1sniall

Pai?

Estão preparadas para um “imagine” de 2014?


(Isso ainda vale) Antes de começar quero pedir desculpas caso tenha algum erro. Esse imagine postei em uma pagina minha no facebook,espero que gostem!

—-


Me virei para o lado e encarei o relógio, 2h45min e eu não havia dormido ainda. Olhei para meu outro lado e vi S/n dormindo tranquilamente.

Como ela consegue?

Desci meu olhar até sua barriga, uma enorme barriga devo dizer. Não, não é isso que você está pensado, eu NÃO chamei minha namorada de gorda,não que ela estivesse magra afinal já esta no nonô mês de gestação. E é exatamente por esse motivo que não consigo dormir.

Falta poucas semanas para mim ser 100% pai e eu não sei como agir, o que fazer,como fazer ou seja não sei porra nenhuma!

Me levantei com todo o cuidado para não acordar a ‘menina’ que dormia como um anjo e saí do quarto indo até a cozinha. Peguei um copo d'água e o enchi meio a meio com água gelada e água natural.

-Cara o que eu tenho que fazer? E se eu não for um bom pai? - Com certeza se eu estivesse na rua e passasse alguém sem dúvida me chamaria de doido por estar falando sozinho. - Greg! Ele pode me dar dicas não?

-Niall,o que faz acordado? - Ouvi a voz rouca por causa do sono.

-Honey o que faz acordada? - coloquei o copo sobre a pia e caminhei até ela que esfregava os olhos.

-Acho que é um dos instintos de mãe…-Riu fraco -…acordo com qualquer barulho! - Passou os braços em volta do meu pescoço.

-Me desculpa por te acordar.- Coloquei sua franja que estava caída em seus olhos atrás de sua orelha.

-Não tem problema, eu tenho que tomar vitaminas mesmo.- Sorriu de canto. - Niall você esta bem? - Perguntou olhando meu rosto.

-Sim, por que? - Menti.

-Porque você não me engana!- Disse convencida.- Vai me contar o que aconteceu? - Fez carinhos em meus cabelos.

-Olha Sn eu realmente não quero lhe preocupar! - Beijei sua testa. Meu olhar se encontrou com o dela e vou te dizer uma coisa:não era nada bom! - Okay olha vou te dizer a verdade eu não sei o que fazer! -Disse como desabafo.

-Como assim? - Me olhou confusa.

-Já parou pra pensar que ele pode não gostar de mim? - Sn gargalhou - Olha não ria pois você não sabe como isso é escroto! - garlhou mais forte. - Para porra! - Gritei a assustando - Descu…

- Niall o que te faz achar que ele não vai gostar de você?- Perguntou ainda risonha.

-E se eu não for um bom pai, ele me acha um idiota? Eu nem sei como falar!

-Mas você se dá tão bem com Theo,na minha opinião será um ótimo pai!

-Mas com Theo é diferente, eu sou apenas o tio, apenas o mimo,o Vini é meu filho,e vou ter que educa-lo e é essa parte que me assusta,não quero que ele me ache um velho rabujento! - Soltei meus ombros.

-Para mim o importante é você estar ao meu lado para fazermos isso juntos porque como você deve saber…-Falou irônica mas divertida -…essa é a primeira vez que sou mãe e tudo isso também esta sendo novo para mim,tenho medo de não ser boa mãe também, mas eu sei que você esta ao meu lado…- Acariciou meu rosto me fazendo sorrir -…e vamos viver essa experiência juntos,vamos educa-lo juntos e vamos aprender a ser pais juntos!

-Acho que era eu que devia estar falando isso pra você.- Sorri sem graça.

-Também acho…- Riu comigo.-…então para recompensar…-Mordeu os lábios me olhando sapeca-…que tal fazer minha vitamina?

-Meu Deus, mas eu me lembro que você comeu quase que uma melancia inteira!

-Niall!- Me olhou brava dando um tapa em meu ombro - Você acha o que? Que é fácil alimentar esse menino? - Apontou para sua barriga - Antes mesmo de ele nascer já puxou ao pai, então não reclame!

-Okay,okay eu faço sua vitamina…-Voltou a sorri. - Mas só enquanto esta grávida, porque depois meu bem você vai ter que aguentar o gostosão aqui!- Dei uma piscada que julguei ser sexy mas mais uma vez ela caiu na gargalhada.

-Tudo bem gostosão, agora vai lá fazer minha bebida!- Me virou e deu um tapa e minha bunda.

-Que isso? Eu tenho uma mulher tarada e não sabia?

-Nem vêm garotão você que começou, agora vai logo e para de enrolar!

-E além de tudo é exigente!

-Niall James Hor…

-Já estou fazendo amorzinho!

One plus One.


Vi em seus olhos uma certa frustração ao jogar a caneta sobre o caderno e se recostar no sofá atrás de si. S/N andava muito estressada com os trabalhos e deveres da faculdade, passava horas acordada e com um monte de cadernos e livros ao seu redor fazendo anotações e tomando nota de alguns exercícios. Eu me sentia um intruso porque não sabia como ajuda-la, ela não gostava da ideia de procurarmos um professor auxiliar ou muito menos aceitava a ideia de que ela estava sobrecarregada. Sentei ao seu lado, e ela ao menos me encarou, passei meu braço ao redor de sua cintura, e deitei meu rosto em seu dorso respirando seu perfume que eu tanto amava.

– Nem começa, Niall – ela disse bufando e colocando uma de suas mãos em meu cabelo

– Sabe, eu não sou muito bom em álgebra – murmurei baixinho – Mas sei que um mais um, são dois.

– Parabéns, Niall – resmungou um pouco sem paciência – Estou orgulhosa de você.

– Mas ultimamente, sabe – continuei como se ela não tivesse dito nada – Nós estamos sendo dois dividido por dois. Você vive no seu mundo, cheio de cadernos e livros e se recusa a ir deitar comigo, não tem mais um “nós” se abraçando, não existe mais os nossos beijos, nem nossas caricias. – bufei ainda em seu dorso, com os olhos fechados me privei de olhar pra ela agora – E sim, eu me recuso a me sentar naquele sofá e ficar te olhando. Embora você seja linda, e eu adore como você fica quando está pensando, eu quero que você pare de pensar na faculdade, pelo menos hoje, fica comigo.

– Niall, eu – S/N se virou de maneira que eu ficasse com o rosto inteiramente em seu dorso, seus braços agora me envolviam num abraço bagunçado e seus lábios estavam me dando beijinhos. – Me desculpa

– S/N, eu sei que pra você é importante essas coisas, e embora pra mim seja tão desinteressante, eu te respeito – disse baixinho – Mas eu não ligo se eu não tiver nada, não ligo mesmo, contanto que eu tenha você. Mas ultimamente, você está tão distante de mim.

– Me desculpa – ela sussurrou baixinho e segurou meu rosto de forma que eu pudesse encara-la – Você quer ir se deitar comigo?

– Só se você prometer que não vai me esperar cair no sono e voltar pra cá. – disse e logo depois dei um beijo em seus lábios, a ajudando a se levantar. Enquanto ela se arrumava pra dormir, deitei na cama e puxei o leve lençol que nos cobriria. Seu corpo logo preencheu o lugar ao lado do meu e eu me virei para ela, com minha cabeça apoiada em minhas mãos. – Você está linda.

– Niall – ela resmungou sorrindo envergonhada.

– É verdade, você é muito bonita – disse me deitando sobre seu corpo, minhas mão se apoiaram ao lado de sua cabeça e passei meu corpo para cima do seu. – E eu sinto tanta falta do seu corpo no meu.

S/N me beijou, seus lábios lentamente tocavam o meu com carinho e suas mãos brincavam com minha camiseta, que ela logo puxou-a pra cima. Seus beijos me faziam carinho, nossas respirações eram calmas e eu podia jurar, que era apenas um beijo naquele momento, mas S/N colocou as mãos em meu shorts e rompeu o beijo, me encarando através do escuro. Tirei meu shorts e a fiz se sentar na cama, passei a mão na lateral de seu corpo e puxei sua regata preta para fora, pra minha surpresa ela estava sem sutiã, o que mexeu comigo insanamente. S/N percebeu que eu encarava seus seios com voracidade e me puxou pra mais um beijo, seus lábios não eram mais cautelosos e gentis. No quarto inteiro apenas o som de nossas respirações e bocas se tocando poderia ser ouvido, S/N soltava alguns grunhidinhos pelos lábios me deixando mais ‘animado’. Tracei uma linha de beijos até seu pescoço e uma de minhas mãos acariciavam seus seios.

