textosmlr

‎" JOANA, 17 ANOS.” – A VOZ DO LOCUTOR DISSE. A LISTA DAS VÍTIMAS ESTAVA SENDO LIDA EM ORDEM ALFABÉTICA PARA QUEM QUISESSE OUVIR. NA PORTA DA BOATE. ONTEM, DIA 27 DE JANEIRO, ELA HAVIA COMPRADO OS INGRESSOS PARA IR JUNTO COM OS AMIGOS À FESTA QUE SERIA A PRIMEIRA DO ANO O PAI PROIBIU, “AQUELE LUGAR NÃO É SEGURO, FILHA” MAS ELA FOI, AFINAL NÃO TINHA NADA A PERDER. COLOCOU O MELHOR VESTIDO, SE MAQUIOU, CALÇOU O SALTO 15 E PENTEOU OS CABELOS LONGOS. O PAI A LEVOU E FICOU ESPERANDO NA PORTA. NÃO QUERIA SAIR DE LÁ. JÁ TINHA UM MAL PRESSENTIMENTO. ÀS DUAS DA MANHÃ O TUMULTO COMEÇOU. FUMAÇA, GRITOS, CONFUSÃO. O PAI SAIU DO CARRO ÀS PRESSAS E FOI BARRADO NA PORTA AO QUERER SABER O QUE ESTAVA ACONTECENDO. “NINGUÉM ENTRA SEM PAGAR” O SEGURANÇA FALOU. “MINHA FILHA ESTÁ AI, QUERO SABER O QUE ESTÁ ACONTECENDO!” “NÃO ESTÁ ACONTECENDO NADA, SENHOR. AS COMANDAS SERÃO PAGAS E LOGO, LOGO, ELA VAI PODER SAIR”. DA PORTA, O PAI VIU O ESPELHAR DO VESTIDO DE LANTEJOULAS DA FILHA. A VOZ DELA GRITANDO QUE PRECISAVA SAIR E SÓ SE OUVIA “SE NÃO PAGAR, NÃO SAI!” “MOÇO, TUDO ESTÁ PEGANDO FOGO, O SENHOR QUER ME COBRAR?” DE FORA, O PAI BERRAVA TENTANDO QUE A MENINA ESCUTASSE, E NADA. MINUTOS DEPOIS, A VOZ DELA SE CALOU EM MEIO AOS GRITOS. OS CABELOS CLAROS CAÍRAM. A FESTA PAROU, A MÚSICA TINHA ACABADO. OS CELULARES COMEÇARAM A TOCAR, O CELULAR DE JOANA TOCAVA SEM PARAR. ERA O PAI QUE LIGAVA, DESESPERADO. “VOCÊS NÃO ME DEIXARAM SALVAR A MINHA FILHA! VOCÊS MATARAM ELA!” ELE GRITAVA COM OS SEGURANÇAS. O ROSTO DA MENINA, APAGADO, ESTAVA DENTRO DA BOATE, MISTURADO COM OUTROS. OS FAMILIARES COMEÇARAM A CHEGAR, AS LAGRIMAS, OS GRITOS, AS PESSOAS MORTAS E OS CELULARES TOCANDO EM SEUS BOLSOS. AS PORTAS SE ABRIRAM E O PAI ENTROU APAVORADO, PUXANDO JOANA PARA FORA. ELA JÁ HAVIA MORRIDO, NÃO QUEIMADA, MAS INTOXICADA SEU ROSTO ESTAVA PERFEITO, DOCE E ANGELICAL. A MAQUIAGEM AINDA BRILHAVA. O PAI CHORAVA, E NÃO DESGRUDOU DO CORPO DA FILHA. A BOLSA DA MENINA ESTAVA ABERTA, O CELULAR TOCAVA, E ERA A MÃE. “ELA MORREU” O PAI DISSE E OS DOIS CHORARAM PELO TELEFONE. PELA MANHÃ, OS CORPOS FORAM IDENTIFICADOS E JOANA FOI ENTERRADA. A DOR QUE PODERIA TER SIDO POUPADA SE ELA TIVESSE ESCUTADO O PAI, VIROU SOLIDARIEDADE COM AS FAMÍLIAS QUE PASSAVAM PELA MESMA SITUAÇÃO. NA BOLSA DE JOANA FORAM ENCONTRADOS O CELULAR, SEUS DOCUMENTOS E UM PAPEL QUE DIZIA “PAPAI E MAMÃE TE AMAM, PRA SEMPRE.” E JOANA SE FOI."
Cinco, quatro, três, dois, um... e nada; cinco, dez, 15 minutos depois... eis que se ouvem os primeiros acordes. Chegou a hora. Exatamente às 18h02, uma cápsula multicolorida emerge do palco. Um brinde ao nosso amor, um salve pro destino, gostei demais quando você chegou sorrindo... Os versos de Um Brinde ao Nosso Amor cantados em uníssono por 20 mil pessoas. A Arena Maeda, em Itu, interior de São Paulo, tradicional palco de festivais alternativos de música, como o SWU, se rende ao sertanejo universitário. Mas, espera, faltou algo. Volta tudo. Corre o cantor, a cápsula desaparece, apagam as luzes. Pronto. Agora. Chegou a hora. Exatamente às 18h07, uma cápsula multicolorida emerge do palco... e o céu se ilumina! Fogos de artifício vestem de dourado o espaço onde chovem papeis picados. Entre risos, lágrimas e a mais completa histeria, Luan Santana gravou, no último domingo (7), seu terceiro DVD, que será lançado em novembro. Naquele clima de gravação mesmo, para, volta, ensaia com os fãs, troca de roupa. Transforma planos em sonhos e apresenta ao público a nova cara da música sertaneja, que não dispensa a moda de viola e brinca de rave com a força da batida eletrônica.

