princesinha

60° Capítulo.- além da implicância.

– Amor, tá chutando! – Rodrigo disse superemocionado. Era uma das melhores sensações que já havia sentido. Aquele pequeno serzinho movendo–se ali dentro, era simplesmente emocionante.

Todos os presentes na sala praticamente voaram para cima do casal, e um enxoval de mãos repousou sobre a barriga de Juliana, todo mundo queria sentir os primeiros chutinhos do bebê, mas ficaram frustrados, pois o bebê parou de chutar.

– Ei princesinha da vovó, chuta amor? Chuta? – Ana pediu fazendo carinho na barriga de Ju.

– Acho que nosso anjinho ficou assustado com esse tanto de mãos. – Rodrigo riu em meio às lágrimas que escorriam do seu rosto. – Ju, isso é incrível. – Disse olhando para a namorada, igualmente emocionada.

– É muito incrível! – Ela falou em meio á soluços.

– Poxa! Queria sentir minha sobrinha mexer. – Felipe disse meio sonolento. Havia acordado do seu cochilo com os gritos de Rodrigo, e a movimentação das pessoas para perto de Ju.

– Ela vai mexer de novo, né princesa? – Ana estava esperançosa de sentir os chutinhos do bebê.

– Gente, calma. O bebê vai chutar outras vezes. –Cris falou. – Não adianta vocês ficarem desse jeito, ele, ou ela, só vai ficar assustado com isso. – Disse.

– É verdade. – Ana concordou. – Mas é que eu queria tanto sentir minha netinha.

– Você vai sentir mãe. – Rod piscou pra ela.

– Foi estranho. Eu senti uma pontada nas minhas costas! – Lorena contou rindo. – Eu pensei até que ia sair já! – Disse inocente.

– Ainda falta muito meu amor. – Gil beijou sua cabeça. – Os bebês costumam a chutar muito. – Disse.

– Eu também chutei a mamãe? – Perguntou.

– E como! – Cris riu. – Você era uma sapeca, meu amor, chutava muito. – Disse.

– Que legal. – Lore riu.

Todos que estavam em volta de Juliana, voltaram a se sentar. E então se iniciou o assunto sobre bebês. Mari começou a contar quando sentiu o Joca chutar pela primeira vez, e mais uma vez se emocionou, por que lembrava perfeitamente disso, e agora seu filho estava ali, completando um aninho.

Rodrigo sentou–se ao lado das pernas de Ju, e alisava sua barriga por baixo da blusa que ela usava. Sussurrava coisas para o bebê, deixando a loira muito emocionada.

– Ei meu amor, chuta para o papai. Chuta? – Pediu com um sussurro. E o anjinho atendeu ao pedido de seu pai, deu mais uma serie de chutes. – Tá chutando de novo. – Falou agora em tom alto. – Meu anjinho atende aos meus pedidos.

– Ih! Já vi que vai ser um baba ovo desse pai lindo. – Juliana falou em meio às lágrimas, fazendo carinho no rosto do namorado.

– Tinha que puxar ao pai né. O Rod sempre foi um baba ovo mesmo. – Bu implicou.

– Vai… – Rodrigo interrompeu o que ia falar ao receber uma tapa de Ju. – Aí amor! – Reclamou.

– Não fala coisa feia. – Pediu.

– Desculpa. – Desculpou–se e se inclinou para lhe dar um selinho.

– Além de baba ovo, agora é domado pela Ju. – Fi entrou nas implicâncias.

– Cê tá vendo loira? Eles não colaboram! – O moreno disse lançando olhar feio para os irmãos.

– Amor, os esquece. – Deu risada. – Olha nosso anjinho parou de chutar.

Rodrigo então voltou sua atenção para o bebê. E a fim de ter um contato mais “próximo” com o anjinho, ele levantou a blusa de Ju, e encostou seus lábios na pele dela, dando vários beijinhos ali, e como resposta, recebeu alguns chutes.

Joca que até então estava quieto no colo da avó observando as coisas, desceu do colo dela, e em passos meios desengonçados ainda, foi até o tio.

– Quer conversar com sua priminha, ou priminhos é? – Rod riu o colocando entre seus braços e as pernas de Ju.

– “Qué”! – Ele disse animado, inclinando o corpo para alcançar a barriga da “tia”. – “Beso”! – Falou colocando a boca contra a barriga de Ju, dando vários beijinhos babados ali.

– Alguém filma essa cena! – Ana pediu. – Meu Deus, que coisa mais linda. Meu netinho dando os primeiros beijinhos na minha netinha. – Riu emocionada.

Bruno apanhou a câmera que estava sobre a mesinha de centro, e assumiu o posto de “Câmera Man”, aproximando–se para filmar a cena.

– Fala “Oi” pra sua priminha, fala amor. – Mari mandou.

– Oi “pimia”! – Disse e olhou para Ju e em seguida para o tio, que sorriam para ele. – “Axim”? – Perguntou.

