mas-enfim

E se eu morresse agora?

Eu não andaria mais pelas ruas da cidade, não pegaria mais aqueles ônibus e não sorriria para alguns estranhos simpáticos. Eu não atenderia os telefonemas dos meus pais, nem responderia as mensagens de texto dos meus amigos. Eu não iria mais encontrar com as pessoas com quem estudo, não tiraria mais dúvidas com os professores e não sairia para comer na loja de conveniência que fica perto do meu prédio. Ninguém jamais voltaria a ouvir uma só palavra minha, e as músicas que tocarão nas rádios causariam angustia para quem já as ouviu de mim. Ninguém voltaria a presenciar meus ataques de risos espontâneos, e o som da minha gargalhada se calaria para sempre. Nunca mais poderia eu reclamar da vida, do que me falta e do que me faz mal. Alguém de repente passaria a apreciar os meus surtos? Irá alguém dizer que preferiria mil vezes me ouvir reclamar a presenciar o barulho do meu silêncio? Depois de uma semana, quando passarem em frente a minha casa, lembrarão que foi ali que vivi? Lembrarão de mim?

—  Casebre.
E quando ela dizia um “eu te amo” eu respondia dizendo: “duvido”. Não que eu duvidasse mesmo do seu amor por mim, era só pra ter o prazer de ouvir de novo, de novo, e de novo… Aquilo que me fazia tão bem.
—  Icanfixyou.
Gosto mesmo é de amizades à moda antiga, sabe? Daquelas amizades dos velhos tempos, com abraços apertados, cafunés exagerados e beijos na testa ao se cumprimentar e ao se despedir. Amizades de ficar horas em roda jogando conversa fora num fim de tarde de domingo, de rir até a barriga doer. Daquelas amizades que a gente lê em livros dos nossos avós. Daquelas que a gente tem intimidade, que parece mais um casamento, que se aloja no coração e dali não sai. Amizades que não tem preço, que não se compra, que não se acha por aí, são amizades que se conquista. Gosto mesmo é de amizades com poucas palavras e cheias de atitudes, que cumprem sem prometer. Amizades cheia de liberdade, tanto que podemos ligar no meio da madrugada só para dar um boa noite, mesmo que já quase seja hora de dar um bom dia. Amizades que veem e ficam, que fazem a diferença. E mesmo que partam, deixam marcas, boas lembranças. É dessas amizades que eu gosto! Que a gente confia cegamente, que não tem medo de cair porque sabe que terá quem ajudar a por de pé novamente. Amizade que sabe a hora de falar e a hora de ouvir, que sabe dar conselhos na mesma maneira que sabe receber. Amizades de verdade! Que a gente leva para a vida toda. Gosto daquelas amizades de amor puro e sincero, que dizem “eu te amo” através de um olhar. Ah, quem tem, ou já teve, uma amizade dessas, sabe do que eu estou falando. Taxem-me de cafona, antigo, ultrapassado ou atrasado, se quiserem. Não dou importância, é daquelas amizades que eu gosto.
—  Leonardo Botelho, cascalhos.
— Cara, por que você tem tanta raiva de si mesmo, hein?
Olha pra ela, mano. Repara só um pouquinho que tu vai perceber. Olha só, ela é de riso fácil, tá vendo? Ela sorri à toa, e isso é tão… Tão presente nela que eu fico me perguntando que tipo de canalha consegue fazer ela perder uma noite de sono chorando. E aí, puf, olha pra mim. Eu sou esse tipo de canalha. Eu faço a guria mais sorridente do mundo chorar. Quer motivo maior pra me detestar, cara? Tu acha realmente que eu mereço aquela droga de lágrima? Não mano, eu não mereço. Mas olha pra ela, vai. Ela é puro sorriso, e ainda mais que isso, ela é puro amor. Não cabe mágoa dentro dela, ali não tem espaço pra guardar ressentimento. Daí olha só cara, ela me ama. Puta que pariu, por que diabos ela me ama? Eu faço ela chorar, eu sou aquele tipo de canalha, e ela ainda insiste em mim. Mano, tu sabe o que ela fez ontem? Eram exatamente meia noite e trinta e um, e ela me ligou. Eu estive ignorando ela esse tempo todo e porra, ela me ligou. Ela tava desesperada, tava tendo um pesadelo, e ligou justo pro meu número. Eu, o filho da puta que fez ela chorar durante meses e nem se importou com isso. Foi pra mim que ela ligou. Apesar de tudo, é o meu colo que ela queria, tu tem noção do que isso significa? A garota sorridente, a garota-amor, se importa com um canalha que destrói o sorriso dela. E me diz cara, eu mereço isso? Eu sou um puta vacilão que ama ela pra caralho, mas que magoa ela pra caralho também. Ela não devia me amar cara, não devia. Mas ela é incrível. E eu… Puf, olha pra mim. Eu sou um canalha covarde que tem a cara de pau de amar a garota mais sorridente do mundo e tirar dela esse adjetivo que lhe cai tão bem. Eu sempre disse que o cara que fizesse ela sofrer, ia se ver comigo. E, olha só, esse cara sou eu.
