mordem

Pact Meeting

Coughs and low conversation filled the space underneath the tent, spilling out into the sun scorched sands and stone of Camp Resolve. Battle weary Pact soldiers mingled with curious onlookers who had never once been to the Silverwastes, all brought together for the sake of yet another meeting.

"What was that?" One Vigil soldier asked, a Norn who had only recently arrived at the camp. While his armor shone bright in the bright sunlight which spilled into the shade, other soldiers who had seen seasons in the Wastes had armor that was tarnished, gouges and dents from encounters with the vicious Mordrem.

"Those are the cannons at the gates," a few curious gazes turned to regard the Asura Peacemaker who stood leaning against one of the beams supporting the tent. Where her uniform didn’t cover, sunburnt brown skin was a blaring reminder of the harsh climate. "Give it a few weeks, you’ll get used to them."

"If you’re still alive," barked a loud voice from the front of the tent. All attention turned to Warmaster Hanjo, a Canthan male in his mid-forties who looked as weary as every other soldier left behind to defend the Pact camp and the man who had called the meeting. "With the Pact Fleet having departed, our forces here are greatly diminished, and we lose more every day fighting to keep our outposts safe from the Mordrem. Add to that the appearance of the Vinewrath in the west and I believe that without reinforcements we won’t be able to hold our outposts past the Season’s end."

"Then shouldn’t Kryta send more Seraph?" A brown furred Charr said from a small cluster of Whisper agents gathered near the back of the crowd. Multiple murmurs of agreement echoed from the bodies gathered, only stemmed by the bark of a Seraph Sergeant.

"You suggest we send more troops here and leave our homes, our families, our children to the mercy of the Centaurs?" The tension in the air grew as the Sergeant, a man with leathery skin from too many tours in the field, stared down the Charr who loomed only a few bodies from him. "In case you’ve forgotten, Kryta is at war with the Centaurs and we don’t have the luxury of turning our homes into cannon laden fortresses."

"Perhaps that’s why you Humans are huddled behind the walls of your beloved Divinity’s Reach while our Warbands march proudly throughout Ascalon!"

"That’s enough, both of you." Both men looked at the woman who spoke up: a tiny, pale Human leaning against another of the large metal poles holding the tent canopy up. "We aren’t here to fight each other; we’re here to figure out how to keep ourselves alive until the fleet sends the Mordrem back to the Mists or wherever they came from."

Both of the men involved looked as though they wanted to lash out at her, but their eyes settled on the hulking figure behind the small Human. Even with the close quarters of the tent, it was easy to tell that the pair was attending the meeting together, and neither one of them wanted to mess with the Charr who stood glaring at them with one exposed eye.

“That is my point exactly Magister,” Warmaster Hanjo drew the attention back to him, his sharp eyes having picked up the small insignia on the Human’s leather vest indicating her rank. “During the most recent attacks we sustained thirty-seven casualties, fifty-nine critical injuries, and over two hundred soldiers with minor injuries. That means that nearly three hundred troops are unable to fight for at least three days, reducing our current defenses by almost ten percent.”

“Is it not possible to speak with the leaders of the nations?” Though quiet, the voice was loud enough to draw attention. Based on his armor and weapons, the lime colored Sylvari was a Warden. “Did they not after all, agree to support this war? Surely they understand the threat that the Mordrem still pose?”

“If it were that simple, I wouldn’t have called everyone together. With Marshal Trahearne out of communication with the fleet, it is difficult to garner the attention of the world leaders. Several of our Commanders have approached their respective leaders, only to have their requests left in limbo because the Marshal himself had not filed the request.”

“So what you’re saying,” another of the Seraph near the Sergeant spoke up, his voice shaking and his eyes wide. “Is that we’re just supposed to fight back the Mordrem until the last of us is killed?”

“No,” Hanjo adjusted one of the large pauldrons sitting on his shoulder. “I’m saying that we can only rely on ourselves at this point. I will be putting in a formal request to the heads of the Orders, asking them to send any available personnel to the Wastes, along with any Pact Teams not on priority assignments.”

“I wonder if our problems are considered priority?” Alexandria asked of Ruo quietly, glad that the moment of attention given to her had passed.

