*pq

deslonjuras

há um poema em mim pra cada beijo não dado. pra cada dedo
pra cada toque que a gente não deu cada vez que olhei suas fotos cada vez que te liguei sem querer
clicando no teu perfil no whatsapp
há um poema pra cada silêncio obtuso, cada bloqueada, cada gênio forte
pra cada vez que eu não tive coragem de ser melhor de ser outro de manhãs inacordadas de injeitos complicados
onde
cada vez que eu podia ter guardado o sentimento ruim numa caixa imaginária
ter jogado pra longe nos meus sonhos ter deixado meus olhos arderem com as lágrimas e ter ficado quieto
há um poema não escrito, um poema desnecessário se os atos fossem outros
se eu não fosse sendo
se eu escrevesse outro poema pra cada salto inapropriado
pra
cada vez que me desdobrei e me excedi
pra
cada vez que deixei meu lado ruim dominar
pra cada stories visto mil vezes pra cada desenho meu sobre o seu sorriso pra cada dia te vendo acordar
mil cadernos preenchidos. mil dias pela frente.
nada de términos intermináveis
então