059- Leo sempre foi uma criança relativamente séria. Um dia sua mãe lhe disse que rir era o melhor remédio para sair de uma situação. Depois que ela morreu ele se tornou a pessoa mais engraçada que julgava possível. Ele queria honrar a mãe, que estava sempre rindo, contando piadas e de bem com a vida. Quem o visse durante a adolescência, rindo de tudo e fazendo outras pessoas rirem nunca adivinharia que durante anos ele chorou até dormir pensando na mãe.
066- Annabeth sempre se perguntou porque Percy não tinha ficado na ilha de Calipso. É claro que ela era racional o suficiente para saber que lá a vida dele teria sido bem mais fácil. Lá não teria guerra, monstros ou qualquer tipo de infelicidade pois Calipso não iria brigar com ele, não depois de passar tantos anos presa lá sem ninguém. Um dia ela resolveu perguntar e ficou surpresa quando ele corou e disse: "Ela me falou que lá eu poderia escapar da profecia. Não teria que enfrentar monstros ou lidar com a inconstância dos Deuses. Mas depois que você me beijou eu soube que não ia querer passar a eternidade ao lado de ninguém que não fosse você."
054- Quando a filha de Nico e Emma nasceu, ela foi diagnosticada como autista. Foi difícil durante a infância dela, já que a garota gostava de brincar e conversar sozinha, mas Emma, uma das filhas de Apolo não se preocupava com isso. De certa forma a despreocupação da mulher irritava Nico, até o dia em que ele estava na sala observando a filha brincar e ela começou a conversar sozinha. De repente ela começou a rir, Nico não entendeu e perguntou o que tinha acontecido. "É verdade que o senhor gostava de brincar de mitomagia?" ele ficou surpreso que ela soubesse disso, afinal, ele não se lembrava de ele ou Emma terem falado isso perto dela. Quando perguntou como ela sabia disso, a garota respondeu "A tia Bianca me contou, ela gosta de falar sobre quando vocês dois eram crianças."
128- Depois que Luke morreu, Thalia o via em todos os lugares. O via sempre que via um homem louro na rua, alguém de olhos azuis e sempre que via alguém com um sorriso parecido com o dele. Ela o via em seus sonhos e em coisas tão inusitadas que por um tempo achou que tivesse ficado louca. Mas, principalmente, ela o via sempre que o garotinho de cabelos louros e olhar sorridente pulava do colo de Annabeth e ia para o dela. "Oi, tia!" ele dizia. Annabeth não sabia, e Percy nem desconfiava. Mas Thalia sabia. Aquele garoto que estava sempre aprontando era Luke. Ou, pelo menos, quando Luke escolheu renascer foi no corpo do filho de Percy e Annabeth que ele voltou.
229- Hades odiou Nico quando Bianca morreu, pois achava que a filha se parecia tanto com Maria que preferia que ela tivesse ficado viva, e o garotinho fraco e com as qualidades que mais detestava em si mesmo tivesse morrido. Ele levou anos para perceber que só odiava Nico porque ele era tão parecido com a mãe quanto a irmã, e ficar perto dele era uma lembrança constante da mulher que amava, e que morreu pelos filhos.
094- Thalia sempre tentava se manter o mais ocupada possível para não ter tempo de pensar em Luke. Isso não funcionava pois sempre que ela dormia sonhava com ele. Ela não gostava de dormir porque sempre sonhava com ele, e quando acordava se dava conta de que podiam ter tido uma vida juntos, e essa verdade a atingia como chuva fria. Todos as noites ela passava acordada chorando, e segurando a única lembrança física que tinha dele. Um pequeno pingente de raio que ele tinha dado para ela na época que fugiam juntos de monstros. Antes que as caçadoras acordassem, porém, ela tinha que limpar a s lagrimas e se fingir de forte. Ela era a tenente de Ártemis, filha de Zeus, irmã de renomado Jason Grace. Todos esperavam que, de todas as pessoas, ela fosse a mais forte.
073- Thalia nunca gostou muito da ideia de ser uma eterna donzela. Ele tinha aceitado porque estava sobre muita pressão. Seu aniversário estava para acontecer, Luke tinha ido para o lado de Cronos e todos os deuses estavam esperando uma resposta. Além disso ela estava com medo da profecia. Não lhe parecia certo fazer com que a profecia recaísse sobre Percy, mas ela não queria ser a meio-sangue mencionada. Ela tinha medo que acabasse por destruir o Olimpo. Ela sabia que, no fundo, ainda amava Luke. Se ele a pedisse para mudar de lado ela não sabia o que faria. Talvez mudasse. Ela tinha medo do que poderia fazer caso fosse a meio-sangue mencionada. Ela não sabia se iria ajudar ou derrotar os deuses. O que mais a assustava era que ela sabia que, se mudasse de lado, ela conseguiria derrota-los. Ela sabia que tinha esse poder.