“Perhaps,” Ruo grunted, her eye darting around the gathered masses, carefully searching for any potential threats. “However, I will not allow Renshu and any with him to roam freely.”

“I get it,” running her gloved fingers through her silvery hair, Alexandria chuckled. “Worst case scenario, we file an official statement about what happened two years ago finally. The Pact won’t be able to ignore the fact that there are those who would attempt to sabotage airships, and I’m pretty sure that would be a priority.”

“Clever mouse, clever.” A brief chuckle broke her low voice.

“Thanks, I try.” Crossing her arms back over her chest, she resumed leaning against the pole and to the rest of the meeting. The only thing she had to worry about for the day was not falling asleep, and escorting Magister Monar back to Divinity’s Reach.

3

i honestly can’t remember if i ever uploaded these dudes, i drew them ages ago but it’s been a while since i posted any fakemon

anyway

Morvid - Morvulent - Mordemic, Poison/Flying types based off plague doctors and various kinds of corvids (mordemic’s also got some disease-y shadow magic goin on there)

they’re p standard as far as the plague doctor bird concept goes i just really wanted some spooky poisonous birds in the horrordex (which is sort of becoming less of a horrordex and more a “things i think are awesome-dex”. which i’m still ok with)

E os heróis estão equivocados, assim como seus dados históricos. Melancólicos pela sua sobrevivência, raivosos estão a declamar o ódio às tratativas de seu revés. Bradam uma sentença dolorosa travestida de revolução. Ode a ignorância com veste de intelectualidade. Mordem e jamais assopram, cospem e amaldiçoam com raiva. Respingue o estardalhaço do incenso comum. O interrogatório és o preferido prazer, sem alardes meus caros, eles desejam a rachadura no céu cinza da Paulicéia. Fala calma para escarrar as piores intenções. Desate o nó de sua vista e enxerga-te o todo, veja amplamente, além de seus arranha-céus, a lente da elite cegou-se e vê apenas os belos Jardins de Pasárgada. Vemos apenas a inveja impregnada na pseudo-denúncia. Caricature-se o amor pelo solo, xiitismo às novas expressões artísticas. Foca-te no atraso, exclua-se na modernidade, pois a frágil conduta conservadora ainda é bem vista, nunca serão aceitos a criatividade progressista. E ela está a dançar em cima da mesa, embriagada, desejando a desconstrução da repreensão, mas vossos admiradores estão a sofrer da síndrome de viralatismo, morra-te cidade imunda, tu não tens o teu sotaque próprio, odeio-te São Paulo. Querem matar a arte, submetê-la a contemplação burguesa, dos eventos blasés, formosas guloseimas e traje de gala. A sublime singularidade expansiva de que é ou não é. Consomem a periferia nas telas, mas de fato sentem nojo ao passar em seus arredores. A entrevistadora amadora está a drogar-se em índole faminta de loba mentirosa. A santa-tríade está faminta pelo sangue alheio, angarie-se ao conservadorismo, justiça aos justiceiros traficantes. O cancro comum a toda gente és elitizada como o bode expiatório, desculpas desconexas para quem nada conhece, brindemos ao som do relojoeiro cumprindo sua amarga função. Medida paliativa e agressiva deixa-te com o gosto amargo no céu da boca. Pugilista sem alguma técnica está a tentar acertar golpes certeiros, mas seu adversário leve esquiva com eficácia. Prega-se a modernidade europeia, mas ao seu implantamento os cães raivosos dormindo na bela relva do conformismo acordam e desejam morder o primeiro carteiro que passar. És impossível sentir empatia pelo outro, meu caro? Queres desmoralizar com golpes frágeis feito de papel, o mundo do jornalismo de manchete não fora feito para êxitos, apenas tragédias e sangue que escorreu-se nas avenidas.
—  Quando A Elite Desalinhara-se De Seu Salto? - Pierrot Ruivo

anonymous asked:

Through a series of misunderstandings Becca and Peggy start out volatile but realize their common goal is protecting Steve's memory. Plus they probably make up a select few, the "Crushed on Skinny Steve Rogers club." Bucky is a post-mordem member. They declare a truce.WA

I love this. Also I have this image of my mind now of Becca holding her baby in her arms during some kind of initial face-off and Peggy just being generally confused about this entire picture of perfect domesticity. 

