Índia

Por isso gosto de crianças, são sinceras, o que tiver de falar, fala na sua cara, se não gosta de você nem aproxima, e se gosta faz de tudo pra te ver sorrir. O abraço para elas é o maior presente. Se vê você mal, trata logo de te fazer sorrir, nem que seja com uma pirraça. Também gosto dos animais, são aqueles amigos que Deus fez pra termos certeza de que ninguém é melhor que ninguém, ele não sai do seu lado, não te julga, não te abandona, não te aponta o dedo, aliás, a pata. Se você chora ele trata de ir te chamar pra brincar. Você sendo rico, podre, negro, branco, seja lá quem você for ele não vai se importar, pois a intenção é apenas te ver bem. Por isso gosto dos bichos e das crianças, são seres que não te usa como escada e sim como refúgio.

🌸

As Quatro Leis da Espiritualidade Ensinadas na Índia

External image

A primeira lei diz: “A pessoa que vem é a pessoa certa”.

Ninguém entra em nossas vidas por acaso. Todas as pessoas ao nosso redor, interagindo com a gente, têm algo para nos fazer aprender e avançar em cada situação.

A segunda lei diz: “Aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido”.

Nada, absolutamente nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe. Não há nenhum “se eu tivesse feito tal coisa…” ou “aconteceu que um outro…”. Não. O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido, e foi para aprendermos a lição e seguirmos em frente. Todas e cada uma das situações que acontecem em nossas vidas são perfeitas.

A terceira lei diz: “Toda vez que você iniciar é o momento certo”.

Tudo começa na hora certa, nem antes, nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, é que as coisas acontecem.

E a quarta e última lei afirma: “Quando algo termina, ele termina”.

Simplesmente assim. Se algo acabou em nossas vidas é para a nossa evolução. Por isso, é melhor sair, ir em frente e se enriquecer com a experiência. Não é por acaso que estamos lendo este texto agora. Se ele vem à nossa vida hoje, é porque estamos preparados para entender que nenhum floco de neve cai no lugar errado.