Quando ambos estávamos nus, me arrumei sobre o corpo de S/N que com um gemidinho, disparou a rir baixinho, dei um beijo em sua testa e me posicionei em sua entrada. Ela me abraçou e quando por fim seu sorriso se calou, foi para deixar seus lábios colados ao meu. Nós não falávamos nada, deixei meu rosto em seu dorso e a penetrei devagar. Um gemido escapou de seus lábios e eu depositei uma mordida em seu pescoço, suas unhas cravaram-se em minhas costas. Nossos corpos se moviam descontroladamente, e suas pernas estavam enroladas em minhas costas, deixei que alguns resmungos saíssem de minha boca e junto deles alguns gemidos. Minhas mãos caminhavam sobre seu corpo, e nossos lábios se chocavam grossamente, na medida em que as investidas ficavam mais rápidas. Seus lábios produziam pequenos gemidos, e seus olhos estavam fechados, a beijei e me entreguei ao prazer. Nossos corpos tombaram lado a lado, e nossas respirações descompassadas, invadiam o ambiente, a cobri com o lençol e puxei-a para meu peito.

– Oi – ela disse ao olhar em meus olhos, sua mão segura o lençol sobre seus seios

– Oi – sorri e dei um beijo sobre sua testa – Eu percebi uma coisa

– O que? – S/N perguntou soltando o lençol e deixando um de seus seios a mostra, enquanto coçava o olho

– Eu não conheço muito bem armas – eu disse e coloquei o lençol sobre seu seio – Mas eu de uma coisa eu sei.

Seus olhos me encaravam.

Seu sorriso era meu.

Seus lábios estavam sobre os meus. Eu a beijei.

– A mais poderosa me acertou em cheio – murmurei baixinho, se aninhando a ela – Você.

/manu

  • Bom eu revisei mas mesmo assim se tiver algum erro peço desculpas
  • Anônimo: Faz um do Niall em que eles fazem um vídeo pra Capital FM em que eles respondem perguntas que os fãs enviaram pra eles?? Faz bem fofo por favor e adoro o Tumblr ❤️ �Z��z1 (obrigada por gostar do Tumblr amor <3)
  • Espero que gostem, boa leitura!

Capital F.M

  Pessoas passavam de um lado para o outro com suas preocupações costumeiras, em meu relógio eram exatamente 11h15min e meu estomago reclamava por estar vazio.

 - Aceita um sanduíche? – Uma das moças que trabalhavam ali perguntou me estendendo uma bandeja repleta por sanduíches naturais. Peguei de bom grado assim como Niall que estava sentado ao meu lado checando suas redes sociais. – Aceitam mais alguma coisa?

 - Você poderia me trazer um refrigerante por favor? -  Pedi a ela que afirmou educadamente logo saindo em busca do meu pedido.

 - Isso é incrível! – Meu namorado comentou animado.

 - O que? – Perguntei desviando a atenção pra ele.

 - Nossa hastag esta em primeiro no twitter!  - Apontou o celular pra mim vendo que aquilo realmente era verdade, a “#askNiallandSn” estava no topo no mundo todo o que me fez ficar imensamente feliz.

 Depois de termos comido e bebido a equipe da rádio veio nos ajudar a colocar os aparelhos e com isso as brincadeirinhas de Niall com o moço que me arrumava, seu tom era de longe brincalhão já que praticamente todos os dias ele levantava alegre, ele comentava coisas do tipo “Hey, não toque aí rapaz, essa propriedade é restrita!” ou até mesmo para a moça que o ajudava, “Olha eu sei que sou um tanto gatinho, mas minha namorada esta logo ali e não queira mexer com uma brasileira!” fazendo com que um clima gostoso contagiasse o local.

 - Vamos entrar no ar em dois minutinhos. – O locutor nos avisou deixando um tempo para nos prepararmos.

 Entramos dentro do “estúdio” e nos sentamos um do lado do outro com exceção do locutor que se sentou em nossa frente. Os comerciais começaram e logo chegou nossa hora.

 - E estamos aqui com o casal mais amado do momento. – Anunciou, encarei Niall e sorri. – Como vai os pombinhos mais que apaixonados?

 - Estamos ótimos obrigada, e muito felizes por estar aqui! – Respondi da minha maneira simpática.

 - E como vai o golf Niall?

 - Estou conseguindo acertar cada vez mais longe! – Brincou nos fazendo rir.

 - Bom, então vamos lá. – Pegou um tablet, me fazendo respirar fundo por sempre ficar nervosa em entrevistas, mas a mão de Niall na minha me dava uma leve segurança. – Sn, vamos começar por você que vêm conquistando o mundo cada vez mais com seu ritmo brasileiro: Como esta sendo suas férias?

 - Estou tentando aproveitar o máximo possível, tento ter o maior tempo pra minha família, quase não os vejo por eles morarem no Brasil e com a agenda repleta de shows é meio difícil ficar em um lugar só! – Respondi sentindo o peito apertar ao lembrar da minha família que agora morava longe demais pra mim.

 - Entendo, deve ser difícil ter um tempo mesmo. – Balançou a cabeça e logo dirigiu o olhar a Niall. – E você Niall, como tem sido com seus projetos solos?

 - Assim como Sn, estou dedicando bastante tempo a família… e aos esportes. – Acrescentou nos fazendo rir. – Mas no momento só estou curtindo mesmo, sempre procuro viajar com Sn e até a acompanho em alguns Shows, esta sendo bem divertido! – Me olhou e deu uma piscadinha.

 (…)

 - Ok, agora vamos para o momento mais aguardado pelas fãs. – Ele falou depois de um tempo apenas nos entrevistando. – Elas nos enviaram perguntas pelo twitter e selecionamos algumas pra vocês.

 - Tudo bem, vamos lá! – Niall falou forçando a voz em um tom engraçado.

 - A @thebestshipper perguntou: “Vocês já pensam/pensaram em ter filhos?” – Perguntou fazendo eu sussurrar bem baixinho para que Niall respondesse, em verdade eu e ele já havíamos comentado sobre em momentos de conversas nossas, mas nada realmente sério.

 - Ãn…sim, já chegamos a falar sobre e eu realmente pretendo ser pai, seria legal um filho de irlandês com uma brasileira! – Rimos de seu comentário, cada coisa! – Mas ainda acho que é muito cedo pra isso, acabei de entrar de férias e Sn também está com algumas semanas de folga, não acho que agora seja o momento certo!

 - Muito bom. – Sorriu para nós dois, possivelmente imaginado um filho nosso. – O próximo é da @princess(seu sobrenome), “Sn, qual foi a cantada mais ridícula que Niall usou com você? E Niall como foi quando conheceu os pais dela?” – Encarei Niall já quase soltando o riso pela boca.

 - Lembro-me de uma vez que eu o ensinei a falar algumas palavras em português e no dia seguinte ele virou pra mim e falou “Vem cá chuchuquinha que vou te lambusar todinha”. – Sem dúvidas não consegui segurar o riso logo após traduzir o significado a eles, vendo Niall ficar ligeiramente vermelho mas rir em seguida. – Foi a pior cantada que ele poderia ter dado!

 - Eu achei que seria bom uma coisa nova no relacionamento! – Tentou se explicar causando mais risadas.

 - Talvez não Niall, mas como foi conhecer os pais dela? – A pergunta foi seguida de bufada de Niall.

 - Cara, realmente foi uma coisa de louco, não sei como descrever porque a única coisa que vêm em minha mente é “pânico”! – Me encarou com o mesmo olhar que me encarou naquele dia, me fazendo querer rir por relembrar o real pânico que meu namorado ficou por conhecer minha família. – O pai dela ficou pondo pressão cheguei a imaginar que nunca seriamos “amigos”.

 - Não acredito! – O locutor falou rindo.

 - Eu fiquei assim também, mas chegou a noite e os outros familiares foram embora e o pai dela riu da minha cara dizendo o quão tenso eu estava.

 - Ou seja…

 - Tudo uma encenação, da pra acreditar? Mas depois ficou tudo bem, até sentamos e tomamos uma cerveja.

 - Um grande alivio para Niall. – Comentei.

 - Grande Niall, bom, agora vamos para a última pergunta que é da @tttifanny: “Vocês costumam dizer o que sente um para o outro?” – Olhei discretamente para ele.

 - Essa vou deixar a Sn responder. – Niall falou fazendo com que eu quisesse mata-lo por deixar essa parte comigo. Eu sempre fui mais reservada nesse quesito pelo fato de não ter sido tão alegre no meu antigo relacionamento, mas com Niall era uma coisa diferente, ele me fazia sentir diferente, talvez mais amada!

 - Er, sim apesar de eu ser um tanto tímida para isso, prefiro sempre expressar através das minhas músicas do que falar diretamente pra ele. – Confessei respirando fundo. – Mas Niall é totalmente diferente de mim o que me da um pouco mais de confiança, sebe ele é daquele tipo romântico que me da chocolates no fim de semana e sempre quer ter uma opinião minha pra algo que ele tem que decidir. E é por um desses motivos que tenho uma enorme admiração por ele!

