmungou algo que não ouvi porque já tinha desligado
*Ligação off

Agora eu tinha o celular dela, estava decidido a chama-la para sair já quase a “perdi” 2 vezes e não queria esperar a terceira, assim que pudesse iria convida-la para sair.
Domingo amanheceu um dia lindo, lindo, muito lindo, lindo para um primeiro encontro, corri para pegar meu celular e comecei a discar o numero dela mas parei, pensei um pouco, melhor não.. talvez estivesse me precipitando um pouco em liga-la assim, mas porque não um sms?

Rafa: Bom dia, só queria te desejar bom domingo. Espero que tenha dormido bem, bjs

Foi a primeira mensagem que enviei pra ela, fiquei alguns minutos pensando se apertava aquele bendito “enviar” já era quase horário de almoço e enfim enviei.
Decidi me distrair um pouco, fui até o computador e comecei a ver uns clipes de musicas, até que ouço a campainha, minha mãe foi atender e pude ouvir a voz de Mica, pouco tempo depois ela bateu na porta do meu quarto já entrando.

– Fael? Atrapalho?
– Hey mica, entra ai, e ai? A noite foi boa? – ela ficou vermelha isso significava que eu estava certo e eu ri – Ok, não falo mais nada! – fiz como uma chave na boca
– Sabe que eu não gosto de falar disso – disse tímida e eu quase fiquei com dó
– Nada haver mica, vc viaja, acha q nasceu da cegonha pow? – ri
– Hhhhm, fael quer assistir um filme? – tentou mudar de assunto
– Deu um pé no Lucio pra ficar com seu maninho aqui? – ri sendo irônico
– É que ele ia pra casa dos tios dele hoje
– Ah então eu virei segunda opção? – fiz fazendo birra
– Vc tá afim do filme ou não? – Fez que não ligava para minha pergunta
– Hm que tipo de filme? – Perguntei como se estivesse analisando a proposta
– Você escolhe – falou querendo me fazer aceitar – mas tem que ser de comédia, quero rir!
– E você faz pipoca? – e ela assentiu como uma criança – Então eu topo, acho que essa era exatamente a distração que eu precisava – e logo após eu dizer isso meu celular apitou uma sms, sai correndo para ver. Era ela

Gabi: Bom dia Rafael, um bom domingo pra vc tbm, eu dormi como um anjo kk e vc? Bjs

Pensei imediatamente em responder “com vc desejando meu domingo já esta perfeito, e vc já é um anjo nem poderia dormir de outra maneira” sorri e achei que seria um pouco de exagero

– Distração.. dessa mensagem ai que acabou de receber? Que obviamente é da sua cinderela?
– Hm?? – voltei dos meus devaneios – Minha cin..ah hm.. é.. como sabe que era ela? – perguntei sem entender nada
– Essa sua cara de besta ai – Falou se referindo ao meu sorriso idiota ao ler a mensagem
– Mica, filme, vamos? – falei disposto a não responder a mensagem, precisava me distrair e um filme com a Mica era tudo que eu queria.
– Responde a mensagem primeiro, eu espero – falou sentando na cama e mexendo em seu cabelo e eu sorri com seu “aval”
Peguei o celular e comecei a responder

Rafa: também dormi muito bem, sonhei com um anjo, mas não queria q fosse sonho rsrs

– Pronto, bora fazer um lanche? To com fome? – sai para cozinha e ela veio atrás
Peguei umas coisas no armário estava colocado na mesa e apita mensagem

Gabi: Posso perguntar o que sonhou?? ^^
Rafa: Prefiro não dizer, sou meio tímido sabe? Kk mas foi bom
Gabi: hhm isso q eh importante, oq faz de bom ai?
Rafa: Vou assistir filme com a Mica e vc?
Gabi: Mica? Quem eh mica? Eu nada demais :)
Rafa: Minha melhor amiga, q eu te disse sabe?
Gabi: Ah entendi, vou parar de atrapalhar.. bom filme pra vcs.. e manda um bj pra ela usahasu bjs

– Fael? A conversa ta boa ai? Tem certeza que quer assistir filme? – Perguntou percebendo que eu não desgrudava do celular
– hhhm ela te mandou um beijo – sorri – Claro que tenho mica, só vou me despedir aqui perae – Falei e já comecei a digitar
– Manda outro pra ela – sorriu me esperando para ir a locadora

