lendo-esse-livro

Todo ser humano é um universo em si mesmo. Os seus pais se juntaram a Deus para criar uma alma que jamais deixaria de existir. Eles, como co-artífices, forneceram os materiais, genéticos ou não, que foram combinados de forma única para criar uma obra-prima imperfeita, mas ainda assim extraordinária. Então tomamos em nossas mãos o que eles nos trouxeram, acrescentando o que somente nós poderíamos dar: Vida.
—  A travessia 

teleportei-me asked:

Não lê UM DIA. PIOR COISA QUE VC VAI FAZER DA SUA VIDA, é ler esse livro, to falando mt sério. Eu dormia lendo esse livro de tão chato que é

Opinião tua, só pra constar xhsajhsajsh porque eu amo um dia

Título: Olhos Azuis, Cabelos Pretos

Autor(a): Marguerite Duras

Título Original: Les yeux bleus, cheveux noirs

Editora: Nova Fronteira

Inicializado em: 06/04/2015

Finalizado em: 08/04/2015

Nota: 1

Lendo esse livro bem não gostei dele porque conta a história de um casal que vivem um romance.

Porém o livro não cria nenhuma expectativa do que está por vir do que pode acontecer e isso me frustrou muito.

New Post has been published on Sl Underground Magazine

New Post has been published on http://zine.acidicinfektion.com/magazine/?p=1326

Uma Razão Para Respirar

 Eu fiquei fascinada assim que li a sinopse desse livro, com o desejo crescente de lê-lo. Demorou até finalmente ter ele em minhas mãos, mas logo eu já havia devorado cada palavra contida nele.
Foi tão incrível voltar a sentir coisas que eu não sentia a tanto tempo. Dor, tristeza, alegria, ansiedade em níveis explosivos… Esperança. Lendo esse livro eu senti coisas que não sentia desde que li Menina Morta-Viva e é incrível quase gritar de alegria após ler apenas uma única frase. Sentir uma emoção atrás da outra a cada reviravolta da história é energizante. Acho isso a coisa mais maravilhosa do mundo e acho incrível quando um autor consegue fazer esse tipo de coisa.
Mas voltando ao livro, e saindo das minhas emoções, Uma Razão Para Respirar é um livro incrível.
O quanto você é capaz de suportar pelas pessoas que ama? Essa pergunta define perfeitamente Emma Thomas. Ela é uma garota de dezesseis anos que aos sete perdeu o pai para a morte e a quatro anos mora na casa dos tios, pois sua mãe abandonou-a. Ela sofre nas mãos de sua tia, Carol, que se dedica a tornar cada segundo de Emma naquela casa uma tortura. Com violências verbais constantes e violências físicas ocorrendo entre grandes e pequenos intervalos de tempo, ela suporta tudo em silêncio. Por diversas vezes pensa em denunciar sua tia, mas sempre pensa em seus primos que ficaram sozinhos se ela fizer isso. A todo momento ela pensa que é por eles que suporta tudo e essa é a única coisa que a ajuda a ter forças para suportar.
Seu tio não imagina o que ocorre enquanto esta fora de casa e sempre fica ao lado de sua esposa acreditando em tudo o que ela diz, sem enxergar a verdade quase esfregada na sua face.
Emma possui uma melhor amiga, Sara. Na verdade ela é sua única amiga já que ela afasta a todos. Sara sabe o que ocorre dentre as paredes da casa de Emma, mas entende, sem aceitar, quando ela diz que não pode falar sobre isso. Emma se dedica o máximo possível aos estudos para sempre ter as melhores notas e prática basquete e futebol para ter sempre a chance de ficar fora de casa após a escola. Emma é a aluna perfeita, mas não deixa que as pessoas lhe elogiem por isso, ela prefere esperar terminar a escola o quanto antes e então entrar para uma faculdade, livrando-se da casa de seus tios.
Ela suporta dia após dia sempre centrado no dia em que poderá ser livre, mas tudo isso muda quando Evan Mathews é transferido para a sua escola. Ele tanto não aceita suas esquivas para afasta-lo como permanece perto, testando as barreiras que ela criou para distanciar todos de si. Emma sabe o risco que corre enquanto não consegue afastar ele, mas sua amiga, Sara, não lhe apoia na ideia de afasta-lo.
Emma tenta de tudo para afasta Evan, mas fica cada vez mais difícil com seu coração palpitando sempre que está perto dele e sua face enrubescendo. Ela faz de tudo para tentar manter uma amizade civilizada com ele após admitir para si mesma que gosta dele, mas a coisas pioram cada vez mais a medida que Evan desconfia de seu segredo.
Com suas barreiras quase desabando, ela acaba discutindo com ele e ponto um ponto final na sua amizade. Por mais que isso a destrua, ela permanece convicta que foi o certo a ser feito. Mesmo sendo difícil vê-lo tão longe de si, ela sofre tudo silêncio até o dia em que sua tia passa do limite ao agredi-la. Mesmo sabendo estar fortemente machucada ela não pensa duas vezes em jogar a final do campeonato de basquete, mas tudo tem um preso e mesmo suportando a dor o jogo inteiro nada pode impedi-la de não acordar ao bater a cabeça no chão após ser espancada até ficar inconsciente.
Acordar no hospital e saber como ocorreu o acidente pela visão das outras pessoas foi horrível e suportar ficar imobilizada devido aos ferimentos, mentir para os médicos e ficar longe de Evan mais ainda.
Ao retornar a escola ela tem mais uma surpresa, Evan mudou-se para o outro lado do país. O que poderia ser pior que isso? Nada. Seu coração despedaça-se de uma forma inacreditável a ponto de ela se tornar uma casca vazia. Isso muda quando Drew Carson entra na sua vida procurando ficar. Ela faz de tudo para esquecer Evan com ele, mas isso é impossível. Quando ele percebe isso e deixa-a, ela não sente sua falta nem um pouco. Como poderia com seu coração sofrendo por outro? Ela volta a mesma solidão de antes, cavando-se fundo em um buraco dentro de seu coração.
Tudo isso muda quando Evan volta, derrubando completamente suas barreiras. Ela entrega-se plenamente ao amor que sente por ele e não se importa com o que pode acontecer caso sua tia descubra. Por apenas por um momento ela deseja… Respirar.
Com um final que deixou-me extremamente apreensiva e desesperada por ler a continuação, Quase Sem Respirar, Uma Razão Para Respirar é um ótimo livro que leva todas as emoções ao limite.
Primeiro livro da trilogia Breathing, Uma Razão para respirar é um livro de Rebecca Donovan, que subiu grandemente em meu conceito ao abordar um tema tão delicado e com tanta conexão com a realidade como a violência doméstica.