 - E essa é a forma Sn de dizer que me ama. – Niall falou todo de si, mas não deixando de mostrar a verdade. – Mas é algo que já me acostumei, é o jeito dela, não quero que ela mude, gosto de quando chego em casa e a vejo tocando violão e sei que aquela letra é pra mim, algo que ela fez pensando em mim, faz com que eu me sinta diferente amado, é incrível! – O encarei feliz por saber daquilo, não era de fato novidade talvez eu já sabia, mas gosto de ouvir isso do próprio.

 - Wow, isso foram declarações ao vivo? E é por isso que vocês são considerados uns dos casais mais shippados! – O locutor disse nos fazendo rir. – Nossa entrevista esta chegando ao fim, mas antes gostaria de agradecer muito vocês por terem aceitado vir até aqui.

 - Nós que agradecemos. – Disse sorrindo.

 - Bom pessoal, esses foram Sn e Niall e espero que tenham gostado, fiquem agora com os comercias e até a próxima!

 

A traição

Hoje mais cedo soube que a banda mais uma vez tinha obtido um record. Estava muito feliz por eles, por Niall. Sabia o quanto tinham se dedicado naquele álbum. Inúmeras vezes ele chegou tarde da noite em casa depois de passar o dia inteiro no estúdio. Quantas noites mal dormidas compondo músicas, que agora, eram grande hits. Orgulhosa pela conquista, resolvi fazer um jantar surpresa para meu namorado, afinal, ele merecia depois de todo o esforço.

Mais cedo passei no supermercado e comprei alguns ingredientes para o “cardápio”, e não deixei de comprar um vinho tinto para brindarmos. Me arrumei, coloquei uma lingerie especial, só por prevenção, okay?! Só para o caso do vinho nos deixar um pouco altos e alegres. Coloquei meu colar com um pingente de coração que Niall havia me dado de presente de namoro, desde então não o tirava para nada a não ser tomar banho. Peguei meu celular e minhas chaves. Não levaria muda de roupas pois tinha na casa dele. Fui para a garagem do duplex. Apertei o alarme do carro destravando-o e conferi se todas as compras necessárias ainda estavam no carro. Depois de conferir que tudo estava certo, saí do duplex indo para o dele.

Quando meu carro se aproximou da entrada do condomínio, logo o porteiro me reconheceu e abriu o portão permitindo minha entrada. O cumprimentei com um aceno e segui até chegar a casa de Niall. Estacionei em frente a casa moderna e bem estruturada que era a casa do meu namorado e logo vi algumas luzes acesas, constando que ele estava em casa. Se eu bem o conhecia ele ficaria surpreso com minha presença, é lógico, mas ficaria feliz. Peguei a chave reserva que tinha escondida no vaso de uma planta perto da faixada da casa e destranquei a porta, para facilitar minha entrada com as compras. Fui até o carro as retirando do mesmo, apertei o alarme e entrei na casa. Fui direto para a cozinha, colocando tudo em cima da mesa.

Voltei para a sala e vi a zona que estava. Tinha roupas para tudo o que é lado. Gente, como meu namorado conseguia ser tão bagunceiro a esse ponto? Coitada da moça da limpeza que vem aqui. Comecei a recolhei algumas coisas.

- Niall? - Chamei por ele. - Estou aqui. - Disse enquanto recolhia algumas roupas suas espalhadas. Peguei uma cueca dele que estava no chão. Sério que ele deixava as cuecas dele por aí pela casa? - Niall! Estou em casa. - Chamei mais uma vez por ele e mais uma vez não obtive resposta. O que será que ele estava fazendo? Fui em direção ao sofá pegar uma blusa e vi que era feminina. Não me lembrava de ter uma blusa nesse estilo. Mas o que será que ela estava fazendo ali? Fui ajeitar e vi um sutiã rendando de cor vinho. Aquilo não era meu, e a certeza veio logo depois que eu o peguei e olhei a numeração que era diferente da que eu usava. O que aquilo estava fazendo ali? O que estava fazendo aqui? Mil coisas se passavam  na minha cabeça. Quando ia dar um passo piso em algo, algo que preferia um milhão de vezes não ter encontrado. Que merda estava acontecendo? Era uma calcinha do mesmo material e cor do sutiã que havia encontrado. Larguei tudo no chão e gritei mais uma vez por Niall e nada. Ouvi uma movimentação grande vinda do andar de cima. O que diabos ele tanto fazia que sequer me ouvia chamar por ele? 

Sentia minhas bochechas esquentarem, mas era de raiva. Subi a procura dele e faltando apenas poucos degraus para chegar no andar de cima ouvi algo que me fez parar na escada. Não, não podia ser. Ele não poderia estar fazendo isso comigo. Ele não era capaz, não é? Ele me amava. Sabia que sim, pelo menos era o que eu queria acreditar agora, mas estava impossível. Respirei fundo, sentindo meu nariz arder um pouco indicando que iria chorar. Os gemidos e gritos ficavam cada vez mais altos. Tomei coragem e terminei de subir as escadas. Cada vez que ia me aproximando da porta de seu quarto o aperto em meu peito aumentava. Respirei fundo mais uma vez e abri a porta do quarto e finalmente vi o que o ocupava a ponto de não me ouvir entrar. As lágrimas começaram a lavar meu rosto antes mesmo que eu me desse conta. Uma garota rebolava em cima dele, praticamente cavalgando. E ele tinha a boca aberta e os olhos fechados. Nenhum dos dois tinham me notado, não até um solução escapar chamando a atenção dos dois.

- (S/N)! - Niall entrou em choque e rapidamente empurrou a garota de cima dele, fazendo esta cair no chão. 

- Niall! - A garota reclamou, provavelmente tinha doído (bem feito) e sequer se importou em se cobrir. Vadia. Olhei para os dois com nojo e o cheiro de sexo que o quarto tinha embrulhou meu estômago. Virei e desci as escadas o mais rápido que pude. Niall vinha completamente nu em meu alcance. 

- Amor, eu posso me explicar. Ela não significa nada para mim. - Ele dizia justificativas enquanto andava atrás de mim, que tentava achar a porcaria da chave do carro para ir embora daquele lugar o mais de pressa possível. - Eu te amo, olha pra mim! - Ele disse e me puxou para olhar para ele.

- Não diga isso, você não me ama! - Disse, mal conseguindo olhar para ele.

- Claro que te amo, eu faria qualquer coisa por você. - Me balançou.

- Sim, é claro. Inclusive por a porra de um par de chifres na minha cabeça não é? Nossa, quanto amor. Estou MUITO agradecida! - Despejei.

- Não faz isso, você sabe o quanto eu amo você. 

- Não ouse dizer isso, porque você pode sentir qualquer coisa por mim, menos amor. - Joguei em sua cara. - Que merda! Aonde foi parar essa chave! - Esbravejei. Se não a encontrasse iria embora a pé.

- Amorzinho, o que ela ainda está fazendo aqui? Esquece ela e vamos voltar para terminarmos o que começamos, já que fomos interrompidos. - A tal garota apareceu na sala vestindo um roupão, dizendo com uma voz de gralha.

- Vai pra merda! - Mandei o dedo do meio pra ela e fui pra cozinha ver se encontrava a chave. Minha mente estava a mil e não conseguia processar direito aonde tinha largado ela.

- MELISSA QUER FECHAR A PORRA DA BOCA? TÁ AFIM DE PIORAR TUDO? CARALHO! - Ouvi Niall gritar. Afastei algumas das sacolas da mesa e finalmente a vi. - O que são essas sacolas? - Virei-me e encontrei Niall usando uma cueca, devia ter pego do monte de roupas que tinha espalho.

- Eu vim para cá com o propósito de comemorarmos o novo record que a banda conseguiu, mas pelo visto você já estava comemorando. Agora se me dá licença.- Tentei sair mas fui impedida, ele era mais forte.

- Não, eu não vou deixar você sair nesse estado.

- E espera o que? Que eu fiquei aqui? Ah, faça-me o favor de soltar o meu braço! - E assim fez. Caminhei até a porta da sala e virei-me vendo ele logo atrás. - É bem óbvio, mas só para que fique bem claro. Eu não quero ver você nunca mais! Ouviu bem? Nunca mais! Está tudo acabado. - Disse e fui para o meu carro o mais rápido possível. Desliguei o alarme, entrei e acelerei. Dirigi mais umas quadras até parar em um acostamento para poder finalmente chorar e desabafar um pouco. Como pude ser tão burra? Com certeza todas as vezes que ele dizia chegar tarde do estúdio deveria estar comendo aquela puta em algum lugar por aí. Chorei, gritei e os xinguei até não aguentar mais. Depois de um tempo, quando o choro já tinha sessado um pouco, limpei meus olhos afastando as poucas lágrimas que ainda estavam ali e voltei a dirigir até minha casa. Quando entrei, me desmanchei mais uma vez em lágrimas. Meus olhos já estavam inchados e o nariz entupido.

