O que é um abraço para você ? Um abraço pode significar um ” oi ” descompromissado, um comprimento entre bons amigos. Pode significar a comemoração por uma vitória, ou o consolo por uma derrota. Pode significar um ” obrigado por estar aqui ” ou um ” eu te amo ” em linguagem corporal. Um abraço pode significar muitas coisas. As vezes, um abraço é tudo o que precisamos no fim de um longo dia.

- por sérgio thomaz .

Eu escrevo como se fosse procurar um abrigo. Escrevo para desabafar e confessar. Escrevo pra aliviar as dores e, ao mesmo tempo, cutucar uma a uma. Escrevo para tampar o buraco desse vazio que eu carrego. Eu escrevo pra refletir e imaginar, criando mundos dentro de minha mente que se assemelha a uma galáxia repleta de buracos-negros. Quando a boca não fala e os olhos encontram o chão, eu escrevo para me desculpar, em busca de uma auto-redenção. Escrevo para sorrir e chorar. Escrevo para iludir a mim mesmo e perder toda essa minha lucidez, gota por gota. Escrevo planos e sonhos. Alegrias e amores. Mistérios e horrores. Eu escrevo pra buscar uma fuga momentânea de uma realidade complexa. Escrevo para, quem sabe, me achar no meio desse oceano de palavras que traduzem alma, mente e coração.

Sérgio Thomaz (PensamentosDesconexos) e João Amaral (desertofrio)

Atrás da porta, as contas se acumulavam. A televisão não era desligada há três dias e a pilha de louça sobre a pia só crescia. A campainha era tocada várias vezes, mas a porta não se abria mais. Ele estava infeliz. Semana após semana, ele viu o que chamava de felicidade sumir por entre os espaços de seus dedos. Esse espaço era preenchido pelo seu anjo que naquela manhã de domingo decidiu que sua vida deveria tomar outro rumo, e ele não estava nos planos. O seu anjo foi quem utilizou pela última vez aquela porta, que desde então, não se abriu mais. Ele se trancou em seu mundo e jogou a chave pela janela, não tendo assim escapatória nenhuma. Naquele conjugado não entrava o vento, não entrava o sol, não entrava a renovação. Com isso, não saía dor, não saía tristeza, não saía aquela angústia de ver que sua vida estava sendo acumulada por desespero e auto-reprovação. Noites e manhãs se fundiram, pois seus olhos não ousavam fechar. Tinha medo que se apaixonasse pela escuridão e poderia querer viver em seus braços. Noites e manhãs se passavam e ele buscava respostas para perguntas difíceis. Até que percebeu que não estava encontrando as respostas, pois estava fazendo, para si mesmo, as perguntas erradas. “Por que meu anjo voou para longe de mim?”. “O que eu fiz de errado todo esse tempo?”. Essas eram as perguntas que mais martelavam sua mente. Ele refletiu e chegou a conclusão que devia achar as respostas para “Por que estou sofrendo por alguém que não merece?”, “Por que estou limitando minha vida, enquanto quem fazia parte dela está sorrindo ao lado de outro alguém?”. Com tantas perguntas, tantas trancas sem chaves, essa angústia de não andar nem para frente e nem para traz o estava fazendo afundar na depressão amarga de uma vida deixada por outro ser. Em tempo acordou. A resposta de seus questionamentos e sentimentos, que o estava levando a beira do precipício mental, estava nessa vida, que ele não estava vivendo como deveria. Deveria aproveitar cada minuto de algo que ninguém poderia tirar dele que era a alegria de viver. Por muito tempo ele viveu outra vida, uma vida que não era dele, que nunca o pertenceu. Doou-se por completo para um anjo. Doou-se para fazer feliz a vida do outro. O outro? Um anjo, o anjo dele, mas anjo, até lúcifer é considerado um.
—  Alexandre (nãodigite) & Sérgio Thomaz (PensamentosDesconexos)

Pela janela, enquanto preparava algum congelado para o jantar, ela ouviu uns ruídos do lado de fora e não sabia se era a chuva que aumentara ou se era ele que chegara. A porta se abriu com um estrondo fazendo com que um prato caísse no pequeno balcão. Ele entrou como um raio, derrubando suas pastas e deixando seus projetos intermináveis se espalharem pela mesa, amaldiçoou aquilo também, mas foi com uma ira instável nos olhos falar com ela na cozinha.

