(de)absolve

The Dress

I thought Emma’s wardrobe couldn’t possible be worse than that horrid black shirt with the embroidered flowers but, dear God, I was wrong. So, so wrong. No one has been less right in the history of ever. Emma’s wedding dress is… I mean, it’s… 

What.

The.

Fuck.

For what I have read I can safely absolve Eduardo de Castro… it seems to have been JMo’s idea to badly rip-off Grace Kelly’s dress (with LESS transparencies and a row of ugly pearl buttons because WHY NOT at this point) and add a lace, doily-like coif to it to cement how much older and worn out Emma looks and how miles away she’s from the sleek, clean and edgy look of Season 1. And nothing says “positive character development!” like a tight, severe chignon and a pinched sort of make-up look so we can appreciate what true love has done for Emma Swan.

Seriously, what were they thinking? This is JMo, almost EVERYTHING LOOKS GOOD ON HER. Put her in a modern-looking, structured ballgown and you’ll get a great blend of “fairytale princess” and “powerful modern woman”. Or blend a modern silhouette with a dreamy hairstyle that brings back Emma’s amazing princess curls, or a loose braided hairstyle and a small tiara. There was SUCH potential, HOW DO YOU FUCK IT UP?

And don’t come here with “you just hate Emma Swan”. It is true, I deeply dislike THIS Emma Swan, but even CSers and other Emma fans, who still like her, are calling bullshit on this dress. It’s… so not Emma Swan. It’s the polar opposite of Emma Swan. It’s as unlikely of her as having the big wedding full of people she likely barely knows, which it seems is ALSO happening.

I’m just… it’s such a thorough screw-up. I’m a bit impressed, actually.

Ode aos que questionam

Se entregue ao poema maldito

Pois se da lança de longino, surgiu santo então

De um rascunho mal escrito

Haverá escolha entre queda e ascensão


Ave lucífer, Rei dos caídos

Figura de morte e corrupção

Ídolo dos questionadores e proscritos

Aquele que não sucumbiu a adoração


Se te vires numa esquina

Acenda-te um cigarro e pense

Se na frieza vespertina

Não é ele que acontece




se dos vícios humanos

lotares seu bornal

Sua alma repousará em prantos

Em solidão infernal


Do mais lindo ser

o crime primal: questionar!

Sem chance de se absolver

Como este poeta, que esquece de em quartas, rimar!


Se nas frias carnes de um cadáver ele tocar

Virá logo a apodrecer

Pois o erro de pensar

Causa o fenecer!


 

Não há no paraíso,

Alma que questione

Aquele que possuí juízo

Nunca saí incólume


Se na terra se faz sábio

Ele será seu patrono

Se és dono do provérbio

Não sentará ao lado do trono


Estrela que ilumina

Demônio alado

Anda ao lado do ser que brilha

É pelas bocas, maltratado


Primeira figura de rebeldia

Cruel guia dos solitários

Aos que em terra aproveitam a estadia

Saem de conhecimento milionários


Mas aos que aspiram ao trono do céu

Se mantenha em terra calado!

pois facilmente se torna réu

aquele de conhecer apropriado


Ave lucífer, rei dos caídos

Pelas pessoas, preterido

Figura dos cultos

Patrono dos oprimidos

 

Me dirão obscuro

Como quem versa para morte

Mas o que faço em tom duro

Talvez mudará sua sorte.


És incerto o pós vida

E vida aqui, só tens uma

Aproveite a corrida

Ou farás rir quem te exuma


Se na taça de crânio, como Byron beber

Esqueça-te a sociedade

Pois aquele que perceber

Nunca te olhará com igualdade


Os ignorantes seguem o rumo

Buscam a normalidade

Em cristo vem o resumo

Da sua crueldade


Pois igrejas santas perseguiram

Aqueles que transcenderam

Conhecimentos destruíram

Aqueles que não obedeceram


Dito isso é de praxe

Se segues o conhecimento

É de pronto que relaxe

Pois é parte de Lúcifer, acoplamento.

 

Acalma-se!

Fume um cigarro

É da antítese

Todo significado


Este autor, ateu

A todo divino renuncia

Pois o poeta subverteu

O maldito em rebeldia


Não creio na metafisica

Creio no poder,

Na poesia analgésica

Dos que possuem o saber.


Assustasse com o oculto

Pense nos que julgou mal

Por deter saber culto

Crucificas-te sem igual


O que parece insano

Brilhante pode ser

Se continuares arcano

Anda, mas é cadáver…



Vitor Viveiros

7 de Julho de 2017.

Ah, se eu pudesse voltar no tempo. Concertava meu passado. Reconstruiria meu presente. Faria tudo diferente. Pois me arrependo sim. De tudo o que fiz errado. E se eu pudesse mudar, é claro que eu mudaria. Não tem essa de “esta tudo bem, estou feliz, não me importo com o passado”. Não vem me dizer esses velhos clichês, porque no fundo todo mundo gostaria de absolver um erro. Todo mundo cometeu um erro que gostaria de apagar. Não existe esse, que não tenha arrependimentos.
—  Sarah Esquivel