(…)

No dia seguinte acordei com uma baita dor de cabeça e inúmeras ligações perdidas de Niall. Ouvi o interfone tocar e era o porteiro falando que Niall havia estado ali, mas não o deixou subir porque parecia um pouco alterado. O agradeci e informei a ele que não era para deixá-lo entrar. Não mais. 

Mais tarde liguei para Beth, minha amiga, para que fosse buscar minhas coisas na casa de Niall e levar o que tinha dele aqui. Não queria mais contato com ele.

(…)

Meses haviam se passado depois do ocorrido. Mais precisadamente 6 meses. O tempo praticamente voou. O término do meu namoro com Niall não foi nada amigável. Sofri por um bocado de tempo, mas a vida continuava e segui com a minha. 

Não tive mais notícias de Niall. Não o procurei nem ele a mim. Quer dizer, vez ou outra ele mandava mensagens, me ligava ou procurava saber como estava através dos meninos. Confesso que as vezes me pegava com saudades dele, pensando em nós, mas logo passava.

Voltava para casa quando vi o visor do meu celular apitar, percebi ser Niall mas o ignorei. Primeiro por estar dirigindo e segundo não queria falar com ele. Minha raiva tinha passado, mas tinha ainda um pouco de mágoa. Quando cheguei finalmente em casa dei um grande suspiro de alívio. Estava exausta. Subi, me dei o direito de tomar um banho demorado e relaxante, pedi uma pizza e quando chegasse ficaria comendo assistindo Friends. Tinha coisa melhor? Acho que não. Em torno de quinze minutos depois ouço a campainha soar. Vou até a porta com o dinheiro da pizza em mãos, mas tive uma grande surpresa ao abri-la. Era sim minha pizza, mas era Niall que a segurava.

- C-como? - Disse sem entender.

- Não importa. - Disse ele dando de ombros. Estava lindo.

- M-mas e o dinheiro? - Disse ainda boquiaberta. 

- Eu paguei e antes que pergunte como entrei, como o porteiro do condomínio tirou férias, foi substituído por outro que não sabia da sua ordem. - Disse e senti minhas bochechas esquentarem.

- O que quer? - Disse pegando minha pizza. 

- Vai me deixar entrar? - Suspirei e dei passagem para que ele passasse. Coloquei a caixa de pizza em cima da mesa de centro e sentei no sofá.

- Vamos, fale logo seja lá o quer for que quer falar. Porque se não minha pizza vai esfriar. - Cruzei os braços e ele respirou fundo, parecendo criar coragem.

- Bem, eu vim…e-eu vim. - Estava nervoso. - Eu vim conversar com você. Te pedir desculpas. Eu tentei falar com você de todas as maneiras, te mandei mensagens, telefonei, fiz um pouco de tudo. Mas não obtive sucesso. Eu realmente estou arrependido. Não espero ter você de volta, mas quero o seu perdão. Quando você saiu naquela noite, naquele estado eu me senti um nada, um idiota, foi ridículo. Eu… Eu fiquei com raiva de mim mesmo. Ver o quanto eu decepcionei você foi demais pra mim, eu percebi o quanto você vale. Pode não parecer, depois do que viu, mas é a verdade. Eu não vou mentir para você, dizer que estava bêbado e o caralho a quatro. Eu estava lúcido, e o arrependimento que senti foi a pior ressaca da minha vida. Eu não sei o que dizer. Eu havia ensaio para vir falar com você mas nada saiu como planejado. Eu pareço só estar falando um monte de merda, eu sei, mas é o que eu sinto. Eu estou completamente arrependido. E… Caralho! Eu te amo garota, mais do que eu imaginava. Esses meses foram um inferno na minha vida. Por favor, me perdoa. Sei que é pedir demais, mas volta ‘pra’ mim. Estou te implorando. Farei qualquer coisa pelo seu perdão, absolutamente qualquer coisa. - Ele estava vermelho, como se tivesse pegado o Sol do meio dia e tivesse ficado com insolação, sei que é uma terrível comparação mas é a verdade. Vi uma lágrima escorrer pelo seu rosto. Meu. Deus. Niall estava chorando. Ele chorou. Niall, ele… Ele chorou! Não que eu não estivesse, estava sim. Era difícil toda aquela situação. Respirei fundo, disposta a quebrar o silêncio que tinha ficado.

- Eu…Eu te perdoo, Niall. Mas por favor, estou te pedindo por favor, não me faça me arrepender por isso.

Não o perdoei e imediatamente voltamos a ser um casal feliz. É claro que não. Aos poucos fomos voltando a sermos o que éramos, mas agora era diferente. Minha confiança tinha sido quebrada, e quando alguém quebra nossa confiança, demora um pouco para ela ser restaurada. Eu o amava, disso tinha certeza. Esse fora o real motivo pelo perdão. Eu o amava. Parece ridículo eu o perdoar, não é? Mas mais ridículo seria se eu não o tivesse feito. Se eu continuasse o resto da minha vida o apedrejando. Eu daria uma chance a ele, e ele estava sabendo aproveitá-la.

1s Niall - Try

Ouvir com a música em repetição por favor: 
https://www.youtube.com/watch?v=GXoZLPSw8U8 

(S/n) Pov 

Aqui estava eu correndo meu kilometro extra me mantendo magra,para depois ir fazer unhas, encaracolar meu cabelo, vestir um bonito vestido preto, me mostrar sorridente o tempo todo.
Ou pelo menos tentar.

Niall entrou pela porta do ginásio bem devagar, quase sem fazer barulho, mas eu o notei sem esforço. Apenas senti que ele estava na mesma sala que eu.

Se direccionou a mim e se colocou em frente à passadeira rolante, olhando directamente em meus olhos castanhos.

-Você não precisa de tentar tanto

-Sim, eu preciso
Eu precisava que elas gostassem de mim

-Não, você não precisa, não tanto, não assim, quase deixando de ser quem você era.

Um silencio se apoderou da sala e dei por mim desligando a passadeira e me sentando sobre ela de pernas cruzadas. Niall veio até mim e se sentou na minha frente.

-Eu gostava de como você era.

Ele disse ao fim de longos segundos apenas ouvindo nossas respirações- minha mais rápida que a dele pois tinha acabado de sair da passadeira.

-Não é simples assim, namorar algum de vocês faz com que tenhamos de ser perfeitas - disse triste

-Você era perfeita para mim

O uso do passado nesta frase me entristeceu mais que na frase anterior.

-Sophia está sempre impecável, bonita, sorridente. Eleanor tem uma paciência e um sentido de humor único apenas compatível com Louis. Perrie é alguém que não tem medo de mostrar seus sentimentos, exactamente o contrário de Zayn, fazendo com que a relação deles seja tão especial.
E Harry, Harry ta esperando alguém que consiga suportar suas piadas sem graça e que seja tão carinhoso e ao mesmo tempo capaz de chutar muitas bundas, tal como ele. E eu? - perguntei a Niall o olhando nos olhos, minhas mãos já não eram distracção suficiente - eu não sou perfeita como você, então terei de tentar.

-Você era divertida, despreocupada, de sorriso fácil, sempre pronta para uma viagem inesperada ou para uma aventura louca. Você era o que eu precisava numa garota (s/n).

Ele já não precisa de mim, eu já não sou o tipo de garota que ele precisa, que o faz feliz.

-Anda dai, ainda temos um jantar para ir - ele disse se levantando e estendendo a mão na minha direcção.

A peguei e fizemos força para que me conseguisse levantar.

Fomos para nosso quarto e logo entrei no banheiro pensando em tudo o que se passou no ginásio e que ia na minha cabeça. Nada batia certo. Eu tinha de ser de certa maneira para ser aceita como a garota perfeita para o Niall mas parece que ele não me queria assim, ele preferia como eu era antes.

Me embrulhei nas toalhas e vi Niall sentado no seu lugar na cama.
Vi também que ele tinha escolhido uma roupa para mim. Roupa essa nada apropriada.

-Veste essa roupa por favor
-Niall…
-Por favor? - ele pediu em tom de suplica e eu concordei com a cabeça.

Vesti um conjunto simples preto, soutien liso e calcinha tanga em vez do normal fio dental.
Vesti umas calças largas floridas e um top azul escuro com um laço atrás.

Me dirigi ao banheiro e Niall meio que correu para junto de mim.
-Senta - ele disse apontando para um banco. Sentei.

