Quantos livros você largou na juventude simplesmente porque não estava com tempo, com o espírito e a paciência, com o clima necessário para cruzar a linha final? E eram criações ruins? Talvez não. Vai ver não era o momento certo. E quem vai dizer que, no futuro – ou um dia desses, na próxima década, sei lá – você não vai esbarrar com o clássico na prateleira de uma biblioteca pública e lembrar com carinho do dia em que tentou encarar a personagem e o enredo, porém, por vários motivos – que agora nem têm mais importância – você não o fez, não foi até o fim. Certos amores também são assim, eu acho.
—  Gabito Nunes.
Você queria mudar o mundo e parar o tempo. É, todo mundo quer. Mas acabou construindo as mesmas coisas, essa série de clichês adultos, como filhos, dizer “sim” na frente de algum juiz de paz, ganhar dinheiro, sobrepeso, netos, diabetes. E também construir uma casa enorme, com piscina e churrasqueira. Aí, quando você já está velho, apto a fazer críticas frontais, soltar palavrões e contar putarias da juventude, enfim, finalmente ter pensamentos de um homem livre, vem a cuidadora de idosos interrompendo a conversa neto-avô, pois já está na hora de trocar a fralda.
—  Gabito Nunes.

Listen.

Life is fucking hard. You aren’t the only looking for a job or trying to get away from an abusive partner or parent[s]. You aren’t the only one trying to pay bills or struggling with identity crisis or sexuality. You aren’t the only one who thinks there is no happy ending. I encourage you to not hold that shit in. Even if you have no one to talk to, write it down at least. Do not let death be your release because you feel like having problems make you weak. I ain’t here to preach. I just don’t want y’all to be holding on to 22 years of regret and standing on a ledge contemplating it all in the middle of the night somewhere on a big building in the  middle of the city while everyone else gets ready for work.

Do not let your hardships consume your life. Nothing last forever.

-Hershey.