Qual é a sensação de ser o alguém de alguém. Ser aquela pessoa que causa um frio na barriga, uma tremedeira pelo corpo, um pranto de tristeza, ou então, o sorriso feliz daquele dia. Ser aquele alguém que é narrado como o vilão e herói do coração de quem se encontra apaixonado, e que os amigos se mordem de ciúmes por não poder beijar sua amiga ou amigo, afinal ele ou ela já tem um abrigo. É muito bom se imaginar no melhor lugar da vida dos apaixonados, ser os sorrisos e lágrimas, o amor e o ódio, a tristeza e a felicidade, a saudade e a melhor lembrança, as tempestades e a calmaria de um alguém. Mas o pior lugar da vida dos apaixonados, é ser o alguém que observa duas almas juntas, na esperança de um dia encontrar a sua. Todos nós fomos amigos de alguém assim em alguma época da vida. Talvez duas, três, dez vezes você foi o tal do conselheiro amoroso. Mas um dia você para de multiplicar casais e começa a dividir momentos com um único casal. O teu!
—  unicoromantico
Medo

Medo de ver o carro da polícia estacionar na porta de casa.

Medo de pegar no sono à noite.

Medo de não pegar no sono.

Medo do passado que volta.

Medo do presente que escapa.

Medo do telefone que toca de madrugada.

Medo de tempestades elétricas.

Medo da faxineira que tem uma verruga na bochecha!

Medo dos cachorros que não mordem.

Medo da ansiedade!

Medo de ter que identificar o corpo de um amigo morto.

Medo de não ter dinheiro.

Medo de ter demais, embora ninguém acredite.

Medo de perfis psicológicos.

Medo de me atrasar e medo de chegar antes dos outros.

Medo da caligrafia dos meus filhos em envelopes.

Medo de que eles morram antes de mim e da culpa que sentiria.

Medo de viver com minha mãe quando ela e eu estivermos velhos.

Medo da confusão.

Medo de que o dia de hoje termine num tom melancólico.

Medo de acordar e descobrir que você foi embora.

Medo de não amar e medo de não amar o bastante.

Medo de que o que eu amo seja mortal àqueles que amo.

Medo da morte.

Medo de viver demais.

Medo da morte.

Eu já disse isso.


(Raymond Carver)

"Oh, i think this year is gonna be interesting, right?"

ARABELLA OLIVIA BRAYLEN tem DEZENOVE anos de idade e optou por fazer o curso de FOTOGRAFIA. As pessoas dizem que ela se parece muito com LILY COLLINS e ela é conhecida como THE MORDEM LOVER.

  • What’s your history, Arabella?

Arabella é o primeiro nome que ela evitava se apresentar como. Os Braylen, família francesa antiga, se mudaram para o Canadá antes mesmo da Millenium existir, sendo alguns dos primeiros alunos, o que implica no histórico da família dentro da universidade.

Olivia, como prefere ser chamada, sempre teve uma paixão imensa por músicas, fotos e filmes antigos e de preferência, dos anos setenta - que também foram os anos de glória da sua avó, a verdadeira Arabella.

Apesar da paixão pelo trabalho da mesma, Olivia sempre era comparada com a mesma pela semelhança: uma verdadeira artista, deveria ir para o cinema. Mas não queria nada disso. Com a família já bagunçada, ela optou por um curso até então não escolhido: fotografia.

Vivia capturando fotos de lugares diferentes e adorava efeitos retrôs, conhecendo cada vez mais as pessoas e as histórias enquanto revelava cada foto. Adorava fotografar, inclusive, a avó, fazendo comparações de antes com o agora.

Extrovertida como sempre para os mais íntimos, Olivia pretende expor todos os seus trabalhos na Millenium e sair dali como uma das melhores formandas.

Os casais bonitos são aqueles que acima de namorados, são amigos. Brincam, brigam, tiram sarro um do outro, se mordem, beliscam, mas se amam de um jeito que nenhuma pessoa do mundo consegue duvidar. Amor não é só beijos e amassos, amor é cuidado, amor é carinho, amor também é amizade!
—  Pedro Bial

O Amor, Meu Amor

Nosso amor é impuro 
como impura é a luz e a água 
e tudo quanto nasce 
e vive além do tempo. 

