1szayn

Eu escrevi pelo meu celular minúsculo então me perdoem por qualquer erro que eu não tenha visto haushaus

Me digam o que acharam!!!

—–


-Zayn? - A doce voz soou pelo quarto tirando minha atenção do violão.

Sorri ao ver a morena a minha frente, mas a olhei confuso ao ver que ela não fazia o mesmo.

- Nós precisamos conversar… - Ela disse com a voz levemente trêmula enquanto caminhava até mim com dois envelopes em mãos. Se sentou em minha frente e encarou suas mãos.

- Você está me deixando assustado. - Digo rindo ao ver ela em silêncio. Ela me encara brava, possivelmente por não ter graça alguma. - Desculpa, mas você realmente está me assustando, o que aconteceu?

Levemente seus lábios se contorcem em um sorriso e ela pega um dos envelopes.

- Olhe. - Diz ela me entregando. - Passei na faculdade. - Diz com um toque de alegria em sua voz.

Instantaneamente meu peito se enche de orgulho, saber que todas as noites de estudos e todos os esforços da minha garota valeram a pena faz com que eu fique imensamente feliz por ter participado disso.

- Eu sabia! - Grito jogando o violão para o lado e pulando em cima de Sn a enchendo de beijo por todos os lados. - Eu disse que você era capaz! - A encaro sorrindo e aproximo meus lábios aos dela dando um beijo suave. - Minha menina. - Sussurro e a beijo de novo.

Uma de suas mãos sobem em meu peito e me empurra levemente.

- Tem mais uma coisa. - Diz ela agora seriamente.

Nós dois nos sentamos novamente e sua feição de antes volta.

- Eu disse a você dias atrás que andava muito mal, e então resolvi fazer alguns exames… - Disse ela devagar e com total delicadeza. - …eu não lhe chamei pois sei que você está bastante ocupado com suas músicas e também achei que não fosse necessário. - Finjo um olhar duro a ela, como assim não seria necessário?

- Você sabe que sempre pode contar comigo, não sabe? - Pergunto levantando a sobrancelha.

- Sim, sim, eu sei, mas eu realmente achei que não era algo muito grave. - Se explica rapidamente. - Mas, o resultado chegou anteontem… - Sua voz fica trêmula novamente.

Por Deus, será que é algo tão grave assim?

Milhares e milhares de doenças passam por minha mente e sinto minha mão ficar gélida, eu não suportaria ficar sem S/n, nunca!

- Eu estou grávida. - Ela solta de uma vez e meu mundo para.

Grávida

Grávida

Grávida

Minha namorada está grávida, ela não está doente, ela está grávida. Por Deus, eu vou ser pai?

Sim, claro que eu vou ser pai!

Mas a faculdade de S/n?

Nós dois vamos ser pais!

- Zayn! - S/n grita comigo fazendo eu voltar para o mundo real.

Seus olhos me encaram apreensivos e eu a encaro assustado, eu realmente não sei o que falar.

- Eu preciso de um whisky! - Digo simplesmente e saio do quarto escutando S/n vir atrás de mim.

- Como assim um whisky? Eu acabei de lhe dizer que estou grávida, G R Á V I D A! Você tem noção? - Grita ela enquanto descemos as escadas.

Droga! Escadas não.

- Pare aí mesmo mocinha. - Digo me virando para ela que me olha como se eu fosse um alienígena.

Me aproximou sem falar nada e a pego no colo.

- Zayn, que porra que você está fazendo? - Grita novamente.

- Cuidado com essa boca. - digo dando um tapa em sua bunda. - Que educação vamos dar para nosso filho? - Pergunto descendo as malditas escadas com cuidado.

- Você perdeu o juízo, só pode. - Fala indignada.

Com total cuidado a coloco no chão e ela me encara brava, mas aos poucos um sorriso aparece, sim, eu conheço esse sorriso e estou com ele agora.

- Eu te amo! - Sem querer falamos juntos.

A vontade de agarra-la é inevitável e assim faço.