Ai ele agarrou na minha escova e começou a me pentear calmamente. Me lembrando do início, de como ele cuidava de mim como se eu fosse o seu bem mais precioso. Pequenas lágrimas percorriam meu rosto, mesmo eu tentando conte-las a todo o custo. Não queria que Niall me visse tão vulnerável. Felizmente consigo.

Niall acabou de me pentear, os arrumou para eles ficarem mais soltos e colocou algumas madeixas para a frente.

-Sem maquilhagem hoje - ele declarou e eu nada disse, sentia que hoje não era um bom dia para o contrariar.

Niall então pegou na minha mão e nos dirigimos para o quarto. Me sentei na cama e Niall se colocou de joelhos para me colocar umas sapatilhas com um salto bem pequeno, pretas.

Pegou no meu celular que estava na mesinha de cabeceira, o colocou no bolso de trás de suas calças jeans e me fez levantar e olhar no grande espelho de nosso quarto.

-Você não tem de tentar fazer com que todo o mundo goste de você. Esta (s/n) é linda, é a garota que eu quero do meu lado pro resto da minha vida. É esta (s/n) que eu amo.

-Você não gosta desta (s/n)?

Respirei fundo e não contive mais as lágrimas, Niall apenas as limpou e continuou esperando minha resposta.

-Sim, eu gosto - disse e Niall me deu o sorriso mais sincero que recebi nos últimos meses. Me fazendo sorrir também.

Gosto porque, afinal, é esta (s/n) que o Niall gosta, que o faz feliz, que ele quer do seu lado pro resto da vida.

E acho que mais importante que isso, é assim, que eu quando estou sozinha em casa, sem ninguem ao redor gosto de mim. Então porque haveria de me importar tanto com que o que os outros pensam?

One Shot - Niall

Eu estava pirando, literalmente. Fazia 1 mês que a [s/n] tinha ido para o Brasil passar as férias com a mãe dela, minha sogra, e eu estava com muita saudade dela. Por mais que sempre viajo para fazer shows, nós nunca tínhamos ficado tanto tempo um longe do outro.

Todo dia ela me ligava chorando dizendo que não aguentava mais ficar longe de mim e que só não voltava para meus braços por causa de sua mãe. E, pensando sozinho no quarto de hotel logo após o último show da turnê que eu tive uma ideia.

Liguei para minha mãe.

- Oi meu amor, - ela atendeu contente o telefone, apesar de ser quase meia noite. – como você está?

- Oi mãe, estou bem, eu acho, e você?

- Estou bem, o que aconteceu?

- [S/n], estou com saudades dela, fora isso estou bem. – suspirei.

- Ah meu amor, não fique assim.

- É, foi por isso que te liguei a essas horas. Quero te pedir uma coisa.

- Diga meu bem.

- Que tal passar uma semana no Brasil?

- O que?

- É mãe, vou ligar para a mãe da [s/n] e pedir se ela gostaria que isso acontecesse. Lá são 09:00 da noite, ela ainda não foi dormir.

- Você é louco, mas por você eu faço tudo e bom, eu não tenho nada de importante essa semana para fazer, então tudo bem por mim.

- Sério? – dei um sorriso enquanto olhava para uma foto nossa que sempre ficava em minha carteira, era uma foto com aquelas câmeras Polaroid, foi a nossa primeira foto juntos. – Vou ligar para ela agora, já te retorno mãe.

- Ok filho.

- Muito obrigada.

- Amo você.

- Também te amo mãe.

Desliguei o telefone e liguei para a mãe dela. Não deu nem 3 toques e o telefone foi atendido.

- Oi querido, tudo bom? – a mãe dela atendeu, o bom é que ela sabia falar inglês.

- Antes de tudo, a [s/n] está ai?

- Não, o que aconteceu? – ela disse parecendo estar preocupada.

- Nada. – ri fraquinho. – Ela não pode saber que eu liguei, ok?

- Ok.

- Oi, fora a saudade imensa que sinto de sua filha, estou bem. – ri novamente e ela também.

- Estou bem.

- Então, quero saber se você deixa eu ser bem mal educado.

- Como assim?

- Quer deixar eu e minha mãe passarmos alguns dias ai?

- Mas é claro! – ela disse empolgada.

- Sério? Ai que bom, você não imagina a saudade que eu to da [s/n].

- E você não imagina a saudade que ela sente de você. Quando vocês pretendem vir?

- Quando você acha melhor?

- Amanhã? – ri.

- Não dá, infelizmente, se eu pudesse iria hoje. Pode ser quinta? – hoje era domingo. No caso segunda por já tinha passado de meia noite.

- Sim.

- Só não conta pra ela, ok? Quero fazer surpresa.

- Ok querido.

- Preciso desligar, estou cansado. Amanhã te ligo e combinamos tudo certo, ok?

- Ok, tenha uma boa noite. Beijo.

- Você também, beijo.

Desliguei o telefone e liguei para a minha mãe avisando que na quarta-feira eu iria para Mullingar e no outro dia partiríamos para o Brasil.

Dormi bem naquela noite, no dia seguinte voltamos para Londres e pude ir para casa. Ajeitei minha mala de tão ansioso que eu estava e eu não parava quieto, nem um segundo.

Liguei para minha sogra e ela me passou o endereço da casa onde ela mora e ela já combinou com um taxista amigo dela que ele iria nos esperar no aeroporto da cidade de Florianópolis, que é a cidade que ela mora, e nos levar até a casa.

Os dias passaram muito devagar na minha opinião, até que o dia chegou e eu já estava dentro do avião. A viagem demorou mas logo estávamos em solo brasileiro.

Eu estava disfarçado para que nenhuma fã me reconhecesse e por sorte, nenhuma reconheceu. Esperamos o taxista com nome Leonardo, o que foi difícil para mim pronunciar o nome dele, ele também falava inglês e tudo foi fácil.

Chegamos na frente da casa da mãe da [s/n] e dei um toque no telefone da mesma, avisando que tinha chegado ali na frente. Como o combinado, apertei a camainha e esperei a minha linda namorada atender a porta, a mãe dela iria pedir para [s/n] abrir pois estaria “ocupada”.

Apertei a campainha mais uma vez e quando vi a maçaneta da porta se mexer e a porta abrir me deu um frio na barriga.

- Oi, no que eu pos.. – quando me viu, ela arregalou os olhos e me abraçou forte, se jogando pra cima de mim. – O que você está fazendo aqui? – ela dizia chorando ainda abraçada em mim.

- Vim te ver ué, quer que eu volte? – disse brincando.

- Não! Não mesmo! Meu Deus, eu não to acreditando. Sério. Niall. – ela se separou de mim e vi que ela estava toda borrada de rímel, passei meu dedão nas manchas para tirá-las.

Sua mãe estava logo atrás dela, e a minha atrás de mim, as duas se cumprimentaram.

- Oi Maura. – [s/n] cumprimentou minha mãe e eu cumprimentei a dela. Depois disso [s/n] voltou a me abraçar, eu a apertei forte chegando a estralar suas costas, como sempre fazia.

Nos beijamos ali na frente da casa enquanto nossas mães levavam as malas para dentro de casa. Fomos ajudar depois do longo beijo. Levei minha mala para o quarto de [s/n] e ajeitei minhas coisas com a ajuda dela, que toda hora me abraçava com carinho.

Passamos a tarde conversando nós quatro, eu matando a saudade da minha namorada e sendo amado por ela. Não nos desgrudamos o dia inteiro, até preparamos o jantar juntos, o que foi incrível.

Chegou a noite e nossas mães foram dormir, pegamos um filme e assistimos na sala, comendo besteiras e tomando refrigerante. Vi que [s/n] estava quase dormindo e logo a cutuquei.

- Hey princesa, não dorme não. – ela esfregou os olhos e eu sorri.

- Mas eu to com sono. – ela resmungou.

- Então vamos lá pra cima meu anjo. – ela abriu os braços, que nem um bebê faz quando quer ser pego no colo. Foi o que eu fiz, a peguei no colo e levei até o quarto, a deixando na cama e depois me ajeitando ao seu lado.

- Não acredito que você está aqui do meu lado agora meu amor. – ela disse baixinho pois os quartos em que nossas mães estavam ficavam ao lado do nosso.

- Eu não aguentei, eu estava pirando sem você, literalmente. Os meninos ficaram reclamando que eu estava diferente.

- Quanto amor por mim, credo. – rimos, e então a beijei.

O beijo foi ficando mais quente e a rapidinha da [s/n] foi logo tirando minha camisa.

- Eita menina. – disse entre o beijo, sorrindo.