– É meu amor, assim. – Ju afagou seus ralos cabelos loirinhos.

– Tem que ficar de olho hein Rod? O Joca vai ser o terror das novinhas, igual o pai aqui. – Felipe disse para implicar com o irmão. – Vai ter que ficar de marcação em cima com essa princesinha ai.

– Como é que é Felipe? – Mari bateu em seu braço.

– Quer dizer, como o pai já foi. – Corrigiu rindo. – Meu moleque não vai deixar passar uma. – Continuou a implicância.

– Amor, olha o Felipe? Depois eu falo algo que não pode e cê fica brava comigo. – Rodrigo disse e Ju riu.

– Moreno cê sabe que ele tá falando brincando. O Joca realmente vai ser um galã, né bebê? – Olhou para o menino que os observava atentamente.

– Mas com nossa princesa não! – Disse.

– Deixa pra se preocupar com isso depois moreno. A gente nem sabe se vai ser uma menina mesmo. – Juliana disse rindo. Seu namorado era realmente um bobo.

– “Ninina”? – Joca perguntou. – É?

– Oh lá, já ficou interessado. – Dessa vez que implicou foi Bruno.

– Parem de coisa vocês. – Ana pediu. – Estão estragando esse momento lindo. – Disse.

– É! Ana tem razão. – Cris disse também. – Olha que coisinha mais linda, ele conversando com a priminha, ou priminho.

– Eu posso conversar com minha sobrinha também? – Lore pediu.

– Vem cá! – Ju a chamou, e ela prontamente correu, sentando–se ao lado da irmã.

E foi daquela forma que a noite terminou. Joca mais uma vez encantando todos com a sua fofura, conversando com a “pimia”, ainda com palavras desconexas, mas não parava de tentar falar.

Quando realmente ficou tarde, a família de Juliana foi embora. Bruno, Yanna e Beto também partiram. Joca finalmente cansou–se, e dormiu aninhado nos braços de Ju. Mari e Fi então subiram com ele. Ana também se recolheu, assim como Ju e Rodrigo.

(…)

Naquela manhã, Ju acordou sentindo diversas lambidas em sua mão. Acordou assustada, e então ao abrir os olhos, e inclinar o corpo, viu Zeke lhe lambendo.

– Ei amiguinho, como você entrou aqui? – Perguntou, recordando–se de terem fechado a porta do quarto na noite anterior.

Então virou o rosto para o lado, procurando Rodrigo, e não o encontrou. Deduziu que havia sido ele quem abriu a porta do quarto e deixado Zeke entrar.

Ju olhou e viu também Capoeira deitada na porta do quarto, como se tivesse “protegendo” a entrada do quarto não só de Rodrigo, mas também de Felipe, que era bem ali do lado.

– Cê tá se dando bem com os novos amiguinhos, né? – Perguntou sentando–se e fazendo carinho nele. – Eita! Esqueci-me da Lorena. – Falou buscando seu celular para ver que horas era. Ao verificar, constatou que ainda era cedo, e não estava atrasada.

Antes de descer para procurar Rodrigo e tomar café, foi até o banheiro fazer suas necessidades e higienização. Após banhar–se, abriu a mala onde estava boa parte de suas roupas, e vestiu–se com uma calça jeans, uma regata, e uma blusa social por cima. Fez uma pequena bagunça até achar seu nécessaire com suas maquiagens.

Maquiou–se, e penteou os cabelos, e enfim saiu do quarto para tomar café. Estava faminta.

Ao chegar à cozinha, encontrou uma pequena zona. Todos já estavam ali tomando café. Rodrigo tinha o sobrinho nos braços e o ajudava a comer a papinha feita por Mari, que estava preparando suco, enquanto Ana cortava algumas frutas, e Felipe apenas observava tudo.

– Bom dia cunhadinha. – Ele foi o primeiro a vê–la.

– Bom dia pessoal. – Cumprimentou geral e se aproximou do namorado. – Amor, por que não me acordou? – Perguntou.

– Ia lá te chamar quando o café ficasse pronto, meu amor. – Disse e lhe deu um selinho. – Cê tava muito lindinha dormindo. – Falou.

– Tudo bem, perdoado. – Disse e deu um beijo na bochecha de Joca. – Seu tio tá te dando comida direitinho? – Perguntou pra ele.

– Já to treinando pra quando o nosso nascer. – Riu. – Serei um pai de mão cheia, diferente de uns e outros por aí. – Implicou com o irmão que estava ao seu lado.

– Pai melhor que esse aqui não existe irmãozinho. Hoje eu to só dando um descanso disso. Faço todo dia. – Rebateu.

– Vocês não conseguem ficar um minuto sem trocar implicância né? – Ana riu. – Ju minha linda, dormiu bem? – Perguntou.

– Dormi sim Ana. Estava tão cansada. – Contou. – No que eu posso ajudar? – Perguntou.

– Não precisa não. Estamos acabando aqui. – Mari disse. – Senta ali e se serve. – Falou.

