legislativo

O drama vivido pelos professores do Estado do Paraná

O drama vivido pelos professores do Estado do Paraná

O Governo do Estado resolveu por bem lançar mão do dinheiro da Previdência dos Servidores estaduais do Paraná, para cobrir o furo de sua gestão dos quatro anos anteriores. A Assembleia, encampando a ideia do Governo, decidiu pela votação do projeto. Para tanto, requereu a tutela do Judiciário no intuito de evitar que professores invadissem a Casa Legislativa. Ocorre que em ocasião anterior, na…

View On WordPress

Declaração de Repúdio aos Deputados que se abstiveram ou votaram a favor do PL 4330/2004

A Federação das Entidades de Servidores Públicos do Estado de São Paulo - Fespesp, por meio de sua Diretoria Executiva e do Conselho de Representantes, vem manifestar seu repúdio a Vossa Excelência, por ter se abstido da votação ou votado a favor do Projeto de Lei nº 4330/2004 que dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

O PL da Terceirização é muito ruim para a classe trabalhadora do Brasil, ao jogar na lata do lixo, direitos de todos os funcionários do país, também com ramificações no funcionalismo público. A terceirização precariza as relações trabalhistas e acaba com direitos históricos dos trabalhadores brasileiros.

Pelos motivos expostos, a Fespesp posiciona-se contrariamente ao PL 4330/2004 e lamenta que Vossa Excelência tenha votado contra os trabalhadores do nosso estado.

Federação das Entidades de Servidores Públicos do Estado de São Paulo
São Paulo, 16 de abril de 2015

“Charlatanes, mi gente en el 2012, no voten” Tales dietas -de entre $150 y $162-, se conceden a los legisladores por cumplir un horario y constituyen una doble paga a empleados que ya reciben unos $74,000 anuales en salarios por asistir a sus puestos de trabajo -que por trabajar es otra cosa-; privilegios a los que se agregan los pagos adicionales para vehículo, chofer y viajes al exterior

(Concurso) Guaíra - Câmara de Vereadores realiza concurso com salário de até R$ 3,1 mil

O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE GUAÍRA – Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais, TORNA PÚBLICA a abertura de inscrições e estabelece as normas para a realização de concurso público para ocupação das vagas existentes e formação de cadastro reserva para os cargos de Advogado (20 horas semanais), Assistente Administrativo (40 horas) e Recepcionista (40 horas).

O Concurso Público,…

View On WordPress

Em 1984 houve a votação de uma proposta de emenda à Constituição para a realização de eleições diretas para presidente da República

Nota do Micelli: fala-se tanto em corrupção, em nacionalismo e tantas outras coisas.

Há 31 anos, o povo brasileiro foi traído. E o foi por muitos que estão aí até hoje.

Só para não esquecer.

A política fracassou por Rui Fabiano

Em apenas um semestre de governo, já são dois os ministros demitidos por denúncias de corrupção – Antonio Palocci, da Casa Civil, e Alfredo Nascimento, dos Transportes - e muitos os casos análogos levantados.

A presidente, embora externe repúdio àquelas práticas, não é tão convincente na hora de agir.

Atenuou o tom crítico em relação às denúncias no Ministério dos Transportes, entregue à gestão do PR, e o manteve sob o domínio daquela legenda.

É refém de seus aliados, mesmo sabendo que muitos não resistiriam a um inquérito preliminar numa delegacia da esquina. No entanto, depende deles.

Para além das responsabilidades específicas do governo do PT, um fato é inquestionável: o sistema político decorrente da Constituição de 1988 fracassou. E o país colhe os frutos desse fracasso.

O presidencialismo de coalizão, além de todas as barbáries que favorece na gestão pública, é disfuncional.

As maiorias se estabelecem por processos nada transparentes (ainda que seus efeitos o sejam) e, mesmo assim, não oferecem qualquer segurança ao governante.

Nada garante ao governo fidelidade, já que um episódio como o do Ministério dos Transportes, em que um dos parceiros, ainda que tenha fornecido todos os motivos, foi contrariado, pode entornar o caldo e ensejar traições. A recomposição é penosa – e cara.

Nada justifica que o novo ministro dos Transportes seja Paulo Sérgio Passos, braço direito do ministro afastado. Saiu o seis e entrou o meia dúzia. Por mais inocente que seja, Passos simboliza a permanência do esquema afastado, o que soa como capitulação às ameaças que os demitidos fizeram questão de transmitir pela mídia.

Não foram poucas, nem subliminares. Em síntese, Dilma, como comandante do PAC no governo anterior, gerenciou o setor até as eleições, conhecendo em detalhes o seu funcionamento.

Há ainda insinuações de que dali proveio, ainda que indiretamente, parte dos recursos de sua candidatura.

Pode-se até cobrar da presidente ações mais firmes, mas está fora de seu alcance – e de quem quer que estivesse em seu lugar – promover uma faxina de fato. O sistema não o permite e levaria o governante a uma situação inadministrável.