Tirei sua blusa, a deixando nua na parte de cima pois ela não usava sutiã para dormir, apertei de leve um de seus seios. Ela subiu em cima de mim, ficando sentada sobre o volume em minhas calças. Ela rebolou em cima de mim enquanto eu apertava agora seus dois seios.

Ela abaixou minha calça e se sentou pro lado, deixando espaço para eu tirar minha calça de moletom que ela tanto gostava em mim, sei lá, ela dizia que me achava bonito com aquela calça. Deitei ela e tirei sua calça deixando-a de calcinha, uma calcinha rosa de bolinhas brancas, sorri ao ver.

- Foi com essa calcinha que você perdeu sua virgindade comigo. – ela sorriu envergonhada.

Tirei a calcinha dela e coloquei a mesma ao lado da cama e beijei [s/n], fui descendo os beijos até enfim chegar em sua vagina, lá eu comecei a lamber ela, movimentando minha língua bem rápido. Ela segurava o lençol da cama e mordia sua próprio lábio para não gemer, aquilo me enlouquecia.

Ela fez eu parar com aquilo, trocando a posição, agora quem iria iria ter que morder o próprio lábio pra não gemer seria eu. [s/n] abaixou minha cueca e me ajudou a tirá-la, ela me masturbou um pouco até que sua boca foi de encontro ao meu membro, lá ela o colocou na boca e começou a me chupar. Eu não consegui aguentar muito tempo e fiz ela parar antes que eu gozasse logo. Não queria aquilo, pelo menos não agora.

Puxei [s/n] pra cima e ela ficou esfregando seu íntimo ao meu, logo ela se levantou um pouco e eu pude colocar meu membro nela. Ela desceu devagarzinho, gemendo bem baixinho, quase num sussurro. Segurei a cintura dela e começamos a nos movimentar. Ela descia e subia num ritmo ora rápido, ora devagar. A cama estava fazendo barulho mas no meio daquele tesão todo, não nos importamos. Ela se deitou um cima de mim, de frente, ficando parada, então que se movimentava era eu, mas eu não tive dó, meus movimentou eram muito rápidos e ela gemia no meu ouvido.

- Niall, meu Deus, eu vou.. – ela gemeu meio alto e pude saber que ela tinha atingido o orgasmo, dei umas 4 estocadas fortes e gozei dentro dela (o que não era problema pois ela tomava anticoncepcional). Continuei com meu membro dentro dela enquanto nos beijávamos.

- Isso foi incrível. – disse eu. – Você é incrível na verdade.

- Pode apostar que você é mais. – ela disse beijando minha testa e saindo de cima de mim.

Nos limpamos com um pano que tinha em minha mala e, ainda nus, nos abraçamos na cama, caindo no sono.

Acordei no outro dia e pude ver [s/n] ainda dormindo ao meu lado. Me sentei na cama e fiquei uns 5 minutos apenas olhando para ela, pensando no quão perfeita ela era para mim e o quão bom fora a noite passada.

- Bom dia amor. – disse ao ver que ela abria os olhos lentamente.

- Bom dia amor. – ela sorriu, me fazendo sorrir também.

Ficamos agarradinhos na cama mais um pouco, até que levantamos e nos arrumamos.

Fomos na cozinha e nossas mães estavam lá.

- Bom dia. – dissemos juntos à elas.

- Bom dia queridos. – minha mãe disse.

- Bom dia. – a mãe dela disse também.

Comemos algo e nos sentamos no pátio para conversar novamente sobre coisas aleatórias. No meio da conversa, eis que uma pergunta surgiu.

- Como foi a noite de vocês? – a mãe de [s/n] pergunta.

- Hum, boa. –  [s/n] sorriu.

- Boa até de mais, não acha? – a mãe dela continuou. Eu olhei para [s/n], que estava sentada no meu colo.

- Como assim? – ela perguntou.

- É, da próxima vez vê se desencostem a cama da parede. – agora foi a vez da minha mãe falar.

- Quando há movimento na cama e ela está encostada na parede, há barulho. Sabiam? – a mãe dela disse e as duas mães começaram a rir.

[S/n] ficou vermelha e eu só ria. Elas não paravam de incomodar nós.

- Vocês querem dormir na sala hoje? Lá o sofá não é encostado na parede.

- Mas só cuidado com os gemidos.

E elas continuaram por toda a semana que passou, mas nos outros dias nós tomamos cuidado para não fazer barulho, mas mesmo assim elas ficaram rindo da nossa cara.

Tudo o que eu posso dizer é que foi uma semana incrível.

Bem minha vida era uma verdadeira turbulência, mas sabe uma turbulência boa, estava casado com Niall sim o do banda one direction a dois anos e pouco e hoje estávamos embarcando para o Irlanda mas necessariamente para Mullingar visitar a mãe dele, eu tinha engravidado e a mãe dele não pode me acompanhar muito bem e agora o pequeno Stevan de três meses já estava saudável e forte o suficiente para viajar, fizemos o check-in e então embarcamos.

A principio imaginei que meu pequeno fosse ficar chorando na viajem inteira, por causa de dores nos ouvidos que alguns bebes sentiam, mas foi surpreendida com uma viajem calma e com o pequeno Stevan no meu colo dormindo, chegamos no aeroporto e como sempre uma multidão nos esperava, cobri o rosto de pequeno Stevan e Niall me abraçou o sorriu para todos como sempre fazia, Paul tinha vindo com a gente para se assegurar que o nosso bebe estivesse protegido, e então convidamos a família dele para passar o final de semana com a gente, a mulher dele aceitou e achou o máximo já que não conhecia a Irlanda so que chegaria a tarde para evitar a multidão.

Entramos no carro e seguimos para Mullingar observamos que alguns carros passavam por nos e batiam fotos mas nos nem ligávamos, após acho que trinta minutos chegamos a ótima/perfeita cidade, estava tudo tão bom e calmo, o clima estava agradável era apenas um leve frio comecei a observar tudo senti algo ou melhor alguém se espreguiçando desajeitado em meu braço, sorri fraco ao ver aquilo e Niall dirigiu o olhar para mim e depois para Stevan e viu aquela cena e sorriu também.

Ate que enfim chegamos saímos do carro e a essa altura Stevan estava na mão de niall, mas eu peguei de volta já imaginando o abraço que ele daria em Maura, Paul saiu do carro e ficou logo atrás de nos, a família de Niall tinha ficado muito feliz com a visita da família de Paul já ele sempre cuidou do menino com muita atenção já que Niall sempre tivera bom alguns problemas com bebida, Niall tocou a campainha e eu estava atrás dele como se ele fizesse uma barreira.

Maura atendeu e seus olhos brilharam ao ver o filho, abraçou com Niall e eu vi algumas lagrimas saindo de seus olhos, ela abriu os olhos e me viu, ela soltou o filho e Niall saiu da minha frente e então pude ver o rosto dele os olhos estavam muitos azuis e vermelhos sim ele chorou e eu sorri com aquilo, os olhos dele brilharam ao ver eu com seu filho e a mãe dele ali

- Oi Maura – disse sorrindo e me lembrando do tempo que ela me corrigia por eu chama-la de senhora

- Minha filha – ela disse e seus olhos se dirigiram ate Stevan e então estendi o braço para que ela pegasse o menino

Logo depois daquilo Paul disse que era melhor que entrássemos, e então Maura abriu um sorriso e começou a falar com Paul já dentro de casa

- Ta tudo tão perfeita, que as vezes acho que estou sonhando – Niall disse fechando a porta da casa e abraçando minha cintura

- E eu então como estou me sentido? Meu marido perfeito, meu filho lindo, a melhor família de todas ta tudo tão bom – disse sorrindo e beijando ele.

Fomos um quarto que Niall tinha pedido que Maura monta-se, entrei era o antigo quarto de Niall, sorri vendo que ele agora estava muito diferente, estava em cores brancas tinha uma cama de casal no canto, o guarda-roupa agora era bem maior, e no outro canto do quarto havia um berço e uma poltrona em cor azul bebe, sorri vendo tudo aquilo.

Nos almoçamos e la pelas duas da tarde Paul saiu para pegar sua mulher e seus filhos e la pelas três e meia estávamos todos acomodados, e nos divertindo na sala e ficamos assim a semana inteira ate que voltamos para Londres, voltamos e no outro dia sai com Stevan para ele pegar um pouco de Sol.

Estava passando em uma banca de Jornal e vi na capa de uma revista

“ Niall Horan com sua família agora completa vai visitar a mãe em Mullingar na Irlanda e emociona todos” olhei para Stevan e sorri sim nossa família estava completa ate demais, mal eu sabia que em menos de cinco meses já estaria gravida de novo.