197- Edmundo era o único que entendia o fato de Susana ter esquecido Nárnia. Ele havia passado inúmeras noites acordado com ela, a ouvindo chorar e se lamentar por não poder mais ir pra Nárnia. Ele entendia seus motivos. Ela gostava de Nárnia, de ter súditos e de ser rainha. Gostava de viver em Nárnia, e adorava as aventuras que vivia lá. Quando ela parou de chorar, parou de se lamentar e começou a sair de casa, ir para festas com as amigas e a se divertir novamente, ele ficou feliz por ela. Mas então ela não parecia mais se lembrar de Nárnia, ria disso quando os irmãos estavam conversando, e dizia como eles eram bobos. Pedro e Lucia ficaram decepcionados com ela, mas Edmundo quase ficou feliz quando viu que todos estavam em Nárnia e ela não. Ela não seria mais feliz se voltasse, estava feliz onde estava, e se ela estava feliz, ele ficava feliz por ela.
202- Thalia nunca gostou de usar acessórios. Ela detestava brincos, colares e anéis. As únicas exceções eram a tiara que havia sido de Zoe, e o bracelete de seu escudo. Um dia, quando estava passeando pelo acampamento, uma garota apareceu correndo e lhe disse: "Thalia, certo? Filha de Zeus?" "Sim, por que?" a garota suspirou aliviada, como se tivesse orgulhosa de ter acertado seu nome. "Meu nome é Clary, filha de Hermes. Eu era irmã de Luke." Thalia não se surpreendeu. A garota também tinha feições marotas e um olhar brilhante, exatamente como Luke quando eles se conheceram. Ainda era triste pensar nele, mas ao invés de demonstrar, perguntou: "O que foi?" a menina olhou ao redor, e vendo que não havia ninguém por perto, pôs um pequeno pingente na mão de Thalia. "Isso era dele. Bem, na verdade isso era seu, mas depois foi dele, e agora..." "Como você conseguiu isso?" ela perguntou espantada. "Hum, Luke me deu. Antes de ir embora do acampamento. Ele disse que era pra eu guardar pra ele, que algum dia ele voltaria para pegar de volta, mas, bem, ele morreu." Thalia olhou para ela, e então para o pingente. Sabia que o certo seria devolve-lo, mas não queria larga-lo. Por fim, abriu a mão e o ofereceu a garota, que balançou a cabeça. "Não. Fica. É seu." então ela começou a se afastar. Quando estava a poucos metros de distancia, se virou e disse: "Sabe, Luke sempre estava com esse pingente. Todas as noites, eu o ouvia sair do chalé e o via caminhar até o pinheiro. Ele sempre levava o pingente consigo, e passava horas olhando para ele. Quando eu perguntei de quem era, ele respondeu: 'Thalia, a garota que tinha os olhos mais azuis que eu já conheci.'" Então se virou e foi embora, deixando a filha de Zeus olhando para o pingente de raio com os olhos embaçados. Ela lembrava daquele pingente. Ela mesma havia dado para ele, um pouco antes de se beijarem pela primeira vez.
268- Quando Percy surgiu na ilha de Calipso, machucado e quase morto, Calipso se empenhou em tira-lo do lago e cuidar do garoto. Ela havia decidido que, não importava o quão incrível ele fosse, ela não iria se apaixonar. Não dessa vez. Então o tempo foi passando, e ela cuidou dele. Ria das coisas que ele falava enquanto dormia, e do jeito bagunçado e impossível de pentear dos seus cabelos. Teve o dia em que ele finalmente abriu os olhos, e mesmo com eles vermelhos e confusos ela ficou fascinada por aqueles lindos olhos verdes. Depois ele acordou, e quando ela percebeu que adorava quando ele ria ou dizia alguma coisa boba, e que reparava demais na forma como ele fazia brincadeiras e seus olhos brilhavam quando falava sobre suas aventura, tudo que ela conseguiu pensar foi: "Oh deuses, de novo não!"
070- Quando Nico descobriu que a irmã tinha optado por renascer, ele ficou ao mesmo tempo decepcionado e curioso. Decepcionado porque agora ele tinha como traze-la de volta mas isso não seria possível, e curioso para saber qual corpo ela iria assumir na nova vida. Ele tinha certeza que se Bianca pedisse para o pai para voltar no mesmo ciclo social que conhecia antes de morrer ele permitiria. Ele faria qualquer coisa que a filha pedisse. Mas infelizmente Nico não tinha o mesmo poder que o pai para descobrir sobre o destino de uma pessoa depois que ela renascia. Ele só descobriu quem ela era durante o aniversário de 16 anos da filha Percy e Annabeth, quando viu ela sorrindo para o irmão e ele percebeu que era o mesmo sorriso que Bianca dava para ele quando estava orgulhosa de algo que ele havia feito, por mais idiota que fosse.