Rafa: Você nunca atrapalha, mas vou lá, mais tarde mando msg, posso? Se cuida linda, Até +
Gabi: Pode sim anjo, vou esperar então em?! bom filme ^^

– Pronto vamos – fui saindo em direção a porta
– Aaah ta todo apaixonadinhooo que gracinhaaa – falou me zoando enquanto me seguia em direção a locadora
– Mica, cala boca, não fala o que não sabe! – Eu não estava apaixonado, estava?
– Fael tá apaixonado, fael tá apaixonado, fael tá apaixonado, fael tá apaixonado lala lala – falou cantalorando e dançando para me irritar

Pegamos uns filmes e ficamos assistindo até tarde era muito legal assistir filme com a Mica, ela parecia criança, uma idiota, e eu ficava a atormentando o tempo todo, depois que ela foi embora olhei no relógio já era 22:20 mandei a mensagem mesmo assim
Rafa: Boa noite, dorme bem linda
Poucos minutos depois veio a resposta e ficamos conversando um tempo, nos despedimos e fui dormir olhei no relógio já era quase meia noite.

>> Próxima

9° Cap. A hora da Verdade Part. 1

- Isso é um Deja-Vu?

Quando eu acordei eu e Harry estávamos deitados no sofá ele estava me abraçando, bom eu me senti tão bem com aquilo mas não podia me apaixonar mais por ele eu tinha que parar de se apegar mais a ele, pois agora ele tinha uma namorada. Eu me levantei bem devagar para não acorda-lo, tirei os braços dele de mim com muito cuidado.

Pensamento ONN

Como esse garoto pode ter um efeito tão grande sobre mim, eu mal o conheço e já sinto muita coisa por ele, ele é tão lindo dormindo mas para com isso Senhora [S/N] para com isso ele é namorado Taylor Swift lembra? Ele agora tem namorada…

Pensamento OFF

Eu me levantei e subi para meu quarto peguei uma roupa e fui tomar um banho, terminei meu banho e coloquei essa roupa

Fui até a cozinha Harry estava sentado olhando para o Celular estava com uma cara seria, bem fui logo perguntar o que havia acontecido

Eu: O que houve Harry?

Harry: Ahh é a chata da Taylor, tô começando a achar que ela não é a garota que achava que era!

Eu: Vish, que tenso :/ vai ver tem alguma explicação!

Harry: E tem!

Eu: O que é?

Harry: Eu já percebi ela não gosta de você e nem de Lou, isso está me deixando chateado por que vocês são os meus melhores amigos e ela tem que entender!

Eu: Nossa, essa eu fiquei surpresa mas tudo bem, ela tem que gostar de você não de mim!

Harry: Mas ela disse que não quer mais que eu te encontre!

Eu: Ahh poxa você é meu melhor amigo depois das meninas você é minha única compania :/ - já estava sentada no sofá junto a ele e comecei a ficar bem chateada e abaixei a cabeça -

-Harry colocou sua mão em meu queixo levantando meu rosto, delicadamente -

Harry: Hey, Princesa não fica assim eu não vou deixar você por causa dela, você é minha melhor amiga, você me faz me sentir bem, não fique assim Okay? - me deu um beijo na testa, e me olhou nos olhos esperando minha resposta -

Eu: Okay Harry, Promete isso pra mim?

Harry: Sim prometo, vem aqui!

- Nós nos abraçamos bem forte, eu me senti muito bem com aquele abraço e com aquelas palavras me senti acolhida - Terminamos o abraço e sorrimos um para o outro -

Eu: Bom eu vou fazer o café da manhã!

Harry: Melhor, vamos no Starbucks?

Eu: Hummm, beleza vamos! - sorri, e ele sorrio para mim - Espera que vou pegar meu celular e meu casaco!

Harry: Okay, vai lá vou te esperar aqui!

-Eu subi peguei meu celular e meu casaco, desci de volta Harry estava me esperando nas escadas -

Harry: Pronta?

Eu: Sim vamos!

- O tempo estava bem frio, quando falavamos saiam fumacinhas de nossas bocas por conta do frio, bom Harry abriu a porta do carro pra mim e entrei -

Harry: Pelo jeito você gosta muito de frio né?

Eu: Uhum, eu amo o frio - ri -

Harry: Eu gosto dele também! - sorri, eu sorri de volta -

- Harry ligou o rádio e começou a tocar ‘Rule The Word’ do Take That eu gostava bastante daquela música -

Harry: Nossa a quanto tempo não escuto Take That, amo essa banda!