— Quantas vezes eu tenho que dizer pra você estacionar o carro no lado direito ou esquerdo da garagem? Nunca no meio! Nós temos espaços para dois carros, mas você consegue a proeza de lotar a garagem só com seu carro. Olha a chuva que você fez eu pegar por estacionar o carro na rua!

— Nossa, oi pra tu também, dia estressante é? Desculpe se sou dona dessas proezas, mas já disse que não sou muito boa na baliza, tu sabe, já falei em aumentar a garagem… 

— Aumentar a garagem? Você já me fez comprar uma cama maior, falou em comprar um closet maior e uma tv maior. Agora a garagem também? É mais fácil você aprender a dirigir não acha?

— Mas o que aconteceu contigo hoje? A cama maior tu mesmo concordou comigo, vai me dizer que não gostou?

— Claro que gostei, eu posso dormir melhor sem você tentar me derrubar da cama por ser tão espaçosa.

— Falou o DVD da cama né?

— Já falei pra tu não usar essas gírias comigo. O que seria DVD?

— Deita, vira e dorme. — Um pano de prato é jogado na cara do marido revoltado.

— Você com certeza está aprendendo essas gírias moderninas nas fofocas daquele salão de beleza. A propósito, eu não gosto das suas amigas. Elas só sabem falar da vida dos outros. Enquanto os maridos as traem. Eu sei disso porque sou amigo deles.

— É? Já que está tão cheio de razão em relação as minhas amizades, o que podemos falar das tuas? Já que tu mesmo sabe que os “maridos” traem e blá blá blá - Ela imita a voz séria dele e começa a andar de um lado para o outro da cozinha - Tu trai também? Seus atrasos significam algo que eu deva me preocupar?

Por um instante a casa fica em silêncio, os dois se olham com tamanha intensidade parecendo conter as próprias respirações, ouvindo apenas o barulho da chuva lá fora e de um trovão que quebrou o silêncio entre eles… Com um suspiro ele dá a volta pela mesa chegando ao lado dela junto do balcão.

— Minhas amizades não definem quem eu sou. A única coisa que me define é tudo o que sinto por você. Desdo nosso primeiro beijo, eu sabia que você me pertencia e eu pertencia a você. Meus atrasos se devem a dedicação ao trabalho, para poder lhe dar tudo o que você pedir e ousar sonhar. Algo que possa ser equivalente a tudo o que você é e significa para mim. Todos esses seus erros e “proezas” que me fazem ficar apaixonado por você todas as manhãs de sol e todas as manhãs de chuva…

— Onde está o cara estressado que chegou aqui quase me jogando pela janela por eu não saber fazer uma bendita baliza?

— Eu faço uma declaração pra você e é isso que eu ganho?

De canto ela sorri, maliciosa, pensa em retrucar algo, mas ao ver ele sorrir também, a resposta que ela estava na ponta da língua se desfez. Ela puxa ele de leve pela camisa e ao beijar o canto da sua boca, sentiu o gosto da chuva que ele pegou por culpa da bendita baliza que ela errava por errar, sentiu um pequeno arrepio e um tal sentimento de culpa por ele ainda estar gelado e pelo tempo realmente estar frio lá fora. Mas quando ela beijou a ponta da sua orelha o mordeu, e sussurrou com um riso abafado:

— D-V-D

— DVD sim! Vou fazer você Deitar na cama, Virar seus olhos de tanto prazer, fazer carinho em sua nuca e lhe fazer Dormir depois de uma noite exaustiva e quente, apesar do frio e da chuva.