Tudo passa pelo Congresso e, sem maioria, não há como despachar uma simples autorização de viagem ao exterior.

O que fazer? As opiniões são muitas, como se deduz das múltiplas propostas de reforma política em tramitação há anos. O diagnóstico, porém, é um só: o sistema que aí está não funciona porque é um híbrido improvisado.

Como se sabe, a Constituinte, até uma certa altura de seus trabalhos, fizera a opção pelo sistema parlamentarista de governo.

A adoção das medidas provisórias, por exemplo, é fruto daquela opção, que faz todo sentido no parlamentarismo e nenhum no presidencialismo, que afinal prevaleceu pela interferência do então presidente Sarney, que não queria virar subitamente a rainha da Inglaterra, a que reina, mas não governa.

Esse, porém, é apenas um dos subprodutos. Há outros. Os sistemas partidário e eleitoral falam por si. Há 27 partidos e, à exceção de uns quatro ou cinco, ninguém sabe exatamente o que significam, o que postulam. Sabe-se o que fazem – e o episódio do Ministério dos Transportes não é um fato isolado. É um padrão.

O resultado é o que temos: o Executivo é refém do Legislativo, que, por sua vez, vê suas funções frequentemente usurpadas não apenas por aquele Poder, mas também pelo Judiciário.

Nenhum está em condições morais de se queixar do outro, pois tudo o que cada um diz do outro, nas atuais circunstâncias, faz todo sentido.

Num sistema assim, não há perigo de melhorar.

Ruy Fabiano é jornalista

Extraído do Blog do Noblat 16/07/2011

Curiosidades de um País de loucos!

Um motorista do Senado ganha mais para dirigir um automóvel do que um oficial da Marinha para comandar uma fragata!

Um ascensorista da Câmara Federal ganha mais para servir os elevadores da casa, do que um oficial da Força Aérea que pilota um Mirage.

Um diretor que é responsável pela garagem do Senado ganha mais que um coronel do Exército que comanda um regimento de blindados.

Um diretor sem diretoria do Senado, cujo título é só para justificar o salário, ganha o dobro de um professor universitário federal concursado, com mestrado, doutorado e prestígio internacional.

Um assessor de 3º nível de um deputado, que também tem esse título para justificar seus ganhos, mas que não passa de um “aspone” ou um mero estafeta de correspondências, ganha mais que um cientista-pesquisador da Fundação Instituto Oswaldo Cruz, com muitos anos de formado, que dedica o seu tempo buscando curas e vacinas para salvar vidas.

PRECISAMOS URGENTEMENTE DE UM CHOQUE DE MORALIDADE, NOS TRÊS PODERES DA REPÚBLICA, Executivo, Legislativo e Judiciário.

JÁ PERDEMOS A CAPACIDADE DE NOS INDIGNARMOS. PORÉM, O PIOR É ACEITARMOS ESSAS COISAS, COMO SE TIVESSE QUE SER ASSIM MESMO, OU QUE NADA TEM MAIS JEITO.

VALE A PENA TENTAR…

VAMOS TODOS PARTICIPAR DESTE ATO DE REPULSA…

URGENTE - REUNIÃO DA COMISSÃO DE ENTIDADES - 27/04/2015

A Federação das Entidades de Servidores Públicos do Estado de São Paulo (Fespesp) convoca todos os seus diretores, membros do conselho de entidades, demais associações e sindicatos, bem como outras federações e confederações, para a reunião abaixo discriminada.

Como pauta, desde março passado, a Comissão das Entidades Representativas de Servidores Públicos do Estado de São Paulo tem o intuito de reunir o maior número de representações para discutir e propor soluções para temas do funcionalismo de São Paulo, com destaque para o Decreto 61.132 de 25 de fevereiro de 2015, do governador Geraldo Alckmin, que veda a concessão de reajustes ao funcionalismo da administração direta, bem como outros temas como reposição salarial do Judiciário e Legislativo, mobilização dos professores, questões relacionadas ao Iamspe, discussão sobre a PEC 555, entre outros assuntos.

Sua participação é fundamental para fortalecer o movimento e a união de todos em defesa do funcionalismo.

Participe! Divulgue! Compareça!

  • REUNIÃO DA COMISSÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DE SERVIDORES PÚBLICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO
  • DATA: 27 DE ABRIL DE 2015, 10 HORAS, PLENÁRIO TIRADENTES, ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO
Secretario de Finanzas comparece ante Poder Legislativo

Secretario de Finanzas comparece ante Poder Legislativo

Desglosa paquete económico 2015

Fernando Soto Acosta, secretario de Finanzas del gobierno del Estado, compareció este 02 de diciembre ante el pleno de la LXI Legislatura, a fin de desglosar el paquete económico 2015.
El funcionario estatal informó que se tiene un presupuesto mayor en relación al año anterior en un 5%, en tanto que en materia de ingresos se estima un incremento de 6.6% respecto al…

View On WordPress