顔汗

tem uma hora da vida que a gente cansa de se entregar, se envolver. que por mais que apareçam algumas pessoas legais, tudo o que passamos, nos faz ser mais seletivos, não é qualquer alma que combina, não basta ter um cabelo bonito, ou então ser do signo desejado, as palavras fofas não convencem mais, e para adentrar em nossos corações a pessoa precisa realmente ser verdadeira, estar em sintonia. 

a vida nos torna exigentes, porque o coração cansa de apanhar. 

Não deixe para perceber que me ama quando eu estiver partindo.
—  Beatriz Nascimento

(( ☥ ))  —— Do lado de fora do local onde os mais jovens e herdeiros celebravam, Tutankhamen fumava seu cigarro e pensava na vida. Havia parado na frente da entrada, perguntando-se se realmente deveria entrar lá ou não, e, logo, concluiu que não. No entanto, não foi embora pois acredita que há um jeito de tirar seu sustento dos jovens príncipes e princesas. Desde que fugiu para os Estados Unidos, passou a se envolver com negócios de drogas – desde seus empreendimentos no Bronx até, hoje em dia, em Avalon. Quando viu o outro se aproximar, se encolheu contra a parede e encarou o chão, demonstrando seu desconforto. Elx vai lhe ajudar a pagar as contas, pensou, calma, Tutankhamen. No entanto, sua língua não foi controlada, ele falou logo o que estava pensando. Vá embora., disse, colocando o cigarro de volta na boca.  A não ser que esteja a procura de coisas que eles não tem lá dentro., tentou se corrigir. 

James encontrava-se deitado nos jardins que juntavam Hogwarts e o Institute, lendo tranquilamente a seção de Quadribol presente no Profeta Diário. Os jogos logo começariam e, por isso, várias informações novas chegavam a todo momento. Sentindo a presença de alguém próximo a si, levantou sua cabeça, apertando os olhos que estranhavam a luz forte do sol.  —– Quer ler o resto do jornal? Eu só estou vendo essa parte, mesmo.

Não é sobre ter todas as pessoas do mundo pra si, é sobre saber que em algum lugar alguém zela por ti. É sobre cantar e poder escutar mais do que a própria voz, é sobre dançar na chuva de vida que caí sobre nós. É saber se sentir infinito num universo tão vasto e bonito, é saber sonhar e então fazer valer a pena daquele verso daquele poema sobre acreditar. Não é sobre chegar no topo do mundo e saber que venceu, é sobre escalar e sentir que o caminho te fortaleceu. É sobre ser amigo e também ter morada em outros corações e assim ter amigos contigo em todas as situações. A gente não poder ter tudo. Qual seria a graça do mundo se fosse assim? Por isso eu prefiro sorrisos e os presentes que a vida trouxe pra perto de mim. Não é sobre tudo que o seu dinheiro é capaz de comprar e assim sobre cada momento sorrindo a compartilhar, também não é sobre correr contra o tempo pra ter sempre mais. Porque quando menos se espera a vida já ficou pra trás. Segura teu filho no colo. Sorria e abrace teus pais enquanto estão aqui. Que a vida é trem-bala, parceiro e a gente é só passageiro prestes a partir.
—  Ana Vilela.