vazzoler

História de suspense sem nome.

     Já havia anoitecido. Daniel terminava de escovar seus dentes enquanto sua mãe dava boa noite para seus irmãos já deitados. Era o mais velho dos irmãos, e portanto tinha o direito de ficar meia hora a mais acordado. Luizi foi ao encontro dele na sala e o aconselhou a ir dormir, pois precisava estar bem disposto, afinal, o dia seguinte seria um dia importante. Daniel assentiu com a cabeça, a deu um beijo na bochecha e foi dormir. Precisava estar descansado para aquele grande dia.

    Alarme. 06:47 da manhã. Olhos abertos. Escuridão. Nenhum sinal de luz. Daniel se levanta sem quase conseguir enxergar absolutamente nada em seu quarto. Uma sensação de como se estivesse quase cego. Olha para onde a janela do quarto fica, coberta por uma cortina que sempre deixa escapar feixes de luz pelos cantos. Nenhum sinal de luz. Estranhando a situação, Daniel se levanta e quase tropeça em seus sapatos. Vai até a janela, ainda com sono, e abre a cortina. Escuridão. Olha para o despertador em seu quarto, a única fonte de luz, mesmo que mísera. 06:50. Impossível.

     Atravessou seu quarto e abriu a porta. Do corredor, o máximo que podia ouvir era sua respiração ofegante. Estava muito nervoso. Imaginou que todos ainda estavam dormindo, embora achasse isso estranho porque sua mãe sempre era a primeira a acordar na casa. Foi até a porta do quarto da mãe, andando cautelosamente por aquela escuridão total. Estava assustado. Nervoso. Preocupado… Achou a maçaneta da porta através do tato. Girou-a lentamente. Um rangido, e a porta estava aberta. Deu o primeiro passo dentro do quarto, e para sua sorte sua mãe também deixava um despertador no quarto, então havia uma luz muito fraca, que o possibilitou de ver algo que o deixou extremamente tenso. A cama de sua mãe estava forrada e perfeitamente arrumada, com uma boa camada de poeira por cima, como se ninguém houvesse deitado ali a muito tempo. Em cima da cama havia um papel dobrado, com algo escrito em cima. Daniel foi até a cama e pegou o papel, balançando-o para tirar a poeira que nele havia. Chegou bem perto da luz do despertador e pode ler escrito no papel. “Para Daniel”.

     ’‘Dan, meu caro filho. Você provavelmente não está entendendo nada do que está acontecendo, então deixe eu te explicar. Me perdoe, filho. Era minha única opção… Você deve estar imaginando que hoje é dia 30 de Março, dia do seu aniversário, certo? Bem, na verdade, provavelmente seu aniversário já passou a mais de uma semana, quem sabe duas… Enquanto você dormia eu injetei em você uma droga que te deixou em coma por vários dias, mas como o efeito não tem duração exata, imagino que tenha acordado agora depois de uma ou duas semanas. Tempo suficiente para eu fugir com seus irmãos para outro país… Me escute, Dan. Nossa família estava amaldiçoada. Se eu deixasse as coisas como estavam, em poucos dias iriamos começar a adoecer, e em meses, morrer. Todos nós. Você não ia querer isso para sua família, certo, filho?“

     Daniel teve a impressão de ter ouvido um barulho de porta sendo aberta na cozinha, porém seu estado de choque só lhe permitiu a continuar lendo o bilhete até o fim.

     ’'Só havia um jeito de parar isso… Um sacrifício. Algum membro da família tinha que ser sacrificado para que os outros sobrevivessem. Eu passei noites e noites acordada pensando nisso, Dan… Se eu me sacrificasse, quem iria cuidar do John e da Julia? Além do mais, sei que você nunca aceitaria eu fazer isso, e acabaria só causando mais problemas com a maldição… Foi o único jeito, Dan… As janelas estão todas tampadas por um filme preto e vedadas, e a porta da frente trancada, por isso essa escuridão que deve ter estranhado. Nunca irei me perdoar por isso, filho, mas foi a minha única opção… tente me entender, por favor. Eu te amo. Me perdoe…

                                                                                                                                                                                           Ass: Mamãe.”

     Daniel sentiu um frio subir por sua espinha. Uma lágrima escorreu pelo seu rosto caindo no bilhete, e, engolindo toda a raiva e ódio que sentia no momento, murmurou: “Eu também te amo, mãe”. Ouviu um barulho logo atrás de si, e já sabendo o que o esperava, se virou.

     O bilhete caiu no chão.

3

Stars are Born

Model: Aline Barater, Amanda Faria, Amanda Queiroz, Bruna Petzke, Camila Costa, Edmara Leite, Géssica Welter, Giovanna Bichels, Helly, Isadora Juaréz, Isadora Machado, Izabela de Deus, Juliana Bernardino, Laura MirandaLavinia Stein, Leticia Kaneko, Lisa Bruning, Marie Vazzoler, Natalia Akemi, Natalia Moreira, Raquel Bandeira, Thainá, Taila Berwig, Viviane Demattei and Yana Raniere
Ph: Land+Hugo

Occhio alla penna (1981)

Occhio alla penna (1981)

Movie: Occhio alla penna

  • Director: Michele Lupo
  • Stars: Alessandra Vazzoler, Amidou, Andrea Heuer, Angelo Boscariol, Angelo Ragusa, Anna Maria Perego, Arnaldo Dell’Acqua, Benito Pacifico, Bruno Di Luia, Bud Spencer, Carlo Reali, Cesare Nizzica, Ettore Martini, Filippo Perego, Francesco Anniballi, Fulvio Mingozzi, Gennarino Pappagalli, Giovanni Cianfriglia, Joe Bugner, Lina Franchi, Lionello Pio…

View On WordPress