Eu: Sério?

Harry: Sim, você gosta?

Eu: Sim, e gosto bastante dessa música!

Harry: Nossa que legal! - riu, animado -

                                   ***

Chegamos no Starbucks e pedimos um espresso cada um, Harry pediu para comer

Bolo de Banana com cobertura de Caramelo e Nozes

e eu Cookie com Gotas de chocolate

Nosso pedido não demorou muito chegar, nós tomos o café e nisso conversavamos nós riamos juntos pareciamos que até mesmo nos conheciamos a tempos.

Fomos interrompidos por uma ligação

Ligação ONN

Harry: Alô?

Pessoa: Oi Harry!

Harry: Ah - reconhecendo a voz - Oi Boo Bear!

Louis: Separou da Taylor?

Harry: Não!

Louis: Então você não tem permissão pra falar assim comigo - rindo -

Harry: Para seu besta!

Louis: Você sabe minha opinião sobre a Taylor então fica quieto!

Harry: Tá vamos parar de Falar dela, por que me ligou? Eu estou tomando café da manhã com a [S/N]!

Louis: Melhor ainda, vem com ela aqui pra casa?

Harry: Okay!

Louis: Vamos conversar um pouco antes de ir pro show daquela chata!

Harry: Não fala assim dela!

Louis: Tá parei - ri, Harry riu junto - bom vou esperar vocês, vem logo!

Harry: Okay, Tchau!

Louis: Tchau!

Ligação OFF

Eu: Quem era?

Harry: Era Louis ele quer que a gente vá para casa dele antes de ir pro Show! Você vai né?

Eu: vou sim, claro né! - olhando com um olhar pra ele 'É OBVIO QUE VOU NÉ’

Harry: Bom mesmo! u.u

- Terminamos de tomar café, Harry pagou no caixa e fomos até o carro, ele abriu a porta do carro para mim, deu a volta e entrou no carro -

Harry: Tenho que passar no meu apartamento, tenho que pegar umas coisas e tomar um banho!

Eu: Tudo bem eu te espero!

- Harry sorriu de canto -

                                  ***

Chegamos até o predio, estava cheio de fãs ao redor, elas estavam com algumas plaquinhas escrito:

'Nós odiamos Haylor’ - isso deve ser mistura de Taylor com Harry, bem eu não era muito boa naquelas coisas -

As fãs se juntaram ao redor de Harry ao sairmos do Carro. As fãs começaram a perguntar quem eu era.

Harry: Bom ela é minha melhor amiga!

Fãs: Ah sim! - sorriram -

Uma fã: - se manifestou - Harry não fica com a Taylor!

Harry: Chega né por hoje - ele ri sem graça - Tchau, minhas Lindas amo vocês!

- Harry me puxou delicadamente para que entrassemos no predio. Jeremy estava na portaria como dá ultima vez -

Harry: Olá Jeremy, Bom Dia!

Jeremy: Bom Dia senhor Styles vejo que está com sua namorada novamente!

Eu: Éh-éh não, a namorada de Harry é outra - sorri sem graça -

Aquelas palavras me doeram muito pois eu queria ser mais que amiga pra ele.

Jeremy: Ah que pena - ele disse sinceramente -

Harry: Ela é minha melhor amiga! - sorri -

Jeremy: Ah sim!

Eu: Deixe que me apresente corretamente Jeremy, - ri - eu sou a [S/N], prazer em conhece-lo! - pegando em sua mão -

Jeremy: O prazer é todo meu senhorita!

Eu: Pode me chamar pelo nome, eu me sinto melhor! - sorri -

Jeremy: Como quiser [S/N] - sorri de volta -

Harry: Bom temos que subir ainda temos que ir na casa de Louis, Tchau até mais Jeremy!

Jeremy: Até mais senhor Styles e [S/N], um bom dia para os dois!

Eu: Pra você também!

                                    ***

Pegamos o elevador durante o trajeto Harry começou a fazer piadas, ele era meio desajeito mas mesmo assim eu ria por que a cara dele e como ele falava era muito engraçada.

Chegamos no andar desejado, chegamos no apartamento de Harry ele ainda continuava com suas piadas que eu estava rindo.

Harry: É eu vou tomar um banho tá?

Eu: Tudo bem vai lá!

Harry: Pode ficar a vontade!