Dito isso ele a puxa pela cintura e a coloca em cima do pequeno balcão, onde ela entrelaça suas pernas em cima do seu quadril e o puxa como se ele pudesse ficar ainda mais perto dela. Ele desliza sua boca pelo seu pescoço, subindo pelo rosto até encontrar seus lábios e beija-la. Depois de um longo momento entre beijos e carícias, ele desliza sua mão pelas costas dela até chegar na sua coxa e parar ali… Ela encosta sua testa na dele, com a respiração meio que cortada, o olhar carregado de desejo e sorri de canto, olhando ele sorrir também, escutando a chuva diminuir lá fora e pensando em quantas vezes já haviam brigado por motivos idiotas. Ele, olhando ela sorrir, e sorrindo também, achando graça dela tentar esconder a respiração ofegante pra não demonstrar que tinha cedido pra ele, pensou no quanto gostava de a ver nervosa e teimosa daquele jeito, mesmo deixando ele completamente louco, na maioria das vezes. Mas ele gostava de se sentir assim. Era uma loucura cuja qual ele não queria encontrar a cura jamais. Amar aquela mulher do jeito que ele amava, era completamente fora do normal. (…) Lá fora, um leve clarão entrou pela janela e mostrou a eles que já estava anoitecendo e que alguém deveria de ir acender a luz da cozinha. Ela dá um último beijo, não tão intenso quanto o dele e diz:

— Acho que alguém vai ter que acender a luz, sabe?

Ele não acredita no que ouve e a morde.

— Você não vai começar outra vez, vai? 

(…) 

— por tati santana e sérgio thomaz

A bagunça do meu quarto reflete por completo minha vida. Aquele amontoado de roupas no armário fechado até parece meu coração. Se eu abrir pra alguém, terei vergonha. Meu computador naquela pequena mesa assemelha-se com meu cérebro. A memória ta lotada de coisas que não prestam e ele vive travando e me deixando na mão. E ainda tem aquele chinelo em baixo da cama, que sem par não serve pra nada. Assim como eu.

- por sérgio thomaz .

Um dia resolveram me perguntar a diferença entre amor e paixão. O silêncio tomou conta de mim. Mas afinal de contas, não seria a mesma coisa? até porque estar apaixonado é a definição de amar alguém. Concluí que não era bem assim. Estar apaixonado, na minha opnião, é sentir as pernas tremerem, sentir aquele frio na barriga. É querer estar com a pessoa durante as 24 horas do dia. Envolve tesão, fogo. É aquela coisa do momento, que parece que vai consumir você vivo. Amor envolve futuro. Você não quer estar 24 horas com a pessoa, você quer estar ao lado dela pelo resto da vida. Quando se ama, você só vê o futuro ao lado de quem lhe coloca um sorriso no rosto todo dia. Estar apaixonado é fazer amor na praia. Estar amando, é andar de mãos dadas pelo parque. Paixão é querer beijar, abraçar, tocar. Amor é querer cuidar, zelar e proteger. O fogo da paixão pode apagar num piscar de olhos. Mas a força do amor, por mais clichê que isso possa parecer, resiste a qualquer coisa.

Sérgio Thomaz (PensamentosDesconexos)

Já me mataram com palavras. Já conseguiram tirar o meu sono com frases de efeito que tinha intenção de destruir meu “eu”. Sou o resumo de tudo que há de errado, pelo o que me dizem. Me julgam, me atiram pedras. No meu caso, defesa é sinônimo de mentira. O problema é que nunca procuraram me entender. Nunca procuram por algo que julgue minhas ações. Não tenho o direito de passar por momentos difíceis. Sempre que digo que algo está errado, ninguém leva fé em minhas palavras. Insistem em dizer que estou fazendo drama e que nada disso é real. Muitos tentam até controlar a maneira como eu estou me sentindo e até mesmo me dizem que tudo que passo é apenas fruto da minha imaginação e que eles estão aqui para me ajudar. Agora me diga que pessoa esta aqui para ajudar, e simplesmente te machuca com palavras e atos? Que tipo de pessoa é essa que esta aqui para ajudar, e quer controlar sua maneira de pensar e agir? As pessoas só querem saber delas mesmas e não se importam com o que os outros pensam na maioria das vezes. To procurando mudar. Estou procurando me cuidar. Tomar cuidado com o que sinto e com as pessoas que me relaciono. O problema é que eu ainda me importo muito com as outras pessoas, e nunca sobre tempo pra mim mesmo. Estou tentando mudar, mas na maioria das vezes, eu não consigo.