– Tudo bem. – Ju concordou sem pestanejar por que realmente estava muito faminta. Sentou–se ao lado de Rodrigo, e colocou algumas fatias de frutas no prato.

– Oh Ju, a gente tava conversando aqui, e caiu no assunto de obstetra, o Rod falou que você ainda não tem um aqui no Rio… – Mari disse.

– É verdade. Isso é uma das coisas que eu preciso procurar com urgência. – Falou.

– Eu posso te passar o numero da minha. Ela é ótima, com certeza você vai adora–la. – A moça disse.

– Poxa Mari, você estaria me quebrando um galho. – A loira respondeu.

– Te passo os contatos dela depois. – Garantiu.

– Obrigada. – Agradeceu.

Eles tomaram café juntos, enquanto conversavam sobre assuntos aleatórios. Depois Rodrigo e Ju saíram. O moreno a deixou na casa de seu pai, e seguiu para o trabalho.

– Ju! – Lorena atravessou a sala correndo ao ouvir a voz da irmã.

– Oi menina. – Sorriu e abriu os braços para recebê–la. Ju estava sentada no sofá, aguardando que eles terminassem para que pudessem ir.

– Eu to pronta já! – Disse sentando ao lado da irmã.

– Ei mocinha, e os dentes? – Cris perguntou.

– Ah! Eu me esqueci disso. – Revirou os olhos e levantou do sofá, correndo para o banheiro. – Já venho Ju! – Disse.

– Ela hoje tá impossível. Até birra fez pra tomar café. – Cris contou. – Não para de falar, tá pior que a Emilia. – Riu.

– Ela tem energia de sobra aí. – Ju riu e a mulher concordou.

– Seu pai tá terminando de se arrumar. – Disse. – Você quer algo?

– Não, obrigada. – Agradeceu.

Não demorou muito para Gilmar aparecer na sala, com a filha caçula nos braços.

– Podemos ir. – Avisou. – Vem com a gente Cris.

– Não meu bem, eu só preciso ir mais tarde. – Respondeu.

– Tá bom então. – Disse.

– Tchau mamãe. – Lorena esticou seus braçinhos chamando pela mãe, que se aproximou para lhe dar um beijo.

– Boa aula meu amor. – Desejou. – E bom trabalho pra vocês. – Disse para o marido e a filha dele.

– Pra você também. – Ju disse e seguiu o pai para fora da casa.

Durante o caminho até a escola de Lorena, a menina não parou de falar por um segundo, e então Ju entendeu o que Cris dizer com “ela tá impossível”. A loira tentou acompanhar o ritmo dela, mas foi quase impossível, de tanto que ela tagarelava. Gilmar só ria da cena.

Após enfim deixarem–na no colégio, onde Ju foi finalmente apresentada á todas as amiguinhas de Lorena. Gilmar á deixou no trabalho, e seguiu para o teu.

(…)

– Dia cheio? – Rod perguntou ao entrar no quarto e encontrar a namorada tirando a roupa social que usava. – Minha mãe falou que você chegou agora. – Aproximou–se para abraça–la por trás.

– Foi. Lá no trabalho, tinha muita coisa pra que conhecer. – Contou lhe dando um selinho. – Estou exausta. Tudo o que eu quero agora é um banho e cama. – Disse.

– E não vai jantar? – Perguntou roçando sua barba no ombro nu dela.

– Nossa! To tão cansada que me esqueci disso. – Riu.

– Vamos tomar um banho, bem gostosinho… – Apertou o corpo dela contra o teu. – Aí depois descemos, jantamos e subimos para descansar, ok? – Sugeriu.

– Aham. – Concordou.

Rodrigo a ajudou a terminar de retirar as peças que ainda cobriam seu corpo, e ela fez o mesmo. Entre beijos, seguiram para o banheiro, onde o cansaço não impediu que se amassem loucamente.  Após o banho desceram para jantar, e logo já estavam aninhados na cama. Juliana sobre Rodrigo, ressonando tranquilamente em seu peito.

E assim, passou–se mais um dia.

———————————————————————————————

Meninas, perdão por ontem. Rolou um jantar surpresa para uma prima minha que fez aniversário ontem, e foi tudo muito em cima da hora. Os capítulos já estavam prontos, mas não consegui postar :l

Enfim, eis aqui. Espero que gostem, e por favor, comentem.

Chegou , chegando a melhor da balada, louca , doidinha olha só tá chapada , chego ouriçando a rapaziada , roubou a cena , a mais empolgada , rebolando com tesão , abala a situação , tá chapada , mas é top , delicia na pegação

Saudade do seu cheiro, dos seu olhos, da sua pele, da sua boca, do seu sorriso timido, saudade da minha princesa, minha vidaa… saudade de ficar te olhando, observando seus movimentos e pensar como você é linda, como é perfeita, marrentinha que eu amo, que eu preciso, que eu quero, e que só posso dizer/sentir… saudade :(

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK