*oi

Hitchcock/Truffaut 2015 full movie Online

➣➣ Click Here To PLAY Full Movie

► Hitchcock/Truffaut Movie Storyline
“ Filmmakers discuss how Francois Truffaut’s 1966 book “Cinema According to Hitchcock” influenced their work. ”

► Hitchcock/Truffaut Movie Detail
Release Date : 2015-05-19
Casts : Martin Scorsese, Arnaud Desplechin, Alfred Hitchcock, Kiyoshi Kurosawa, Brian De Palma, Olivier Assayas, David Fincher, François Truffaut, James Gray, Wes Anderson, Steven Spielberg, Paul Schrader, Richard Linklater

I know we all love innocent Genos, like the juxtaposition of a combat cyborg who is timid and gentle is sweet and pretty hot honestly bUUUT let’s talk more about confident Genos

I’ve seen people talk about Genos researching how to Do The Do on the internet and YES OBVIOUSLY but I like to think about even before that like: Genos knowing he could be considered objectively handsome (since he has all these fans telling him so) and OWNING IT

because I like to imagine Genos standing at the kitchen counter chopping vegetables with no shirt on but still wearing his apron (and probably slippers jfc) and the apron strings are tied in a bow that COINCIDENTALLY I ASSURE YOU hangs down over his ass

Saitama comes into the kitchen while he’s prepping dinner like “oi Genos do you need help wi - ” and he just stops and stares with his lips still slightly parted and thinks “WTF have his jeans always been that TIGHT and LOW”

and Genos runs his fingers through his hair as he turns to look at him and there’s just silence for a second because Saitama doesn’t realize he’s been caught staring

can you imagine the rush of satisfaction Genos would feel I JUST NEED TO IMAGINE a little smirk that says ‘THATS RIGHT come and get it egg I know you want to’ I NEED IT

eniten samaistun ihmisiin keikoil
  • artisti:mitä kuuluu ?
  • yleisö:AAAAAAÄÄÄÄÄ
  • artisti:mä kysyin mitä kuuluu??!
  • yleisö:AAAARRRRRHHHHHÄÄÄÄÄAAAAARGGGHHHHHHHAAAAA
3

Turbo Kid Movie Streaming (2015) HD
«« CLICK HERE TO MOVIE HD »»

➣ Turbo Kid Movie Storyline
“ In a post-apocalyptic wasteland, an orphaned teen must battle a ruthless warlord to save the girl of his dreams. ”

➣ Turbo Kid Movie Detail
Release Date : 2015-08-14
Casts : Aaron Jeffery, Yves Corbeil, Anouk Whissell, Romano Orzari, François Simard, Evan Manoukian, Laurence Leboeuf, Pierre Sigouin, Michael Ironside, Yoann-Karl Whissell, Orphée Ladouceur, Tyler Hall, Munro Chambers, Steeve Léonard, Martin Paquette, Edwin Wright, Orphée Ladouceur
Duration : 95 minutes runtime
Rating : 6.7

Tá calor não, viu?! Magina se ta calor! Isso só pode ser psicológico. Já dizia o poeta: ta tranquilo, ta favorável.

My Special Valentines Day

HAPPY VALENTINES DAY EVERYONE!!! So this is my first ever fanfic that i’ve ever written. This fic is for @shiirosaki since i’m her secret cupid!! For all of you who are reading this i hope you like it!

Pairing: Nalu, Gruvia, & Gajevy 

Summary: Team Natsu come back from a mission and it is Valentines Day


  “Yosh! That mission was easy!” said Natsu. “Yeah, well we would’ve gotten the reward if it weren’t for you flame brain!”said Gray. Meanwhile Gray and Natsu continued fighting until Erza caught up to the two and pulled them both by the ear. “Is there problem here boys!” said Erza. Both the boys grabbed each other and said no with fear in their voices. Both Lucy and Happy were snickering beside Erza. “Oi Lucy, i thought you were on my side!” said Natsu. “Sorry Natsu but both you should have seen that coming”.