Gostou quem pediu? Desculpa a demora

Karol

One shot Niall Horan

Eu e Niall Horan éramos casados a cinco anos sim cinco anos, parece pouco tempo mas isso estava quase no fim, ai você me pergunta porque? Simples a exatamente dois dias descobri que meu marido me trair com nada mais nada menos que a minha melhor amiga, descobri esse fato quando estava eu mais uma noite em casa era tarde da noite e ela havia acabado de chegar e por pleno descuido esqueceu o celular na mesa da sala, me levantei do sofá ouvindo o chuveiro aberto, sim havíamos brigado de novo, passei pela mesa e olhei no celular dele e vi uma nova mensagem nem me importei em abrir a caixa de mensagens e quando vi aquilo me destruiu.

A noite foi ótima, você tem cinco dias para contar tudo para ele se não adeus” – ela mandou

“ Vou contar para ela so não  hoje se preocupe, vou ser inteiramente seu”

“ Vou lhe esperar ate lá não me procure”

Bom desde de o dia que eu vi a mensagem fiquei estranha com ele e nem me pronunciava com ele e o do momento que a mensagem foi recebida ate hoje fazia exatamente cinco dias que ele tinha recebido a mensagem eu estava no quarto e ele provavelmente estava no sofá, eu queria acabar com isso e seria agora, estava com minha roupa de dormi como era curta peguei um roupão e joguei por cima da roupa, coloquei meus pés no chão frio e estremeci mas como não achei minhas pantufas fiquei assim mesmo, sai do quarto e me dirigi a escada desci cuidadosamente e no ultimo degrau olhei niall que estava sentando no sofá com a teve ligada porem estava mexendo no celular e com uma cara nada boa.

Suspirei e me sentei no sofá a sua frente e o chamei o que fez ele esconder o celular rapidamente

- Niall bom não precisa esconder eu já sei de tudo – falei encarando o chão

- Como? – ele perguntou incrivelmente aflito

- Eu olhei seu celular e bom eu sei que isso foi errado mas me ajudou a fazer algo, bom na mensagem ela te dar cinco dias  e seu prazo acaba hoje, não vou atrapalhar sua felicidade não vou me machucar vamos acabar por aqui – disse encarando agora

- O que? – ele disse se exaltando se levantando e passava a mão no cabelo e me encarou e se ajoelhou na minha frente

No seu rosto rolavam lagrimas e seus olhos azuis estavam em azul tão perfeito mas ai eu me dei conta eu não me importava mas com ele, apenas encarei ele e simplesmente não senti nada em outros tempos eu teria me entregado para ele, mas nada aconteceu nem um pingo de pena, dor, amor ao contrario eu so queria sair dali

- Acabou? – ele me perguntou esperando um não

Apenas me levantei e subi as escadas e ele tentou me seguir porem subi as escadas correndo e me tranquei no quarto peguei uma mala e comecei a jogar algumas roupas minhas e quando vi que a mala estava cheia peguei uma bolsa colocando roupas intimas e algumas coisas que estavam no banheiro havia muitas coisas minha porem teria que ficar para tras, eu iria definitivamente voltar para o Brasil e esquecer niall e tudo relacionado a ele.

Peguei minha mala e abri o quarto e encontrei ele sentado na escada, a porta fez um leve barulho o que fez ele direcionar o olhar para mim e levantar rapidamente

- O que é isso? – ele perguntou olhando para minha mala – A onde você vai? Vai me abandonar?

- Niall você já tem alguém e bem eu estou voltando definitivamente para o Brasil e essas são algumas roupas necessárias o resto depois você ve o que faz a melhor você ir la (n/a) contar para ela que a sua decisão foi tomada – disse baixando a cabeça e descendo a escada com as minhas malas, niall pegou a mala da mão e colocou no final da escada ele esperou eu terminar de descer e quando estávamos cara a cara

- Eu realmente sai com ela, fizemos coisas que não deveriam ser feitas e disse coisas que deveriam ser ditas, mas ontem eu dei minha resposta a ela e disse que eu amo você eu te amo, se você quiser ir vai se você quiser me abandonar pode ir, mas sabe que eu sempre vou estar aqui te esperando

Nessa hora ele e eu chorávamos e a única coisa que eu consegui dizer foi

- Lamento Niall eu não te amo mais – me dirigi ate a porta e ouvi algo que realmente me mexeu

- Pode ir mas eu vou tentar te ter de novo e sou vou descansar quando eu morrer , eu te amo

Sai da casa e da vida de Niall

Gostou do pedido amor? Gostaram gente?

Karol

One Shots Niall.

Eu estava dormindo na casa da minha namorada, a [s/n]. Nós assistíamos algo na televisão enquanto jogávamos conversa fora deitados na cama. Recebi uma mensagem no celular e o peguei, a mensagem era do Harry.

- De quem é? – [s/n] me perguntou rindo, sempre curiosa essa minha menina.

- Ninguém.

- Ah, deixa eu ver, poxa.

- Não. – ela tirou o celular da minha mão, olhando então a mensagem.

– Ah, pensei que fosse algo importante, que chato isso. – rimos. Ela continuou a mexer no meu celular, como estávamos deitados, ela ficava segurando o celular em cima da cabeça dela, com as mãos erguidas, foi quando o casaco dela abaixou nas mangas que eu pude ver alguns arranhões em seu pulso esquerdo. Passei meus dedos nos arranhões.

Ela me olhou assustada e puxou seu casaco de volta, escondendo seu pulso.

- O que é isso? – perguntei.

- Nada. – ela sorriu.

- É o que eu to pensando?

- Não, claro que não. – ela continuou a mexer no celular, mas agora estava de lado, de frente pra mim.

- Então deixa eu ver.

- Não, por que?

- Deixa eu ver, [s/n].

- Não Niall! – ela me olhou, pude ver que ela estava prestes a chorar.

- Por favor, me conta a verdade.

- Eu não aguento a verdade, Niall. – ela deixou o meu celular de lado e olhou pro nada.

- Posso ver? – fui pegando em sua mão devagarzinho, puxei sua manga e então pude ver seu braço repleto de cortes, alguns cortes pequenos, outros grandes, alguns que deu pra notar que foram feitos a pouco tempo, outros a muito tempo. Cicatrizes. – Por que?

- Tenho que falar?

- Sou seu namorado, quero que confie em mim pra tudo, quero te ajudar. Me conta, deixa eu cuidar de você.

- Niall, nada é fácil, você sabia disso? As pessoas me julgam como se eu fosse a pior pessoa do mundo, como se eu fizesse mal a alguém, eu faço? – neguei com a cabeça. - Elas dizem que sou isso, que sou aquilo e isso machuca, e muito. – ela dizia calmamente. – Elas dizem que eu não presto, que sou inútil, que não faço nada da vida, que eu só estou com você por causa de dinheiro, e que você é um idiota por estar comigo. Elas dizem que você deveria encontrar outra garota, elas me perguntam e eu mesma me pergunto o porque de você me escolher entre tantas garotas no mundo que fariam tudo por você.

- Amor.. – tentei dizer, mas ela continuou.

- Você sabe que eu te amo e que não estou com você por causa de dinheiro, você sabe que eu até nem deixo você comprar presentes sem motivos pra mim, né? Você sabe também que eu faria tudo por você e por nós, mas ter isso martelando na minha cabeça o dia inteiro faz com que eu perda o juízo, isso me deixa louca. 

- Ta, mas.. – tentei falar de novo, tentativa falha.

- Fico esperando a hora em que você vai me largar por outra, já me acostumei com essa ideia, já me acostumei também em sorrir sempre, mesmo querendo chorar por dentro, já me acostumei a falar que estou bem quando na verdade não está. Mas só me acostumei com isso na frente das pessoas, porque quando estou sozinha eu desabo… E acabo fazendo isso.

- Sabe, eu sei que nós passamos dificuldades com o nosso relacionamento, mas eu só quero dizer que nada disso que falam pra você é verdade, você não é inútil, você é maravilhosa! Você é persistente no que faz e faz tudo direito. Eu me orgulho de você, veja só, você está quase acabando a faculdade, isso é incrível. Você é incrível. Não deixe essas pessoas idiotas deixarem você pra baixo, você tem uma família incrível que te apoia, um namorado lindo e maravilhoso que te ama e sempre vai te amar, e tem amigos que estarão sempre contigo, aonde quer que você esteja. Você sabe disto, só não quer acreditar.

- É, mas eu sou fraca.

- Sabe por que eu te escolhi entre tantas garotas? – ela só me olhou. – Por que você é única, amor. Eu nunca trocaria você por ninguém nesse mundo, ninguém mesmo. Você pode até ser chatinha de vez em quando, - ri fraquinho. – pode até roubar as cobertas de mim no meio da noite, pode também me morder e me machucar mas eu te amo. Eu te amo e sempre te amarei, eu tenho certeza disso. Você é meu porto seguro, minha vida, meu tudo, você é minha! Nunca passou pela minha cabeça que você fizesse isso, mas agora que eu sei eu quero cuidar de você. Eu cuido direito de você? Eu faço alguma coisa de errado?