—  Do arquivo secreto de Diego Freesz, Julia N, e-clipsar.
As vezes eu tenho vontade de gritar para o mundo todo que você é um idiota, mas mesmo assim eu me amarro em você. Dá muito trabalho tentar te entender, até porque tu sabe que eu sou muito lerda. Não é fácil te aturar, você é muito complicado e só me dá trabalho, cara. Mas se eu te perder, eu me perco. Você não é como os outros caras, só é babaca, e sabe disso. Não ria de mim, eu sei que as vezes eu sou impaciente contigo, mas você faz muita falta.Eu enfrentaria todos os problemas com uma mão se você segurasse a outra, porque se eu estou com você, eu cago para o mundo todo. Não estranhe se eu parecer meio encantada, eu só preciso aprender a disfarçar quando estou contigo. Eu não preciso dizer que meu medo de te perder é maior do que minha fobia por baratas, porque você sabe disso. Puta merda, eu amo você. Vamos apenas permanecer assim, sem nenhuma complicação. Só acho que não seria bom pra mim viver longe de você. Então, por favor, não apronte dessa vez. Cara, eu to tão na tua. Mas, antes de qualquer coisa, só queria te avisar que só eu posso brincar de fazer ciumes, você não, porque sabe que quando to com raiva, é difícil manter a educação. Você sabe que é tudo pra mim, por favor, não some de novo.
—  As vezes, duas pessoas se conhecem aparentemente por motivo nenhum e se apaixonam.
Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche.
—  Martha Medeiros.
Hoje eu rasguei todas as camisas gola polo que usei só para impressionar você, aquelas camisas me deixavam com uma aparência mais madura, ou intelectual, talvez. Joguei fora aquelas calças sociais e os sapatos fechados. Hoje eu queimei todos aqueles livros que li porque sabia que você gostava daqueles autores, todos aqueles livros de romance. E sabe, eu odiava ler. Mas aprendi a gostar. Por você, eu aprendi a gostar de ler. Ou pior, aprendi a gostar de ler romances. Mas hoje eu voltei a odiar ler. E principalmente, voltei a odiar ler romances. Hoje eu cortei meu cabelo naquele corte que você acha ridículo e não fiz a barba. Eu sei que você não gosta de barba, você diz que espeta seu rosto. Hoje eu fiz três tatuagens exageradas e coloquei dois piercings, um na sobrancelha e outro na língua. Eu sei que você não gosta de tatuagens exageradas e acha bizarro garotos com piercings na sobrancelha ou no nariz. Hoje eu bebi whisky. Eu sei que você odeia whisky, que não suporta, nem sequer, o cheiro dessa bebida. Hoje eu fui para aquela festa que acontece todos os fins de semana a duas quadras daqui. Eu sei que você odeia aquele lugar. E odeia mais ainda as pessoas que costumam ir às festas de lá. Hoje eu fiquei com quatro garotas, fui para cama com três delas. Fiz sexo por fazer. Eu sei que você acha burrice fazer sexo por fazer, que você diz que é perda de tempo, que são apenas prazeres momentâneos. Hoje eu matei aula para ir me drogar na praça. Hoje eu fiz tudo isso na tentativa de te esquecer, já não aguentava mais essa saudade do seu cheiro, do seu beijo, da sua voz… de você. Mas nada adiantou, eu continuei pensando em você. Hoje foi um dia terrível. Ah, hoje eu fui um otário.
—  Hoje eu fui um otário. Leonardo Botelho, cascalhos.
Me joga na parede. Me joga na rede. Mata logo a minha sede. Vem com raiva, vem com calma, com alma. Vem sozinha, vem ser minha. Fala que me odeia, fala que me ama, passe o domingo na cama. Joga uma partida de dama, canta legião urbana. Desafina o violão, faz de mim uma nova versão. Me marca com seu brasão, mas não vai embora não. Bate a porta, grita e chora. Jura nunca mais me ver. Volta depois de algumas horas e diz que não resistiu partir sem me levar com você. Leva-me daqui, faz sua bagagem e me coloca junto. Planeje comigo seu futuro, e que eu seja seu futuro. Diz que é minha metade, e que morre de saudades quando passa alguns dias sem me ver. Consegue ouvir o estrondo dos trovões ? È meu coração chorando por você.
—  Perfazia
Existem diferentes tipos de pessoas. E nenhuma vai ser igual à outra, então pare de ficar tentando se comparar, você é único como o seu vizinho barulhento também é. Essa historia de “eu quero ser igual fulano, ou a cliclano” Não existe isso. Cada um é do jeito que é. Te agradando ou não, nem ouse mudar, por que em um futuro bem próximo pode aparecer alguém louco o bastante que irá se agradar com o seu jeito de ser. Existem pessoas tímidas e que preferem estar ao lado de livros a pessoas, existem aquelas pessoas que passam o dia todo ouvindo música para ter a singela lembrança de certos momentos. Existem as pessoas que gostam de chamar atenção e que fazem o possível para isso acontecer, elas chegam até a mentir. Mas não leve a mal, é apenas resultado de uma auto-estima baixa demais para aguentar sozinha. Existem pessoas falantes que falam abobrinha o dia todo e que às vezes até dá sono ficar ao lado dela por muito tempo. Existem as pessoas engraçadas, e bom, essas são as minhas favoritas. Elas estão ali justamente para tirar uma gargalhada gostosa de você, vão se esforçar ao Maximo para fazer a piada mais sem graça ter graça, pelo menos por alguns minutos. As vezes a historia que ela está contando nem é tão engraçada assim, mas você vai rir só de olhar para a cara que ela faz enquanto relata o conto. Existem as pessoas românticas que se entregam fácil e que só se sentem bem quando estão ao lado de alguém em especial, eu prefiro chamá-las de pessoas carentes. Mas, ai já é outra historia. Existem as pessoas rudes e arrogantes, que gritam para o mundo ouvir que não precisa de ninguém parar ser feliz, mas no fundo bem lá no fundo, elas desejam tanto alguém que chegam até a cansar. Existem diferentes tipos de pessoas, personalidades únicas, essências singulares e almas em particular. Cada um é cada um. E é bonito ver tanta gente diferente espalhada por esse mundo, é bonito saber que ninguém nunca vai ser igual a ninguém. É bonito olhar em cada esquina e ver que eu sou diferente do homem que vende sorvete ou da mulher que passa atrasada para ir ao trabalho. Eu sou eu. Como você é você. Esse seu jeitinho que você costuma achar estranho hoje, amanhã será o grande responsável por fazer você se destacar. Seja em um trabalho, em um relacionamento, na escola, na rua, na vizinhança, ou apenas dentro de você. Tudo muda, mas você será pra sempre você.
—  Hoje você tem vergonha de ser diferente. Amanhã terá orgulho. Mallú Viterbo

Por que faz isso comigo? Por que insiste em me deixar assim. Cabisbaixa e magoada. Por quê?! Isso te satisfaz? Pois eu acho que sim. Não é possível. Todos os dias as mesmas coisas, as mesmas histórias, os mesmos motivos e as mesmas brigas. Será que você não cansa de me fazer sofrer?! Sinceramente, estou tentando aguentar da melhor forma cada “facada” que você me dá pelas costas. Estou suportando tudo isso e mais um pouco. E como sempre calada. Eu juro que estou tentando ficar calada para não dar mais continuidade para essas brigas constantes, por motivos fúteis. Eu não sou de ferro e muito menos de pano para você ficar brincando comigo, como se eu fosse uma boneca. Querido, eu sou um ser humano de carne e osso. E não se esqueça, eu tenho alma e sentimentos. E a maioria desses sentimentos é para você. Se você não sabe, não se preocupe. Você irá saber a parti de agora. Eu estou engolindo o meu orgulho todos os dias, para poder ficar ao seu lado, pois eu te amo. Mas vai chegar um dia que amar não vai mais ser motivo de eu ficar me humilhando e me dilacerando por você. Vai chegar um momento em que eu vou me cansar verdadeiramente. Esse dia pode ser amanhã ou até mesmo hoje. Quem sabe! Eu juro que uma parte de mim queria se livrar de você. Essa parte de mim queria te amassar e te jogar sobre o chão, como se tu fosse aqueles papeis insignificantes que as pessoas entregam na rua. Essa parte de mim queria você muito, muito, muito longe de mim. Mas a outra parte de mim te quer aqui do meu lado. Essa parte quer ficar abraçada contigo a tarde inteira ao som de uma música que nos represente. Essa parte quer ficar sentindo teu cheiro até o sol raiar. E o mais complicado é que essa parte fala mil vezes mais alta. Eu não queria esta passando por essa situação, não queria sentir essa revolta dentro de mim. Mas infelizmente as coisas não dependem somente de mim. É o nosso relacionamento, o nosso amor, a nossa bagunça, a nossa confusão. E pra que todo esse conflito acabe nós temos que chegar a um acordo, a um ponto de paz. E para isso eu preciso de você, pois eu estou tentando colaborar da melhor forma para nós. Principalmente para mim. — cismad-a

Precisava falar o quanto importante você foi pra mim, e na verdade esse foi o único jeito que achei. Nunca imaginei encontrar pessoa tão formosa e simpática que fizesse meu coração saltar a cada palavra dita. Lembro-me bem de cada momento que passamos juntos, das nossas brincadeiras bobas, das nossas divergências de ideias, das viradas de noite, de cada conselho, dos dias de consolação e dos intermináveis micos. E não vou me esquecer da maneira que jogava o cabelo e o ajeitava com pequenas apalpadas, do seu toque ao falar com a pessoa, da fala mansa e do jeito que se importava com todos como se o problema fosse seu. O sorriso e o olhar que fazia quando estava comigo estão muito bem filmados em minha memória. Sua imagem não me desaparece: uma linda menina de cabelos compridos e cacheados, usando seu vestido azul preferido, com o sorriso mais doce e segurando um celular nada moderno, mas que estaria tocando ‘Velha infância’. Nossa você é incrível e foi por isso que nunca tive coragem de me declarar, pensava que não daria olhos pra mim afinal poderia ter alguém melhor, e escondi meu amor por debaixo da armadura de amigo ficando ao seu lado. Contigo tive os melhores dias e o pior também, no inicio não quis acreditar na notícia que chegava aos meus ouvidos, só conseguia pensar ‘ Como algo do tipo podia acontecer com uma menina tão boa?’. Pois é, o inesperado aconteceu bela flor, quando cheguei naquele hospital só queria te ver. E saber que estava me esperando foi a maior alegria pro meu coração, mas que logo acabaria quando eu entrasse no quarto.Como aconteceu isso com você? Porque fizeram isso?Talvez nunca tenha essas respostas, mas naquele momento não importava mais, só importava que era eu e você apenas, seu sorriso apesar de toda dor não saia do rosto e sua mão gelada logo se prendeu a minha . E foi ali que me disse as melhores palavras que poderia ouvir de sua doce boca: ‘eu não sei o que será de mim, mas quero que saiba que te amo’, não podia acreditar que estava escondendo um sentimento que era recíproco, podíamos estar juntos a muito tempo, como eu fui covarde a ponto de deixar tudo passar, porque dessa vez não tive uma daquelas coragens juvenis e segui meus sentimentos,fui atrás do que eu queria? Poderia ter sido diferente. Essas contestações aconteceram na minha cabeça naquele momento e por fora só consegui ficar com cara de bobo, sem reação. E você soltou minha mão, o sorriso foi desaparecendo dando lugar para o rosto pálido e triste, algo que nunca tinha visto em você, e assim foi embora pra longe sem ao menos me escutar, sem que pudéssemos montar nossa história, talvez até tenhamos montado, talvez não era pra ser. Só sei que esse dia foi o melhor, mas também se tornou o pior, foi como experimentar um doce que depois fica amargo ou então estragado. Bem, esse texto todo era apenas pra eu te dizer o que não deu tempo: Eu te amo bela flor do meu coração.
— 

A carta que nunca será lida. Cravada.

Será que aproveitei bem a minha vida? É isso me pergunto agora que estou aqui quase morrendo, que estou aqui nessa cama de hospital. Aproveitei a minha vida? Eu vivi tudo o que tinha para viver? Eu não saberei te responder, mas eu aposto numa resposta, com certeza não, não aproveitei nada, não fui feliz, não fui amada e nunca amei. Eu simplesmente existi em tantos anos, agora estou aqui morrendo, não faço nada sozinha, sou dependente de todos, e logo eu, que era tão independente. Logo eu que gostava de viver sozinha e de ser sozinha, que adorava me isolar do mundo, que o lugar que eu mais vivia era no meu quarto, logo eu, que nunca fiz nada de mal pra ninguém, que nunca desrespeitei minha mãe (é talvez, desrespeitei um pouco), logo eu, que não cometia erros, que não fumava, não bebia, não me drogava, logo eu, que nunca julguei ninguém, que nunca levantei o dedo pra ninguém, logo eu, que sempre fiz tudo na medida certa, por que logo eu tenho que está sofrendo? por quê? Tudo aconteceu tão rápido, eu estava no meu quarto, fazendo as mesmas coisas de sempre, lendo meu livro velho e preferido, escutando músicas melancólicas e quando percebi eu estava vomitando sangue, estava sendo colocada no carro as pressas e minha mãe ao meu lado desesperada. Quando eu chego no hospital, médicos me atenderam rapidamente, enfermeiras me colocaram na cama, e quando vi vários exames foram feitas e por último a grande e péssima noticia, eu estava com câncer. Ninguém sabe qual é a dor, ninguém sabe o que você sente nesse momento, não tem dor maior do que você escutar de um homem vestindo branco, chegar ao seu lado e falar: “Menina, você está com câncer.“ É uma dor terrível, uma dor sem explicações, ela atinge direto o seu coração e a sua mente, você começa pensar nas pioras coisas que existem, principalmente na sua morte. Você começa a imaginar como irá morrer, se será dormindo, se será sentindo dor ou se será nos braços de sua mãe. Eu não sei ao certo, mas agora estou aqui, deitada e sentindo dores. Estou sofrendo demais, é como uma facada, é como um tiro em meu peito. Doí tanto, doí demais, eu nunca senti nada disso, doí mais do que um coração machucado por causa de um idiota, doí mais que caí da bicicleta, doí mais que quebrar um braço, é a dor mais doída que eu mesma conheço. É por isso que nesse leito de morte, nessa cama de hospital, eu venho pedir perdão á todos, acho que estou pagando meus pecados, acho que não fui tão certa como imaginei, estou pagando por meus pensamentos malditos, pelas coisas que devia ter falado e guardei. Eu queria poder dá inicio a minha vida outra vez e assim, aproveitar ela novamente. Eu queria poder sair mais, poder ter amado mais, poder ter beijado mais, agarrado aquele bonitão da esquina, poder ter cantado mais, ter lidos todos os livros da minha estante, ter falado tudo o que pensava, ter abraçado aquele menino de rua, poder pedir desculpas sem o orgulho atrapalhar, ter dado oi pra aquele menino do ponto de ônibus, poder fazer tudo o que eu não fiz e que nunca mais poderei fazer. Eu queria reviver momentos com meus amigos por mais que tenham sidos poucos, eu queria poder acordar de manhã e soltar um sorriso, eu queria dá um beijo e falar eu te amo pra minha mãe todos os dias ao acordar, eu queria fazer tantas coisas, mas a dor não me deixa mais, o câncer está me afetando cada vez mais, ele está me matando aos poucos. A minha maior revolta é ter que deixar o mundo, antes mesmo de conhecer ele, ter que fechar meus olhos e nunca mais ver os pássaros, ver o mar, sentir o cheiro das flores, nunca mais sentir o frio do inverno ou o calor do verão, eu não me conformo eu ter que ir sem aproveitar a minha vida. Eu devia ter aproveitado, eu devia ter vivido, eu devia ter sido feliz, mas agora é tarde, agora tudo vai se acabar e eu não posso evitar, meu fim está chegando eu consigo sentir, meu coração já não bate como antes, eu não respiro direito, estou frágil e impossibilitada. E agora nesse momento eu agradeço a minha mãe por está ao meu lado, por me proteger, por me ajudar e por me entender, e dá um último adeus e um último eu te amo. Meus olhos estão fechando e tudo está escurecendo, agora vou embora de verdade. Adeus belo mundo, adeus vida, adeus mãe, adeus á todos, vou em paz e com tristeza por não ter aproveitado a minha vida, mas feliz por ter um dia ter chegado até aqui. Então é isso, Adeus.
—  Relatos de uma menina que sentiu a terrível dor do câncer.