At the Guild

  Lucy sighed as she went up to the bar where the rest of the girls were at. As she sat down she asked Mira for a strawberry milkshake. Knowing Lucy Mira already had the milkshake ready and passed it over. “So Lucy, what has Natsu gotten you for Valentines day?” said the girls in unison. Lucy glanced over to Natsu where he was currently fighting Gray over something stupid. She turned back where all the girls were staring at her waiting for an answer. “Well, he hasn’t gotten me anything, but thats ok because I didn’t expect him to.” Lucy said. All of the girls gasped and stared at Natsu. 

“Well, Gray-Sama got Juvia a necklace that matches his!” said Juvia.

Levy perked up and said “i got a new book from Gajeel!” Levy glanced over to Lucy and saw her sad expression. “sorry Lu-Chan” she said. Lucy perked up from hearing this. “N-no it’s ok Levy-Chan!” said Lucy. Lucy’s glad her best friend was having a good Valentines Day. Of course she wanted something from Natsu, but Lucy was still happy for all of her friends. Lucy turned back to where Natsu and Gray were fighting at but only to find a missing Natsu. Lucy asks Mira to where he went but Mira’s response that she simply didn’t know. Hours pass and still no Natsu. Lucy gave up waiting for her best friend and started to head home. While walking Lucy couldn’t help but let her mind wander to Natsu and wonder if he was ok. Once she reached home she was immediately surprised by Natsu rushing over to her. “Geez Luce, took ya long enough to come home. Ain’t that right Happy?” he said. “Aye”. As soon as Lucy was about to say something, Natsu objected her and handed over her a box. “Happy Valentines Day Lucy!” the two boys said. Lucy started to open the box to see a golden necklace with a fire and a key charm. Lucy was shocked, she was so happy that she was at loss of words. Ants on the other hand was red as a tomato. “I-is it ok Luce?” he asked. All Lucy did was jump to the boys and tackled them to the floor. “It’s perfect Natsu.” She couldn’t help but cry from tears of joy. Yeah my special Valentine was from you.

[PC] - Capítulo Doze

Por Juliana

Eu sabia que Rodrigo logo mais estaria de volta para o Rio de forma definitiva, mas ele não havia me dito o dia exato. Então quando o vi abrir a porta para mim, quase caí pra trás tamanho o susto que levei. Meu coração acelerou e eu senti minhas mãos suarem. Parecia que ele estava fora há séculos. E a amarga saudade foi dando lugar ao doce reencontro, ao mesmo tempo em que o medo e a expectativa cresciam dentro de mim. Precisávamos conversar, resolver nossa situação, esclarecer os nossos pensamentos. Enquanto eu pensava tudo isso ali parada em frente à ele, via que ele me encarava de volta, com uma expressão surpresa no rosto. Acho que ele também não esperava me encontrar ali naquele momento.

- Oi Ju. – ele falou e eu me senti obrigada a reagir.

- Oi Rod. – falei com dificuldade, tentando esconder o nervosismo que começava a tomar conta de mim.

- Entra. – ele me deu passagem e eu entrei no apartamento.

- Olha quem chegou filho! – ouvi Mari dizer e meu sorriso se abriu quando vi Joaquim em seus braços. Cheguei até minha amiga e beijei a cabecinha do meu afilhado. – Ele tá todo esperto hoje. Tá aproveitando a vovó e o tio Rod, né meu amor? – ouvia minha amiga conversar com ele enquanto Joaquim lhe encarava parecendo querer conversar também.

Ana veio me abraçar e logo todos começaram a conversar. Os minutos passados ali foram de alegria pura. Eu via a felicidade estampada nos olhos de Ana, Rodrigo e Felipe. Houve um momento em que eu os observava e Rodrigo me flagrara. Acabei prendendo meu olhar ao dele. Seu olhar me dizia que ele queria falar comigo, mas eu sabia que isso seria impossível com todos ali. Apenas sorri para ele e voltei a participar da conversa. Após um tempo, senti sede e fui até a cozinha buscar uma água.

- Sentiu minha falta? – quase deixei o copo cair no chão, assustada com a aparição repentina de Rodrigo ali logo atrás de mim. – Desculpa. – ele pediu quando me viu pôr a mão no coração e soltar uma longa respiração.

- Isso não se faz, seu doido. – repreendi, porém minha voz veio acompanhada de uma risada. – Por que não me disse que chegaria hoje? – me vi perguntando de repente, quase me batendo depois por iniciar aquele assunto em um local inapropriado.