- Nós vamos nos casar, semana que vêm! - Digo assim que a idéia surge em minha mente.

- Não Zayn, nós não vamos nos casar semana que vêm. - Diz ela rindo e eu a encaro confuso. Ela não quer se casar comigo? - Vamos esperar ele ou ela nascer, não quero fazer nada as pressas! - Esclarece fazendo carinho em meu cabelo.

- Você está coberta de razão. -Concordo sem conseguir parar de sorrir.

No mesmo momento me lembro do whisky.

Ah caralho eu preciso beber, beber muito!

Louis!

- Eu vou ligar para o Louis! - S/n ri da minha afobação ao correr para pegar o telefone.

Sussurro a palavara pai várias e várias vezes enquanto o telefone chama.

Porraaaaa!

- Zayn? - A voz fina de Louis diz do outro lado.

- Eu vou ser pai bro!

Reação indesejada

O nervosismo era a palavra-chave para o momento. Não poderia estar mais nervosa do que estava naquele instante, até porquê o que estava prestes a contar a seu namorado estava longe de ser fácil. Longe mesmo. (S/n) não fazia ideia de como começaria mas, desejava com todo o seu coração, que o final da conversa que pretendia ter com Zayn fosse bom. Queria que quando falasse, ele a apoiasse, queria que o namorado ficasse tão alegre quanto ela quando soube da novidade. Sabia que ele era uma pessoa compreensiva, conhecia ele. Porém, justamente por conhecer bem ele temia que a reação fosse totalmente oposta. Que ele simplesmente se negasse a tudo. Que a abandonasse e não quisesse mais saber de nada. De ninguém. E que tudo o que foi construído durante três anos de relacionamento fosse jogado no lixo. 

Ele chegaria a qualquer instante. E o que poderia fazer isso ser bom, era afinal de contas, angustiante. Estava sentada no sofá e quase caiu deste por conta do susto que levou quando ouviu a porta sendo aberta. Sentia que seu coração batia mais rápido que o normal, quase como se fosse sair a qualquer instante pela sua boca. Era o momento. Seria agora ou nunca, pensou.

- Oi, amor! - Um Zayn sorridente veio em sua direção, depositando um pequeno beijo nos lábios. - Como foi seu dia? - Ver aquele sorrido lhe deu um pouco de conforto. Um pouco. Ainda assim temia a reação do garoto.

- Foi bom e o seu? - Tentou abrir o melhor sorriso.

- Foi um pouco corrido. Tem alguma coisa de errado? Você parece apreensiva… - Questionou Zayn.

- Eu não diria errado, mas não sei se vai ser do seu agrado. Eu fiquei muito feliz, mas já não sei se você vai ficar também. - Falou (S/n), já sentindo os olhos e o nariz arderem.

- Você está me assustando, (S/n)! O que aconteceu? - A garota tomou folego, mas não sabia ainda se devia falar ou não.

- Me promete que você vai ficar do meu lado? Que não vai me abandonar, ficar zangado ou algo do tipo? - Fungou. Tentou controlar uma lágrima que insistia em cair pela face mas não deu certo.

- Mas por quê? Não importa! Eu prometo, por que eu ficara bravo? Vamos, me conte o que está acontecendo. - Mais uma vez tomou folego e disparou.

- Eu estou grávida, Zayn. Você vai ser papai. - Falou (S/n), de cabeça baixa, com as duas mãos sobre a barriga. Não teve coragem de ver qual era a expressão que Zayn manteve no rosto. Esperou que ele falasse alguma coisa, mas nada veio. Nada até a risada do garoto ecoar por todo o comodo, causando surpresa na garota. Então afinal de contas ele estava feliz? Olhou para ele e esteve estava sentado com a mão apoiada no estômago, provavelmente um pouco dolorido de tanto rir. - Então você ficou feliz? - Verbalizou seus pensamentos.

- Por um instante eu achei que fosse verdade mesmo. Você quase me enganou. Ai, ai. Boa brincadeira amor. - Ele… Ele pensou que fosse tudo uma mentira?