Minhas pernas são água, 
as tuas são luz 
e dão a volta ao universo 
quando se enlaçam 
até se tornarem deserto e escuro. 
E eu sofro de te abraçar 
depois de te abraçar para não sofrer. 

E toco-te 
para deixares de ter corpo 
e o meu corpo nasce 
quando se extingue no teu. 

E respiro em ti 
para me sufocar 
e espreito em tua claridade 
para me cegar, 
meu Sol vertido em Lua, 
minha noite alvorecida. 

Tu me bebes 
e eu me converto na tua sede. 
Meus lábios mordem, 
meus dentes beijam, 
minha pele te veste 
e ficas ainda mais despida. 

Pudesse eu ser tu 
E em tua saudade ser a minha própria espera. 

Mas eu deito-me em teu leito 
Quando apenas queria dormir em ti. 

E sonho-te 
Quando ansiava ser um sonho teu. 

E levito, voo de semente, 
para em mim mesmo te plantar 
menos que flor: simples perfume, 
lembrança de pétala sem chão onde tombar. 

Teus olhos inundando os meus 
e a minha vida, já sem leito, 
vai galgando margens 
até tudo ser mar. 
Esse mar que só há depois do mar. 


Mia Couto

Hoje, sentado na varanda da minha casa me lembrei de uma ex namorada minha. Ou de todas. Pensativo, cultivei em mim todas as saudades que elas ainda me cedem e resolvi sorrir com isso. Como sempre faço quando lembro de como é gostar de alguém. Hoje talvez exista outro cara dividindo a cama contigo, contando as mesmas piadas que eu te contava e mordendo o lóbulo da sua orelha – ainda se morde lóbulos de orelha? Na verdade, eu sei que existe, mas só quis criar uma hipótese para parecer mais descolado. De qualquer forma, só espero que ele saiba o quão você gosta de café, e assim, apreciar o charme que é você segurando a xícara com as duas mãos como se estivesse protegendo a Rainha da Inglaterra. Espero também que ele tenha noção de como você não gosta quando te mordem muito forte. E, claro, que ele saiba como você gosta de fazer sexo em lugares inusitados. Quer dizer, acho que essa parte ele nem precisa saber. Talvez, se hoje eu te conhecesse de novo, ficaria contigo mesmo se você fumasse dois maços de Derby. Por dia. Não porque eras linda e me chupava com aquele olhar de “te devoro”, mas porque depois de viver um pouco enalteci as qualidades que você tinha. Coisas da vida. Que, como sabes, não me arrependo. Eu tinha que viver, viajar e me despertar à vida. Você sabe que era o melhor pra mim e, esse respeito que você teve pelo meu momento é, com certeza, um dos meus maiores motivos de orgulho de ter sido teu namorado. Por mais que eu não tenha pintado a bunda de vermelho e declamado nosso amor em rede nacional, saiba que, no auge das minhas poucas palavras você pintou de mão colada comigo um pouco da minha história. Espero que lembres de mim como lembro de ti, dos detalhes, das viagens e, claro, das roupas e sapatos que eu tanto reclamava. Lembra como eu era pentelho? Eu mudei um pouco, mas admito, continuo achando pés algo de seres de outro planeta. E sim, também continuo achando que uma minissaia perde seu charme quando o intuito é convencer alguém, somente com aquilo, que ali existe um mulherão. E, acredite se quiser, ainda guardo todas as nossas fotos. Não por algum motivo especial, ou por devaneio louco, mas porque acho gostoso lembrar das nossas histórias e pontuá-las como fases necessárias em uma vida de momentos tão felizes. Espero que guardes também. Mas, se não o fizer, pelo menos não as jogue fora, revelei todas com tanto carinho… Então, hoje no auge do meu pouco afeto, te digo: nunca vou te esquecer. Até porque não tenho problema de memória. Você me ensinou tanta coisa, a ser um homem mais sorridente e feliz por curtir os pequenos prazeres da vida. Queria ter curtido mais você, confesso, ter lhe dado mais atenção e me preocupado menos com o trabalho. Mas talvez, esse texto seja um pouco do que eu tanto quis pra mim. Espero que estejas com orgulho de mim. Saiba que meu beijo continua doce, meu sorriso espraiado e meu puxão de cabelo com a mesma firmeza de sempre – dizem. E como sei que você gostaria de saber: sim, ainda durmo rente a parede e ocupo metade da cama. Ainda gosto do frio e ligo o ar no mais gelado só para camuflar-me por baixo das cobertas. Ainda falo gesticulando com as mãos e gosto de brincar de lutinha todos os domingos de manhã. E, claro, ainda pareço uma criança quando fico doente. Eu que sempre fui poeta da minha própria vida, espero sempre guarda-te na estante dos meus melhores feitos. E, que ao final desse texto, você sorria. Sem medo de eu estar te vendo. Só sorria com simples objetivo de saber que os nossos momentos serão sempre nossos. A gente foi um sonho que passou, mas seremos sempre uma lembrança-sorriso dentro dos nossos, um dia juntos, corações.
—  Uma carta para minha ex-sempre-namorada.
Os casais bonitos são aqueles que acima de namorados, são amigos. Brincam, brigam, tiram sarro um do outro, se mordem, beliscam, mas se amam de um jeito que nenhuma pessoa do mundo consegue duvidar. Amor não é só beijos e amassos, amor é cuidado, amor é carinho, amor também é amizade!
—  Pedro Bial.