- por sérgio thomaz e riick geanini .

Você se tornou personagem principal dos meus sonhos. Você se tornou a peça principal dos meus planos. Planos que eu não consigo parar de fazer desde que te conheci. Não consigo parar de sonhar em ter nosso própio canto, de preferência na praia, para que nosso quintal seja a imensidão do mar azul e o sol se escondendo atrás das ondas no fim da tarde que só a palavra ‘perfeito’ descreve. Sonho com paredes decoradas de violões e pranchas de surf. Sonho com nós dois ensinando nosso filhos a fazer castelos de areia branca e fofa. Protegendo suas inocências. Sonho com nosso quarto cheio de janelas para a brisa do mar nos envolver e para que a natureza seja a única testemunha do nosso amor intenso. Sonho com um único pote e duas escovas de dente. Sonho com você. Sonho em ter você. Eu apenas sonho com nós dois sendo um único ser.

Sérgio Thomaz (PensamentosDesconexos)

Eu olho para trás e vejo os erros que cometi. Analiso minha situação agora e vejo os erros que estou cometendo. Olho para frente, visualizando meu futuro e percebo que ainda vou cometer muitos e muitos erros. Erros não significam derrotas. Erros significam que eu tentei ser alguém melhor. E são os erros que me fazem evoluir. É a partir dos erros que eu consigo me tornar um ser humano melhor.

- por sérgio thomaz .

Queria poder dizer que sou independente e auto-suficiente. Queria poder dizer que não dependo de nada e nem de ninguém para ser feliz ou me sentir realizado. Mas, infelizmente, já precisei e muito das pessoas. Muitos me julgam por eu ter essa necessidade de atenção de todos. Mas qual o problema em buscar um ombro amigo quando se precisa? Que atire a primeira pedra quem nunca precisou de algum tipo de apoio. Que atire a primeira pedra quem nunca precisou de “uma mão” para poder se levantar depois de estar desamparado no chão de uma amargura que você viria a achar que nunca teria fim. To precisando de mudança e urgente. Creio que a solução desse tipo de problema seria acabar com amizades de pessoas que dizem ” eu te avisei ” logo depois de uma decepção e cultivar amigos que digam ” me abraça que tudo vai ficar bem”. Porque quando se tem amigos assim, eu consigo ser auto-suficente. A amizade é tão grande, que eles se tornam parte de mim mesmo. Porque quando se tem amigos assim, eu posso dizer que sou feliz.

Sérgio Thomaz (PensamentosDesconexos)