- Não foi uma brincadeira, Zayn. É verdade. Eu estou grávida. - Olhou-o séria. E ele a olhava da mesma forma, sem reação e um tanto quanto chocado. - Não vai dizer nada?

- Quanto tempo? 

- O que?

- Quanto tempo de gravidez? 

- Um mês. - Respondeu. - Você não vai dizer mais nada? - Era isso mesmo? Pensava.

- O que você quer que eu diga?

- Eu não sei. Há tantas coisas que você poderia me dizer, como por exemplo se ficou feliz…

- Na verdade tem uma coisa sim que quero dizer. Me veio uma coisa na cabeça… Esse filho é meu? Não, porquê eu quase não fico em casa e… - A garota não o deixou terminar de falar, não estava acreditando que Zayn tinha dito isso. 

O garoto mau teve tempo de terminar de falar e sentiu os cinco dedos da mão de (S/n) acertarem rápidos e doloridos em sua face.

- É claro que é seu, idiota. Você achou o que? Que eu sou uma puta ou algo do gênero? Que ficaria grávida de propósito só para conseguir dinheiro vindo de você? - Agora não podia mais aguentar, não mais. As lágrimas caiam grossas e quentes pelo o rosto fragilizado da garota.

- É uma opção também… - Mais uma vez foi cortado.

- Uma opção? Garoto se toca! Na hora de se enviar dentro de mim sem preservativo é bom, mas arcar com as responsabilidades, não? Você não se lembra? Quer que eu refresque sua memória? Pois bem, vou refrescá-la. A exatos um mês você chegou imensamente feliz em casa por conta na nova promoção que teve no trabalho, saímos para jantar, comemorando a nova oferta. Quando chegamos já estávamos um pouco altos, mas me lembro perfeitamente de você dizer que queria sem. E eu, idiota, aceitei. E esse foi o resultado. Eu-estou-grávida! - Jogou na “cara” do garoto.

- Mas e seus remédios?

- Meu anticoncepcional falho, como pode ver. - Disse sarcástica.

- Eu… Eu não sei. Eu não posso ser pai, não agora. Não com toda uma carreira pela frente, eu mal estou em casa, mal cuido de mim, quem dirá de uma criança. Não, eu não posso. Você também não. Você tem sua carreira também, sua faculdade.

- Mas se for preciso eu iriei parar com minha faculdade, depois continuo. Afinal, é de uma vida que estamos falando.

- Você não espera que eu aceite, não é? - Olhou nos olhos vermelhos do garoto, que lutava para não chorar.

- Eu esperava, sim. Mas não se preocupe, eu cuido dela ou dele sozinha. E não precisa se preocupar com nada, afinal de contas, você não quer ser pai, não é? Pois pode ficar despreocupado, vou tirar esse “fardo” das suas costas. E também não se preocupe com dinheiro. - Disse (S/n) indo em direção ao móvel da sala pegando sua chave.

- Para onde você vai? - Analisou o garoto.

- Eu e meu filho vamos para bem longe de você, se meu bebê não é bem aceito, eu também não sou. - Disse a garota, por fim, subindo as escadas e indo para o quarto onde arrumou uma pequena mala com algumas roupas. Quando desceu não encontrou mais Zayn na sala, olhou em volta e o viu sentado na varanda fumando. Tirou o colar que havia ganhado de presente dele no primeiro aniversário de namoro, que não havia tirado uma vez sequer desde então. O tirou e o deixou na mesinha de centro, colocando juntamente com o seu anel de compromisso. Olhava para as peças e era impossível não chorar. Ligou para um táxi, iria voltar para o seu apartamento. Saiu sem olhar para trás, teve medo de desistir. Daqui para frente as coisas seriam mais complicadas, mas sabia que valeria à pena e que teria o apoio de seus familiares e amigos. Deveria seguir com sua vida, mesmo sentindo uma dor enorme no peito, mas era tudo em prol daquele serzinho que agora carregava dentro de seu ventre, que não tinha culpa nenhuma, que não pediu para existir, mas veio daquilo que um dia já foi amor. Ela não havia o gerado sozinha, tão pouco Zayn. Tinha sido os dois, os dois são responsáveis por tudo. Mas, não poderia continuar com Zayn sem ele sequer reconhecendo a criança como seu fruto. Não mesmo. As coisas mudariam dali em diante.

Continua?

One Shot Zayn Malik - Namoro escondido

Pedido do anony

~~

Respirei fundo algumas vezes na tentativa de me acalmar. Ficamos em silêncio, apenas olhando um para o outro pensando em todas as besteiras que acabamos soltando. As brigas entre eu e Zayn estavam ficando cada vez mais frequentes, e isso estava acabando comigo. O motivo era sempre o mesmo, nossa relação. Ela vem sido escondida da mídia e das fãs já faz seis meses, e desde que eu falei que estava pronta para assumir ao público dois meses atrás ele sempre vem arranjando desculpas. E essa coisa relacionamento escondido é simplesmente uma droga! Não podemos andar juntos em público, nem segurar mãos ou até olhar muito tempo um para o outro, eu já não aguento mais.

-Eu só queria um relacionamento normal, Zayn. Só isso. - eu falei baixo e com uma voz mais calma

-Eu sei (S/n) mas você tem que isso não é tão simples assim- ele falou também mais calmo –Com toda essa fama não tem como ter toda a privacidade que você gostaria

-Só me responde uma coisa- eu respirei fundo mais uma vez –Você não quer tornar isso público… Por vergonha de mim?

-Você sabe que não é isso

-Não eu não sei! - eu olhei para ele –Na verdade eu não sei de mais nada sobre nós… Tudo é um ponto de interrogação para mim!

-Olha eu não quero que você se machuque ta bom? - ele falou aumentando um pouco a voz –Quando todo mundo souber de nós dois eles vão te bombardear, te julgar e eu sei que você não está preparada para isso! Você é muito fraca para aguentar tudo isso!

-EU NÃO SOU FRACA! - eu gritei e lágrimas se formaram em meus olhos –Eu não sou fraca… pare de me tratar como uma criança, porque eu não sou!

Eu subi as escadas correndo em direção ao nosso quarto e chorei com a cabeça enterrada em meu travesseiro. Eu não como ele pode achar que eu sou tão frágil e delicada, eu passei meses apenas pensando no que poderia vir ao assumirmos nossa relação. Pensei em mil e uma coisas que iriam falar de mim, e me preparei mentalmente para todo o peso que seria jogado em minhas costas.

Eu fiquei ali deitada por algumas horas, apenas pensando no que fazer. Isso não estava mais dando certo, eu não poderia continuar escondendo nosso namoro assim. Ir para a rua e fingir indiferença a respeito de Zayn. Eu não aguento mais tudo isso, está me machucando mais do que qualquer insulto de alguma revista de fofocas o fã possessiva.

Eu me levantei um pouco tonta e sequei algumas lágrimas que ainda caiam quentes em minhas bochechas. Arrumei as poucas coisas minhas que estavam aqui e decidi que iria embora. Desci as escadas com passos leves, a última coisa que eu queria era Zayn me implorando para ficar nessa relação ás escuras. Sai pela porta da frente e entrei em meu carro. Dirigi rapidamente ao meu apartamento, estava frio lá dentro como se eu não entrasse aqui a dias, o que era verdade. Respirei fundo e contei lentamente até dez para me acalmar. Mas deixando algumas lágrimas teimosas caírem, sabendo de tudo que eu havia deixado.

~Crisy

One Shot Zayn.

Zayn chegou em casa bufando depois de um show, achei estranho.

- O que houve, amor? – perguntei e ele apenas me abraçou forte.

- Eu não sou um terrorista, caramba!

- O que? – ele se desfez do abraço.

- Tinha uma menina com um cartaz no show dizendo “Morra, terrorista”.

- O que? – repeti a pergunta, eu não estava acreditando.

- Que merda, [s/n], por que fazem isso comigo? – ele se sentou no sofá da sala, me sentei ao seu lado.

- Calma amor, ela só queria chamar atenção.

- E chamou!

- Amor, não de bola pro que os outros dizem sobre você.

- Mas eu dou! Eu me importo com isso! Eles dizem isso só por eu ser muçulmano.

- Eles tem inveja de você meu amor, ele queriam estar onde você está! – ele me olhou.

- Mas eles precisam fazer isso?

- Eles não sabem como agir direito, então agem desta forma estúpida.

- Mas.. – eu o interrompi.

- Mas nada Zayn, você é incrível e não é um terrorista. Eu te amo e tem milhões de pessoas por aí que também te amam. Então deixe isso de lado, ninguém quer te ver assim, muito menos eu.

Zayn sempre ficava pirado com essas histórias, e NÃO, ele NÃO é um terrorista.

/Jaz

1s Zayn - Ele é lutador e acaba indo para o hospital

Se por um lado meu coração estava preocupado com sua saúde e bem estar, por outro minha mente ainda fumegava de fúria. Como é possível ele cair no mesmo erro vezes e vezes sem conta? E aqui estava eu pela milionésima e uma vez sentada na porra de uma cadeira à espera que ele acordasse. Não de um simples sono, não de uma ressaca, não de uma sesta depois do sexo, não. Nada disso.

Ele estava deitado numa cama de hospital e eu na poltrona do lado.

Me levantei e comecei a andar em frente à sua cama, desde a janela até à porta do banheiro que era bem próxima da porta de saída do quarto onde ele estava.

Minha cabeça estava um turbilhão, só queria esmurrar uma parede, chutar algumas bolas – duas na verdade – dizer alguns palavrões, mandar algumas pessoas para sítios impróprios, ME chutar por aturar todas as merdas de meu namorado.

Às vezes me pergunto se vou conseguir aguentar isto por muito mais tempo, se vou conseguir vir mais que uma vez ao mês a este hospital, se vou conseguir assistir a mais alguma luta dele, se vou conseguir continuar o apoiando nos momentos difíceis. Por mais quanto tempo vou conseguir aguentar isto?

Por quanto tempo Zayn vai insistir na vida de lutador, se magoando fisicamente toda a luta pois, por mais treinos que ele tivesse o seu adversário sempre o conseguia colocar no chão sangrando entre o primeiro e o segundo round.

Dou um suspiro alto e por momentos minha fúria vira fumaça e se transforma em milhões de perguntas.

Será que se eu tivesse lá isto não iria acontecer? Será que eu deveria apoiá-lo mais? Será que ele vai continuar com esta vida? Será que ele nunca aprende? Será que ele não desiste?

“O segredo é cair sete vezes e se levantar oito” – ele me dizia sempre que tínhamos este tipo de conversa.

Ele não iria desistir.

-Você está gastando a sola de seus sapatos bonitos (s/n)

-Graças a você – disse o olhando e vendo seus olhos abertos e um sorriso matreiro no rosto

-Como foi sua reunião? – ele sabia que a reunião a que eu não podia faltar (e por isso não fui à luta) foi pelos ares porque me chamaram para o hospital

-Como foi sua luta? – apenas respondi com uma pergunta à qual já tinha a resposta

A sua resposta veio em forma de um encolher de ombros.

Me aproximei e peguei sua mão.

-Você sabe que eu me preocupo com você não sabe?

-Sei – respondeu depois de me olhar por alguns segundos, sabendo que desta vez estava falando sério, sem brincadeiras ou provocações

Suspirei de novo sorrindo.

-Ai Sr. Zayn Malik, sua sorte é que eu amo você

-Eu sei, acredite que eu sei. Amo você (s/n).

One Shot Zayn.

Fazia quase 4 meses que você e seu namorado Zayn estavam juntos, mas nunca tinha rolado nada além de beijos e alguns amassos, você era virgem e Zayn sabia disso. Você era muito insegura e ele respeitava você, ele nunca tinha feito algo que você não quisesse.