“Os casais bonitos são aqueles que acima de namorados, são amigos. Brincam, brigam, tiram sarro um do outro, se mordem, beliscam, mas se amam de um jeito que nenhuma pessoa do mundo consegue duvidar. Amor não é só beijos e amassos, amor é cuidado, amor é carinho, amor também é amizade!”

"manuel germano", no facebook| filipe chinita| 8 dezembro 2011


o facebook
.
os que
vêm
à minha página
mas nunca
nada
me
dizem
.
os que
vêm
à minha página
e de tudo falam
menos do que
eu escrevo
e publico
.
os que
ousam
enviar-me
os seus textos
mas (que) nunca
sobre os
meus
opinam
.
os que
assim
me trazem à trela
comentários de gente
que não conheço
e que nunca
à minha
página
vêm
.
tendo assim
de “levar”
com comentários
absolutamente
surrealistas
.
os que
aqui
nada dizem
-muito menos cara a cara-
mas nas minhas costas
sobre mim
a minha pseudo “vida”
e a minha “escrita”
mordem e (re)
mordem
.
os que
"muito" meus amigos
são
mas meus amigos
no face
não são - ou sendo-o-
não mexem um dedo
para divulgar
os meus
livros
e
escrita
.
eu percebo
o eu
está acima
de tudo
.
os que
"amam"
a minha escrita
quando comigo
para outras
venturas
sonham
.
mas depois
quando
não

para nada
presto
.
enfim
tudo “grandes amigos”
que o face
me traz
à
culatra
.
sem que
os escolha
eu
.
ou
em verdade
eles a
mim
.
ainda
os que aqui “amigos” se dizem
mas na prática nada fazem
para nos conhecerem
a nós e à nossa obra
estreitanto assim
a nossa concreta
e humana
relação
.
pois -que-
é disso
-que-
o mundo
precisa
.
fj
termino abraçando
os meus verdadeiros
amigos
.
os que são capazes
de ser ternos
para comigo
como eu
o sou
para
com
eles
.
capazes
de tocar
a minha carne
e mente
como
o faço
eu
.
os que são capazes
de se erguer
em minha defesa
mesmo
quando
erro
eu
.
fj
8 de Dezembro de 2011 às 11:52
.
filipe chinita ©
sebenta 1.2011
​sem revisão.
ao momento e de uma vez só.
pode conter erros
falhas de
ritmo
e falsas
perspectivas
de arquitectura.

Os casais bonitos são aqueles que acima de namorados, são amigos. Brincam, brigam, tiram sarro um do outro, se mordem, beliscam, mas se amam de um jeito que nenhuma pessoa do mundo consegue duvidar. Amor não é só beijos e amassos, amor é cuidado, amor é carinho, amor também é amizade!