- Não Niall, eu só não faço mais cortes por sua causa, tenho medo de te decepcionar.

- Não faz mais isso, amor.

- Eu não posso prometer isso.

- Pode sim!

- Niall! Eu sei que eu não vou cumprir isso, então eu não prometo nada.

- Então me promete uma outra coisa?

- O que?

- Quando você tiver vontade de fazer isso você me chama que eu venho te abraçar, ok?

- Isso não é possível as vezes. Você pode estar em turnê.

- Você me liga e fazemos uma vídeo-chamada, assim posso te ver. Promete isso pra mim?

- Ta bom, prometo.

- Eu te amo e sempre vou te amar, e eles não sabem sobre nós, nada.

- Eu te amo e sempre vou te amar também, Niall. Obrigada por cuidar de mim e me entender.

- Eu só quero seu bem meu anjo, quero você do meu lado sempre, feliz e sorridente, mas de verdade.

- Eu sei, mas mesmo assim obrigada. – ela me abraçou de lado, logo depois se alinhando em meu peito, beijei o topo de sua cabeça e fiz carinho em seus cabelos até ela dormir.

Nunca passou pela minha cabeça algo assim, sempre pensei que ela fosse alguém de bem com tudo e com todos, mas não, não era bem assim. Minha menina precisava de ajuda e eu prometi a mim mesmo que eu cuidaria dela até o fim, pois eu a amo.

 

/Jaz

1S Niall - Hot

2 anos e meio de namoros jogados foras.

É isso mesmo, meu namorado e eu terminamos a dois dias atrás, bom, na verdade quem terminou o namoro foi eu. Eu já não aguentava todas as brigas diárias, as grosserias de Niall e muito menos as mulheres que ele dizia ser suas “amigas”. Aham, amigas, conheço muito bem esses tipos de amigas. 

Brigamos feio na noite de quinta-feira, sentamos pra conversar sobre nosso namoro e toda essa conversa se resumiu em choro, gritos e mais choros meus. Eu não consigo brigar com ele sem fazer um escândalo básico, claro, nada exagerado, mas eu jogo todas as coisas de ruim que ele já fez ou faz na cara dele, pra ver se ele se toca do quão idiota ele é. O problema é que eu o amo, e muito. Mas sinceramente, eu não aguentava mais tudo isso, todas as noites em que eu chorava sozinha por algo que ele fez, e ele? Não se importava, chegava a dar risada da minha cara. 

Que merda, e eu que tinha esperanças em que ele mudaria suas atitudes, eu que pedi tantas e tantas vezes para ele mudar e ele dizia que iria e dois dias depois fazia besteira. Bom, pelo menos ele nunca me traiu, pelo menos isso né.

Sozinha no meu quarto fico relembrando desse passado, que joguei no lixo a dois dias atrás, mas sinto falta dele, sinto falta dos momentos bons, na verdade ótimos que passamos juntos. Todas as risadas, os micos, a pegação e várias outras coisas… Será que isso anula as coisas erradas que ele já fez? Sem falar que eu também não era lá a melhor namorada do mundo, mas eu não fazia nada de errado, eu apenas era muito, muito, mas muito ciumenta e brigava com ele o tempo inteiro, mas também, com ele pintando e bordando comigo é óbvio que eu iria brigar bastante com ele.

Liguei a TV do meu quarto e logo peguei no sono com todos esses pensamentos em cabeça. Acordo com meu celular tocando.

- Alô? - disse ao atender o celular, eu não sabia quem era pois era um número privado.

- Abre a porta, por favor. - pela voz era Niall, mas como eu estava meio dormindo, vai saber né.

- Niall?

- Sim.

- O que você quer?

- Você. - apenas desliguei o telefone e corri abrir a porta. 

Não foi algo que pensei em fazer naquela hora, apenas fiz. 

Abri a porta e me joguei nos braços dele, o abraçando. 

- Meu Deus, o que é que eu to fazendo? - disse baixinho pra mim mesma, mas Niall ouviu.

- Me amando como sempre fez? - ele disse.

- Volta pra mim? - disse eu, pensando em tudo, dar mais uma chance não seria assim tão ruim.

- Meu amor, por que será que eu vim até aqui a essas horas? - já eram quase 01:00 da manhã.

O puxei para dentro de minha casa e começamos a nos beijar, tranquei a porta e fomos ainda nos beijando até o sofá da sala, nos jogamos dele, eu por cima dele.

Parei com a pegação toda.

- Não Niall, espera. - me sentei num canto do sofá e ele no outro.

- O que foi?

- Me promete certas coisas antes de tudo isso acontecer.

- Antes de tudo então, me desculpa. Me desculpa por todas as vezes em que eu errei, em que eu te fiz chorar. Eu sei que fui um idiota. Quero mudar, quero mesmo mudar e estou muito disposto a isso. Quero ficar ao teu lado pra sempre e construir meu futuro ao teu lado, quero passar momentos bons contigo, como sempre passamos e também enfrentar os momentos difíceis ao teu lado. Quero ser feliz junto a ti, mais do que já sou, quero que você também seja feliz junto a mim, quero poder te amar até não poder mais. - ele deu uma pausa, eu já estava chorando baixinho - Eu não sei mais o que falar, mas te prometo que vou ser o melhor namorado do mundo, porque eu te amo e você é a melhor namorada do mundo, você, sei lá, você é perfeita pra mim.

Pulei nele, literalmente, o selei por algum tempo, bem forte, como sempre fazíamos.

- Eu te amo muito, sério. - eu disse olhando nos olhos dele, aqueles olhos azuis cor d'água que estava todo cheio de lágrimas.

Ele me abraçou forte, bem forte e chorou baixinho junto a mim.

- Me desculpa por tudo, eu te amo também, muito.

Nos beijamos calmamente e carinhos daqui, carinhos dali, a coisa começou a esquentar.

O beijo acelerou e foi ai que os amassos começaram, sua mão foi por de baixo do meu pijama até chegar ao meu seio direito, ele o acariciou e eu logo fui tirando a sua camisa. Em seguida ele tirou a minha blusa do pijama e jogou longe, ele ficou por cima de mim e foi descendo os beijos, da boca para o pescoço, onde que, por sinal, deixou algumas marcas lá, do pescoço para os meus seios, dos seios para a barriga e foi aí que ele tirou meu calção e depois minha calcinha, ele voltou a me beijar até chegar à minha parte íntima. Ele fez um oral magnífico e meus gemidos eram baixinhos, sua língua era quente e ele fazia movimentos aleatórios, devagar e rápidos, o que me deixava louca. 

O puxei pra cima, fazendo com que ele me beijasse, inverti as posições e fiquei por cima dele, me levantei e diz ele se sentar no sofá. Tirei sua calçam, o deixando apenas de cueca que já estava volumosa. Sentei em cima daquele volume e robolei, rebolei bastante enquanto suas mãos seguravam minha cintura.

- Para de provocar, isso me deixa mais louco ainda. - ele disse com dificuldade.

- Essa é a intenção. - sorri.

Parei com aquilo e tirei sua cueca box, me ajoelhei em sua frente e comecei a chupar seu membro todo. Como meus movimentos rápidos ele ficava cada vez mais com vontade de invadir meu corpo, e foi o que ele fez.

Num movimento rápido, ele se levantou e me jogou do sofá, fiquei de quatro pra ele e Niall logo penetrou em mim, bem fundo, me fazendo gemer alto, logo depois se movendo devagar.

Nossa, como aquilo estava bom, agora ele estava se movimentando rápido e gemendo comigo, ele segurava meu cabelo e minha cintura, o som que nossos corpos faziam quando se chocavam era excitante. Mudamos de posição depois de um longo tempo e fiquei por cima dele, rebolei novamente e quando ele me penetrou novamente pude sentir meu orgasmo quase chegando.

- Goza comigo? - perguntei manhosa.

Ele assentiu e pude sentir seu líquido quente dentro de mim (a gente nunca transava com camisinha pois sempre tomei anticoncepcional). me deitei por cima dele e ficamos apenas respirando ofegante olhando um para o outro. 

- A cada vez que nós fazemos isso fica cada vez mais incrível. - ele me selou.

- Amo você, Niall.

- Eu também amo você, [s,n].

Nos ajeitamos ali no sofá mesmo e logo pegamos no sono. 

Acordei de madrugada e fiquei pensando no que tinha acontecido. Em que conclusão cheguei? Naquela em que percebi que eu o amo de verdade, mais que tudo nessa minha vida.