Eu: Okay, vou tentar - ri -

- Harry pegou seu casaco foi até seu quarto, ele deixou a porta meio aberta, enfim eu fui assistir TV pois tinha que fazer algo enquanto ele se arrumava estava passando um Top 20 de videos clipes da semana na MTV, eu comecei assistir, já estava no número 2, já estava  acabando quem ficou em segundo foi o Bruno Mars com Locked Out Of Heaven, eu gostava daquela música em primeiro lugar ficou os meninos a One Direction, Little Things, eu comecei a assistir atenciosamente eu simplesmente amei a música, quando Harry no clip estava cantando apareceu ele de toalha cantando atrás de mim -

Eu: - eu levei um belo de um susto - Meu Deus do céu Harry tá querendo me matar??

Harry: Eita Calma!

Eu: Como calma u.u eu acabei de ter um mini infarto por sua culpa!

Harry: Eu sei que arraso mas não é pra tanto!

Eu: Ahh convencido u.u - olhei pra ele, e ele estava de toalha com os cabelos que eram cheio de cachos todo molhado - TÁ MALUCO!

Harry: Por que?

Eu: Você tá de toalha!

Harry: E o que tem, quer que eu tire?

Eu: Tá maluco, Harry, vai vestir uma roupa! - coloquei minhas mãos sobre meus olhos -

Harry: Tá, eu vou sua chata!

Eu: Eu chata? Garoto você tá de toalha na minha frente!

Harry:Eu ia tirar só que você não deixou! u.u

Eu: ahhh vai logo se vestir Harry!

- Harry se vestiu e voltou, ou melhor só colocou uma calça -

Harry: Hey, sua chata eu já me troquei!

Eu: Bom mesmo! - eu olhei para ele e fiquei sem jeito por que ele estava sem camisa - Você deve amar sair por ai sem roupa por que né u.u

Harry: Ahhh isso é um dos meus dons, amo andar sem roupa!

Eu: É to vendo que tenho muito que aprender sobre você - ri -

Harry: - sorriu - gostou de Little Things?

Eu: Ah-ah tirando a parte que você me assustou sim amei a música, é muito linda!

Harry: Awn, é minha música preferida desse album!

Eu: Serio? Nossa - ri - Eu ainda não escutei o CD :/

Harry: Serio?

Eu: Uhum - ri -

- Harry ficou pensativo por alguns instantes -

Eu: Éh-eh Harry? Nós não vamos para casa do Lou?

Harry: Sim-sim vamos!

- Harry entrou em seu quarto pegou uma camisa, vestiu e pegou um casaco preto -

Harry: Vamos senhora não quero ver o Harry de toalha!

Eu: - ri - Meu Deus só você mesmo! Você estava de toalha, faça isso com a Taylor! u.u

Harry: Melhor não ela não tem seu senso de humor! - ri, e sorri para ele -

                                      ***

Chegamos na casa do Louis, Harry e eu estávamos rindo de um senhor que estava de peruca na rua e como o vendo estava muito forte sua peruca voou longe e ele saiu correndo loucamente atrás de sua peruca.

- Louis atendeu a porta -

Louis: - abriu a porta e estava nos observando - Até que em fim podemos conversar mais [S/N] - sorri -

Eu: - sorri - awwn, não sabia Louis - lhe dei um abraço - então vamos conversar!

Louis: Claro entrem!

- Louis fechou a porta depois que Harry entrou logo atrás de mim -

Louis: Então do que vocês dois estavam rindo?

Eu: - ri - é que um Senhor estava no meio de uma ventania e sua peruca voou, e ele começou a correr loucamente atrás da sua peruca

Louis: -riu - Ahhh esses senhores sabem que não devem sair nessas ventanias!

Eu: - ri - é verdade!

- Harry se levantou e foi para a cozinha -

Louis: Você gosta dele né?

Eu: O que?

Louis: Você gosta dele?

Eu: Não.. Harry tem namorada e somos amigos - abaixei a cabeça, pois a verdade era que o amava -

Louis: Uhum, tá bom eu sou a Nicki Minaj!

Eu: - ri - só você mesmo Louis!