- Não sei. – ele me respondeu e eu o encarei confusa. – Sei lá, pensei que se eu te avisasse talvez você fosse querer fugir da nossa conversa que ficou pendente. – ele me respondeu, me deixando surpresa. – Esse tempo todo a gente ficou falando sobre tudo menos isso, então eu pensei…

- Eu sei que temos que conversar, Rodrigo. Eu não vou fugir. – respondi e ele assentiu. Embora eu estivesse me sentindo a mais medrosa das pessoas, ainda assim eu sabia que merecíamos uma conversa honesta. – Aqui só não é o melhor lugar pra isso. Não contei nada pra Mari…

- Concordo que aqui não é o lugar certo. – ele me interrompeu. – Você vai fazer alguma coisa quando sair daqui? – ele me perguntou e eu neguei. – Posso ir até o seu apartamento mais tarde? – meu coração disparou ao ouvir aquela pergunta. Nós dois sozinhos e ainda por cima no meu apartamento, onde tudo havia acontecido. Essa não parecia ser a melhor das ideias, porém eu acabei concordando. – Então te vejo no fim da tarde ok? – ele disse por fim, saindo da cozinha e me deixando sozinha para lidar com mil pensamentos.

Quando voltei para a sala, o vi em pé juntamente com Ana, se despedindo de Mariana e Joaquim. Ana despediu-se de mim com um abraço e Rodrigo apenas beijou o topo da minha cabeça. Os segui com o olhar e sem olhar para trás, Rodrigo saiu com Ana e Felipe, que os levaria até em casa. Joaquim já dormia nos braços de Mariana e eu fui com ela até seu quarto para ela colocá-lo no berço. Fiz companhia à minha amiga até que Felipe voltasse e logo depois voltei para casa.

(…)

Eu andava de um lado para o outro no apartamento, claramente nervosa. Rodrigo sequer tinha chegado e eu já temia pelo que conversaríamos. Eu sequer sabia o que falar. Sinceramente eu esperava que ele começasse, quem sabe assim eu ia conseguindo organizar meus pensamentos e pudesse dizer algo. Quando o interfone tocou e eu fui avisada que Rodrigo estava subindo, meu coração veio à boca. Me senti gelada da cabeça aos pés e o ar parecia que me abandonaria a qualquer momento. Ouvi batidas na porta e então me encaminhei até ela. Quando a abri, Rodrigo me encarou e eu me senti mais aliviada por ver que eu não era a única pessoa nervosa ali. Dei passagem para que ele entrasse e ele logo o fez, sentando-se no sofá. Também me sentei e num primeiro momento ficamos a nos encarar, cada um travando uma luta dentro de si para dizer algo, mas as palavras pareciam não querer sair de nossas bocas.

- Durante o tempo em que eu fiquei em BH eu pensei bastante sobre o que aconteceu com a gente. E não vou negar que me sinto um pouco confuso até agora. – Rodrigo iniciou a conversa, e ao ouvir suas palavras, percebi que ele se sentia da mesma forma que eu.

- Eu também pensei. E eu também me sinto confusa. – confessei enquanto ele me olhava sem sequer piscar.

- Naquela noite eu tomei dimensão do quanto eu ia sentir sua falta. Foi por isso que eu te beijei. Eu queria levar uma lembrança sua. – ele começou a falar, me deixando surpresa. – E quando você me correspondeu, foi como se eu revivesse aquela noite do barzinho. Acho que de certa forma isso tinha ficado mal resolvido entre nós e embora tivéssemos feito as pazes, ficar pensando em como aquela noite poderia ter sido diferente se não tivesse havido aquele mal entendido, era algo fixo nos meus pensamentos. E aí quando você me beijou mais uma vez e quando nós entramos aqui, foi como se estivéssemos nos dando uma nova chance. Você consegue me entender? Eu não sei se eu tô sendo claro o suficiente. Meus pensamentos estão confusos…

- Eu entendo o que você quer dizer. – eu o interrompi. – Eu não sei o que me deu, de verdade. Talvez tenha sido isso mesmo que você falou. Talvez tenhamos tentado reviver um pouco daquela noite, dando um fim diferente a ela.