eh orgulho !

Enquanto você xinga ele, vários o elogiam. Enquanto você o odeia, vários amam ele. Enquanto você fica fazendo comunidades de ódio contra ele, ele está vivendo a vida e curtindo-a. Enquanto você zoa ele, ele saiu com os amigos e deu várias gargalhadas. Enquanto você faz comentários anti ele, ele encanta os outros com sua voz e com seu afeto. enquanto você faz o que for para prejudicá-lo, a cada segunda da vida dele, ele ganha mais fãs. Então eu sugiro que você nem tente passar por cima do Luan, porque você sabe que você vai cair no final. E se você tentar, eu vou adorar ver você cair. (autor desconhecido)

''Festa bonita, festa bacana não é? Olha só quanta gente, a iluminação tá demais e a banda está realmente um show. Não sou da área vip, afinal nem gosto disso, prefiro ficar aqui na frente, junto com o povão, perto do palco, sempre foi o melhor lugar pra mim. Mas de repente, em questão de segundos, começaram a gritar e eu sem entender nada comecei a gritar também, no começo pensei ser apenas um alvoroço de um grupo de amigos ou até mesmo uma briga, mas quando olhei pra cima, vi que tinha fogo, e não parecia fazer parte da apresentação pirotécnica. Quando me dei conta, estava ali sozinha, minhas amigas já não estavam do meu lado, e então toda aquela alegria de antes se transformava em euforia e medo. Naquele momento, toda minha vaidade se perdeu, sem se importar com nada, tirei o salto, perdi minha bolsa, e sai como uma louca em direção à porta que entrei. Mas acontece que era praticamente impossível passar por la, tinha tanta gente, e cada vez mais a fumaça tomava conta do local, tudo tava tão nebulado que resolvi tentar outra saída. Nesse momento já era possível ver pessoas caídas, deviam estar desmaiadas somente, devido a fumaça, era a minha mais ingênua esperança. Corri para um corredor junto com outras pessoas que pensavam o mesmo que eu, tinha que ter uma saída ali, era minha ultima chance, não havia mais o que se fazer. Ainda sem saber aonde estava, escutava gritos ensurdecedores que cada vez chegavam mais perto, mas as chamas não estavam ali, pensei estar segura. Mas aquela sala que antes tinha somente algumas pessoas ficou lotada e a fumaça começou a entrar. Queria sair dali mas não dava, fiz o que sempre fazia quando estava com medo, não ria de mim, mas eu liguei pra minha mãe. Não escutava nada do que ela dizia, mas eu tentava aos berros dizer pra ela vim me ajudar, que me tirasse dali, como se ela fosse uma super-heroína que viesse voando me salvar. Já estava praticamente impossível de enxergar algo e a respiração ficava abafada. Lembro de ter dito EU TE AMO para minha mãe antes de desligar o telefone, se é que cheguei a desliga-lo. Como num passe de mágica, tudo começou a se acalmar, os gritos ficaram mais baixos e inaudíveis, meu corpo já não sentia dor nem medo, fiquei paralisada e apenas fechei os olhos, como se fosse dormir. Acho que nesse momento eu morri, não sei descrever a morte, mas em meio à tanto tormento, ela foi uma calmaria, sei que nem sempre é assim, mas comigo foi. Em um dia aparentemente normal, aonde só queria me divertir, com todos os planos pela frente e com o futuro ao meu alcance, tudo pode acontecer.''

Quer mesmo saber? Eu vi em você, tudo que eu procurava em alguém e não encontrei. Seu sorriso, seu olhar, sua voz, seu jeito. Eu demorei pra te encontrar, e quando eu te encontrei, descobri que minhas chances de ter, são mínimas. Mas ainda assim, te amo incondicionalmente. (AD)