Louis: Bom eu já sei a verdade e não vou te forçar a assumir! - ele deu um sorriso de estou satisfeito com a resposta -

Eu: Éhh.. - fiquei sem palavras -

Louis: Hey, -pegou em uma de minhas mãos- não precisa se explicar, antes que você fale algo desanimador 'LUTE POR ELE’ - Louis deu outro sorriso, soltando minha mãe e me deixando na sala pensativa enquanto ia para o andar de cima de sua casa -

Harry ficou curioso ao ver que Louis saiu parecia querer saber o que conversarmos

Harry P.O.V ONN

[S/N] e Louis estavam conversando como amigos aliás a conversa parecia seria, parecia algo com a ver com a verdade, eu fiquei curioso queria saber o que conversavam.

- Fui até [S/N]

Eu: O que houve?

Ela: Nada, eu e Louis estavamos conversando sobre o Natal - senti que ela mentiu -

Eu: Hmm sei! - falei ironicamente -

Ela: É serio seu bobo! - me dando um tapinha -

Eu: Cade o Louis pra onde ele foi?

Ela: Eu queria saber também, acho que ele foi no banheiro - falou sorrindo, acho que tinha haver com a conversa deles -

~Eu realmente fiquei curioso em saber o que os dois conversavam ~

Eu: Éhh… quer algo para beber?

Ela: Ah pode ser!

Eu: Pera ae que vou fazer um chocolate quente pra gente!

Ela: Okay!

Eu P.O.V ONN

Bom eu fiquei a espera de Harry com o chocolate quente, e fiquei pensando em que Louis havia me falado, Será mesmo que deveria lutar por ele?? Será que ele poderia sentir algo por mim?? Não…. Harry só me via como amiga mesmo, por que eu tinha que me apaixonar por um garoto que tem namorada ein?? Por que ein??

Fanfic - 9º capítulo !
  • O show tinha terminado e eu fui esperar o Luan como ele havia me pedido. Uns 20 minutos depois eu vi que alguém me cutucou por trás.
  • Eu olhei pra trás assustada e quando eu vi era o Luan.
  • Eu:Oi nego lindo -eu disse envergonhada e tremendo.
  • Luan:Oi nega linda,porque tá tremendo? -ele disse sorrindo.
  • Eu:Só nervosismo.
  • E ele me abraçou,o melhor abraço do mundo.
  • Eu:Lu,tenho que ligar pra minha mãe,pra avisa ela. -eu disse pegando o celular.
  • Luan:Deixa que eu ligo. -ele pegou o celular dele e discou o número que eu havia dito. Alô,é a mãe da ... Qual o teu nome mesmo nega?
  • Eu:kkkkkkkkkkkkkk é Lanne bobinho.
  • Luan:É a mãe da Lanne?
  • Mãe:Sim,é ela. Quem é? Aconteceu alguma coisa?
  • Luan:Não,aqui é o Luan,quero avisar que chamei a Lanne pra jantar,vou levar ela pra casa sã e salva,fiquem despreoculpados.
  • Mãe:Deixa eu falar aí com ela?
  • Luan me deu o celular.
  • Mãe:Se cuida filha,muito cuidado.
  • Eu:Pode deixar mãe.
  • Eu deliguei o celular e nós entramos na Van. No caminho eu perguntei o Luan onde nós iamos.
  • Eu:Lu,aonde nós vamos?
  • Luan:Vamos pro hotel nega? Ah,quantos anos ce tem nega?
  • Eu:É,16. -eu disse baixinho.
  • Luan:Quantos?
  • Eu:16 Lu.
  • Ele olhou pra mim e sorriu.
  • Luan:Só isso nega?
  • Eu:Se quiser posso descer da van e pegar uma táxi.
  • Luan:Carma aí nega,fica ai. Vor levar voce pra jantar no hotel comigo.
  • Eu:Desculpa Lu.
  • Luan:Sem problema.
  • Chegando no hotel nós entramos no quarto que o Luan estava e ele disse pra Dag não deixar ninguém atrapalhar.
  • Na hora que eu entrei, o Luan me puxou,olhou no fundos dos meus olhos e me beijou. Foi um beijo tão bom,o melhor do mundo.
  • Eu:Porque fez isso nego?
  • Luan:Não consegui me segurar nega, cê mexeu comigo.
  • Eu:Nossa, cê não sabe o quanto eu fico feliz de ouvir isso. - eu disse sorrindo. Pega aqui -eu disse apontando pro meu coração.
  • Luan:Quer que tem nega?
  • Eu:Ele bati por você. -eu disse com lágrimas nos olhos.
  • Luan me beijou e me abraçou. O beijo foi esquentando,ele tava colocando a mão por baixo da minha blusa,até que eu o interrompi.
  • Eu:Carma Luan,eu não sou assim. Eu gosto de você,e não quero ser só mais uma. Desculpa meu amor!
  • Luan:Que é isso nega? Eu que peço desculpa. Mas é que cê me deixa atentado.
  • Nóis rimos.
  • Bateram na porta e era o pessoal do hotel trazendo o que o Luan havia pedido.
  • Nós jantamos,e ficamos ali nos beijando e nos abraçando,até que eu adorme nos braços dele.
  • (contínua)
Capitulo 9