- Eu realmente não sei bem o que houve Ju. – ele me disse e eu via sinceridade em suas palavras. – Eu só sei que foi bom. Bom demais. E eu não me arrependo. E eu não sei o que você pensa quanto a isso, mas eu não queria que isso nos afetasse negativamente. Eu não quero te perder. Somos amigos ainda, não somos? – ele me perguntou e eu acabei sorrindo pela forma angustiada que ele me perguntava aquilo.

- Nossas conversas durante essas semanas que você ficou fora não foram suficientes pra você ver que eu também não quero perder sua amizade? – eu perguntei rindo e ele suspirou aliviado. – Mas confesso que ainda é um pouco estranho pra mim, sabe. Quando eu olho pra você eu lembro de tudo e…

- É, eu sei. – ele disse, completando meu pensamento. – É errado eu continuar pensando nisso todos os dias? – corei quando o ouvi me perguntar.

- Não sei. Foi tão bom pra você quanto foi pra mim também. – confidenciei e vi ele dar um pequeno sorriso convencido. – Você acha que podemos passar por cima disso? Continuar de onde paramos e esquecer? – sugeri e o vi me encarar por alguns segundos, com a expressão pensativa.

- Aí que está o problema. Eu não sei se consigo esquecer. Nem sei se eu quero. – ele voltou a falar, me olhou de forma intensa e meu coração acelerou diante de suas palavras. – Nem posso negar que eu faria tudo de novo se tivesse a chance.

- Rodrigo…

- Desculpa, Ju. – ele disse se aproximando mais de mim. – Eu sei que somos amigos e que estamos conseguindo construir uma boa relação, e eu juro que não quero estragar isso. Mas não posso te prometer que não vou te desejar, que não vou sentir vontade de te beijar.

- Não dificulta. – pedi com a voz falha. – A gente não devia misturar as coisas. – disse e ele ficou me encarando, acho que esperava que eu ainda falasse algo. – Foi ótimo, mas não vai acontecer de novo. Somos amigos.

Rodrigo pareceu se conformar e eu agradeci por isso. Ele então mudou de assunto e fiquei mais aliviada. Ele me contou sobre o trabalho e eu sobre a faculdade e a visita dos meus pais. O clima voltou a ser agradável e eu estava feliz por conseguirmos ter tido uma conversa franca. A noite já havia chegado quando Rodrigo resolveu ir embora.

- Acho melhor eu voltar pra casa. Talvez a minha mãe precise de ajuda pra arrumar as coisas dela no apartamento. – ele disse e eu apenas assenti.

- Te levo até a porta. – respondi quando ele se levantou e então nos encaminhamos pra lá.

- Foi bom conversar com você, resolver tudo isso. – ele disse e eu sorri concordando. – A gente se vê. Se cuida. – ele disse e então me abraçou de maneira forte e eu pus meus braços em volta de seu pescoço.

Senti a respiração profunda de Rodrigo em meu pescoço, e só então notei que ele estava sentindo meu cheiro. Me arrepiei com a sensação e estremeci ainda mais quando ele depositou um beijo ali. Eu puxei seus cabelos e ele tirou o rosto dali para olhar em meus olhos. O desejo que encontrei em seu olhar foi demais pra mim. Rodrigo não estava facilitando. Parecia que queria me ver rendida. E se ele continuasse insistindo, eu não duvidava que me venceria.

- Acho melhor você ir, Rodrigo. – pedi, mas minha voz não foi nada convincente.

E ele se aproveitou da incerteza em minhas palavras para encurtar ainda mais nossa pequena distância e me beijar. Sua boca atacou a minha antes que eu pudesse impedí-lo, e quando sua língua pediu passagem, eu já não queria resistir. Me agarrei a ele e correspondi ao beijo, deixando que nossas línguas se reencontrassem, que nossos corações batessem juntos de forma desenfreada. Deixei que a vontade e a saudade falassem mais alto.

- Acho que temos que repensar certas decisões depois. – Rodrigo dizia com a boca encostada na minha, mordendo meu lábio inferior.

- Maldito seja. – reclamei e ele apenas riu de mim, não se importando e me impulsionando para que eu envolvesse minhas pernas em seu quadril, se encaminhando comigo em direção ao meu quarto, lugar esse que ele já conhecia muito bem.

______________________________________________________

Beijos, beijos, beijos. Espero que gostem!

Mari.