Você estava na casa dele, mais precisamente no quarto dele. Vocês sempre dormiam juntos. Você estava se trocando, tinha acabado de tomar um banho e a porta do quarto estava destrancada. Zayn bateu a porta e logo abriu, o que fez você gritar e dizer que não era pra ele entrar, ele recuou e você começou a rir.

- Desculpa, eu to me trocando. – você disse.

- Amor, quando você vai perder a vergonha? Eu sou seu namorado, poxa. – ele falou do outro lado da porta.

- Deixa de ser chato, moleque. – você riu.

- Eu to falando sério, [s/n]. Eu to entrando. – você nem disse nada, você já tinha colocado o pijama mesmo, na verdade não era bem um pijama, você estava com um shorts super curto e com uma blusa dele, que ficava grande em ti. – Não usa isso, meu amor. – ele disse.

- Por que?

- Porque você ta me deixando louco. – você sorriu e olhou para o chão. – Esse seu jeito, seu corpo, seus lábios, pra que tudo isso, garota? – ele pegou em sua cintura e foi te puxando pra mais perto dele, seus lábios foram se aproximando e logo vocês dois já estavam se beijando.

Zayn sempre foi carinhoso e compreensivo com você, sempre te tratou como uma princesa e você não tinha do que reclamar dele. Enfim, o beijo foi ficando cada vez mais quente e as mãos de Zayn percorriam seu corpo inteiro, o que fazia você delirar.

- Eu quero você, Zayn. – você disse meio ofegante, quase que num susssurro.

- Você o que?

- Isso mesmo, eu quero você.

- Tem certeza? – ele sorriu.

- Absoluta.

Zayn voltou a beijar você e já foi tirando a sua blusa, você estava com vergonha, mas não pretendia parar por nada. Ele foi descendo os beijos da sua boca para seu pescoço e depois para seu ombro, foi quando ele abaixou uma alça do seu sutiã, e depois a outra. Com uma certa dificuldade você desabotoou a calça jeans dele e deixou-a cair, ele tirou seu sutiã por completo quando você tirou a camisa dele. Você tirou seu shorts e ele foi te empurrando até a cama, vocês se deitaram, ele ficando por cima de você, ambos somente de calcinha e cueca.

Zayn foi descendo sua mão até sua intimidade e começou a acariciar a mesma por cima da calcinha. Era incrível como ele fazia você se sentir segura com isso, você não estava mais tão nervosa e queria mais. Você gemia baixinho entre o beijo e você pode sentir o membro dele já ereto, você foi com suas mãos até a cueca dele e colocou a mão por dentro dela, pegando em seu membro e começando a fazer movimentos de vai e vem. Zayn não agüentava mais e tirou sua mão do seu membro, parando de acariciar você. Ele se deitou do seu lado, pra conseguir pegar a camisinha, ele se sentou na cama e colocou a mesma. Você sem menos se sentou no colo dele, roçando suas intimidades.

- Se doer você aperta a minha mão bem forte, está bem? – ele deu as duas mãos para você.

Você se encaixou em seu membro que entrou fundo em ti, sinceramente, você esperava que fosse doer mais, mas nem doeu tanto assim, o que te alegrou. Você apertou um pouco a mão de Zayn que olhou pra você, mas você o beijou e começou a se movimentar em cima dele. A dor? Onde foi? O prazer tomava conta de você e a dor não existia, isso era incrível. Você cavalgava em Zayn rápido enquanto ele tentava beijar a sua boca, pescoço, ombros e ambos gemiam baixinho, um para o outro. Logo ele gozou, mas você pediu mais e ele deu mais algumas estocadas, fazendo você chegar ao seu ápice também.

Ambos ofegavam e você o abraçou, ainda sentados na cama.

- Isso foi incrível. – ele disse com a voz um pouco rouca.

- Demais. Eu fiz alguma coisa errada? – vocês respiravam rápido.

- O que? Você foi perfeita. Olha meu amor, essa foi sua primeira vez, eu fico imaginando agora as próximas vezes porque né. – vocês riram.

- Eu te amo, Zayn.

- Eu também te amo, [s/n].

 

/Jaz