  De noite Heloísa dormiu no ombro de Vitor, e ela mandou sms pro Gustavo sair do quarto e contar se rolou…

  Gustavo saiu do quarto e eles foram para a varanda e conversaram

   - E aí? Rolou?

   - Consegui, rolou

   - caralho moleque, foi bom pelo menos?

   - Foi mano, o melhor da minha vida

   - Ta bom então, vai dormir pirralho

   - Pirralho é você…Boa noite

   - Boa noite bebê da mamãe

   - Viado

  - Boiola 

  {Lana narrando}

    Nossa, estou cansada da minha noite, primeira vez valeu a pena, mas agora tem que levantar para ir a aula, Heloísa nem Vitor vão, não vai ser a mesma coisa sem eles.

   Vish, não dormi em casa, minha mãe deve estar preocupada, cadê meu celular? preciso ligar para ela, meu Deus. Nossa, cadê meu Gu? não ta aqui, vou ver se Helô ta acordada.

 Lana bateu na porta do quarto de Vitor, e ouviu um “entre” bem baixo, entrou, Vitor estava deitado de cueca, Helô dormindo, e ele estava com o celular e disse:

 - SMS

 - Dela?

 - Sim

 - Deixa eu ver!

 Vitor apontou para a cueca com sinal de “não vem aqui" 

 - Veste uma roupa e deixa eu ver -  Disse Lana com pressa, pois tinha que ir pro colégio

 - Ok - disse Vitor com voz de sono

 Vitor vestiu a roupa, e foi até a sala, Gustavo estava tomando leite e vendo desenho, como toda manhã antes do colégio. Todos foram ver o sms, menos Heloísa que estava dormindo, no sms dizia "Fiquei sabendo que o casalzinho não vai á escola hoje, mas eu sei aonde vocês moram!” Mas como ela sabia que os dois não iam? Vitor preferiu não contar a Heloísa, ela já não está bem.

 Gustavo e Lana já atrasados, foram tomar banho e ir para o colégio, Vitor voltou pro quarto, para ficar com Heloísa.

{Juliana Narrando}


É, pelo jeito o casalzinho não veio mesmo, mas o outro casalzinho, Gustavo e Lana, odeio essa Lana nojenta, fica de melação com o meu Gustavo, bem que eu podia ficar assim! Preciso desse menino pra mim, meu Deus, e ele jogando bola, nossa, melhor parar de sonhar e agir. 

{Gustavo Narrando}


Ontem foi maravilhoso, mas hoje não posso passar a mensagem de “missão cumprida”, tudo que eu quero é trata-lá bem e faze-lá sentir que está com a pessoa certa.

Na escola, ela parecia preocupada. Não foi a mesma coisa sem o Vitor e a Heloísa, Juliana nos observava sempre que possível, e o que mas incomodava minha princesa era o fato da Bárbara me olhar o dia todo.

- Amor, essa Bárbara não cansa?

- Ah sei lá, deixa ela, eu to com você            

- Eu não quero você conversando com ela, viu?

- Pode deixar minha linda

{Bárbara Narrando}


O Vitor e a Heloísa não vieram. A Lana pudia ficar com eles…Se bem que eles parem tão apaixonados. Af, ela não devia ter voltado pra escola. Ah, será que ele nunca vai olhar pra mim? Af, quero ir pra casa, voltar pras minhas lâminas e nuca mais sair de lá.

 A Juliana está vindo, ai não, vou sair daqui

 - Oi, nerd

 - …

 - Fala alguma coisa, ô tapada. O Gustavo não gosta de meninas assim como você, sabia?

 - É, eu sei, mas como você sabe que eu…

 - Gosta dele? Todo mundo sabe queridinha! Haha, mas eu não vim aqui pra perder meu tempo te lembrando do quando você é ridícula e etc… Mas, se quer o Gustavo, vai ter que se juntar a mim

 - Como assim?

 - Ai, anta