Você nunca me reparou mas eu sempre fui a pessoa que te venerou. Em silêncio eu te amei. Cuidadosamente, te protegi. Te beijei, te abraçei. Na minha mente eu desenhava seus lábios nos meus e o sabor que eles podiam ter. Era doce como mel. Seu perfume era de aguçar todos os meus sentidos. Era fascinante e intrigante, assim como o cheiro de chuva num fim de tarde ensolarado. Sua risada era como um sinfonia dos mais belos acordes. Mas você nunca me notou. Penso como pode ser possível que você tenha estado no centro de minha vida por tanto tempo e nunca ter sequer notado minha presença ao seu lado. Na sua ausência minha vida perdia a cor, o perfume, os sons e todo o sentido de ser. Eu fui sua sombra, te acolhi em silêncio quando todos pareciam lhe virar as costas. Você era como uma droga para mim e eu um viciado que recusava uma reabilitação. Me perdia na beleza de sua silhueta quando os mais finos raios de sol tocavam sua tez. Eu só tive você nos meus mais insensatos sonhos. O silêncio me acompanhou, me cativou e me fez prisioneiro. Procurei mas não encontrei uma palavra sequer que fizesse jus a esse sentimento, a toda essa explosão de sensações que causas em meus pensamentos. As palavras não são dignas, então deixei que o silêncio sepultasse esses sentimentos em meu peito. Esperei, em vão, que visse em meu olhar o quanto te quis, o quanto te desejei comigo, o quanto me vi insuficiente para suprir suas vontades, suprir seu anseio de ser amada, de ser feliz. Mas toda essa minha necessidade de você passou despercebida. E cá estou eu, com uma pá em minhas mãos numa tentativa quase que frustada de soterrar essa vontade de você. E só vai caber ao tempo selar de uma vez por todas a sepultura que eu enterrei esse sentimento.

- por Sérgio Thomaz & Viviam Baddini .

As folhas secas cobrindo meu caminho anunciam a chegada do outono e você não esta mais aqui. Os parques estão cobertos por aquele tom alaranjado cobrindo o chão e que tanto se assemelha ao castanho de seus olhos. O sol poente fornece brilho ao espelho d’água daquele lago que nós tanto exploramos com barcos e pedalinhos. Quando cansavamos de remar ou pedalar, ficavamos a deriva e observavamos o céu em toda sua imensidão. Assim era nosso amor. Deitados na grama observavamos o crepúsculo e o amanhacer. Eramos duas almas fazendo o mesmo pedido a uma estrela cadente. Ficar juntos para todo o sempre. Nosso amor tinha raízes fortes como as árvores de nosso parque. E rendiam muitos frutos. (…) Outono passado, os frutos dessa árvore começaram a aprodecer. As folhas dessa árvore começaram a cair. E nós deixamos de ser os mesmos de antes, sabe lá Deus o porquê. O vento que varreu as folhas secas do nosso amor para longe, hoje bate no meu rosto e me remete ao passado, me deixando num estado de vazio profundo por não ter você ao meu lado. 

Sérgio Thomaz (PensamentosDesconexos)

youtube

The Fray - Hearbeat

Sinto que às vezes meu chão parece ser feito de vidro. Um vidro tão frágil que não iria aguentar o peso de mais uma lágrima derramada. O pior é que eu sinto vontade de derramar centenas de lágrimas. Mas, às vezes penso que se meu chão desabar, minha queda não terá fim. E não faço a menor idéia do que pode vir a acontecer comigo depois que eu cair. Será que vou conseguir me levantar? Será que alguém virá me resgatar? Não vou querer pagar pra ver. Até porque não tenho confiado muito em mim mesmo, quem dirá nos outros. Parece que além do chão, o meu coração também está frágil. Talvez ele não aguente mais uma decepção, mais um arranhão, mais um “não”. Eu sei que preciso seguir em frente, sem me preocupar com os obstáculos que a vida colocará em meu caminho, mas fica difícil seguir em frente quando tudo que se enxerga é a imensidão desconhecida. Estou caminhando, sem rumo, porém com medo. Esse chão não me parece seguro, assim como também muitas pessoas já não me pareceram. Estou acostumado a lidar com quedas, mas não tão bruscas. Não tenho muitas escolhas, então, irei continuar caminhando nesse chão frágil. Mas sempre olhando para frente, e nunca para baixo, para não me assustar com o tamanho do tombo que eu possa vir a levar.

- por Sérgio Thomaz (PensamentosDesconexos) & Marcela Jacob (HoraDeSonhar)

Eu preciso melhorar a maneira com o que eu interpreto as coisas. As vezes, nada é o que parece. E, pra mim, a história sempre acaba mal por eu ter acreditado em coisas que na verdade não eram reais.

- por sérgio thomaz .