041- Percy nunca entendeu como Annabeth podia ser tão ciumenta. Ele já tinha dado provas mais do que suficientes para ela de que a amava, e só a ela. Quando ele decidiu pedi-la em casamento, perguntou: "Annabeth Chase, por você eu entrei em um túnel do amor com aranhas demoniacas, naveguei o mar de monstros, suportei a maldição do titã, entrei no labirinto de Dédalo, lutei na batalha contra Cronos e na contra Gaia. Passei por tudo isso só para te ver feliz e salva. Você aceita casar comigo, sabidinha?" Annie nem soube como falar um 'sim' a altura do pedido. Aquela foi a primeira vez que Percy disse alguma coisa que fez com que a filha de Atena não soubesse dar uma resposta digna.
092- Os romanos tinham um espirito de família muito grande. Eles ficaram surpresos quando descobriram que os semideuses gregos não chegavam a ficar velhos o suficiente para ter uma família. Os gregos geralmente morriam na adolescência, isso se chegassem a ter idade suficiente. Com os romanos era completamente diferente. Era tão estranho para eles quando algum romano jovem morria, que todo o acampamento acabava sofrendo pela perda. De certo modo foi muito pior para eles a guerra contra Gaia. Eles tinham um ótimo plano de ataque e mataram muitos monstros, mas cada jovem que caia era um impacto em todo o acampamento. Eles passaram a admirar mais ainda os gregos quando viu que eles aceitavam a morte melhor, ou pelo menos já sabiam como lidar com a dor.
033- Os filhos de Rony e Hermione sempre perguntavam para a mãe sobre seus pais, Hermione sempre recuava e mudava de assunto, o que só os deixava mais curiosos. Um dia, depois de Hugo insistir muito ela caiu no choro na frente dos filhos. Rony mandou eles irem para os seus quartos e ficou na sala para consolar a mulher. Depois ele foi no quarto dos filhos e depois de muita insistência, explicou: ''Quando sua mãe soube que a guerra ia mesmo acontecer ela tirou a memoria de seus pais para protege-los, mas quando a guerra acabou, nós haviamos ganhado, ela voltou para casa para reverter o feitiço. Mas os seus pais estavam felizes de um jeito que ela nunca tinha visto antes, o olhar deles não tinha mais preocupação. A avó de vocês estava gravida. Hermione não teve coragem de reverter o feitiço porque queria que os pais fossem felizes. Se eles se encontrassem hoje, eles não reconheceriam ela.'' Depois desse noite eles nunca mais insistiram no assunto com a mãe, porque agora eles entendiam como devia ter sido difícil libertar as pessoas que amava pra que elas fossem felizes.
212- Quando Annabeth viu que não havia como evitar cair no tartáro, ela perdeu completamente as esperanças. Viu que Percy não desistiria, mas isso só fazia com que as coisas se tornassem mais difíceis. Ela tentou transmitir para ele um olhar dizendo que o certo seria desistir, que não havia um jeito de ela ser salva. Que ele deveria sair de lá o mais rápido possível, e ajudar os seus amigos. Pelo seu olhar, ela viu que ele tinha entendido, mas isso não significava que ele iria obedece-la. Persistência sempre foi uma das características que ela mais admirou no namorado. "Nós vamos ficar juntos", ele prometeu. "Você não vai ficar longe de mim. Nunca mais.". E então ela percebeu que não importava quão desesperadora e perigosa fosse a situação, Percy ficaria ao seu lado. Sempre.
230- Annabeth sempre quis ter uma irmã mais velha, e quando conheceu Thalia, foi exatamente isso que aconteceu. Ela era a irmã que Annie sempre quis ter: determinada, forte, decidida, corajosa e, o mais importante, se importava e cuidava de Annie. Ela sabia que Thalia era quem mais atraia monstros, e que ela e Luke estavam em perigo em parte por culpa da amiga, mas não se importava. Estar entre amigos fazia com tudo valesse a pena. Então teve aquela noite na colina. Os monstros atacaram, e Luke estava machucado demais para lutar por ter protegido Annabeth o caminho todo até o acampamento. Grove estava aterrorizado demais par pensar em alguma coisa, e Thalia lutava por todos eles. Ela sabia que Thalia era um ótima lutadora, e que era muito boa em lidar com monstros, mas naquele dia eles eram tantos que Annie, pela primeira vez, achou que a amiga não conseguiria. Então a filha se Zeus se virou para Luke, que lutava com um monstro que havia tentado atacar Annabeth e Thalia, e Annie viu o jeito como eles se olharam. Luke percebeu antes dela o que Thalia pretendia fazer. "Não!" ele gritou, empurrando Annabeth para trás enquanto tentava alcançar Thalia "Thalia, não!" ela não disse nada, apenas transformou em pó um monstro e se virou por poucos segundos, o suficiente para beijar o filho de Hermes e dizer "Cuide da Annie." Então se virou para Annabeth e sorriu, um sorriso de despedida, e entrou ainda mais no meio dos monstros. Naquela noite Thalia morreu, e Annabeth, mesmo sem falar nada, percebeu que uma parte de Luke também morreu com ela. Ele não cuidou verdadeiramente de Annie. Talvez porque ele mesmo parecia precisar de alguém cuidasse dele. Anos depois, Percy chegou ao acampamento, e pela primeira vez desde a morte de Thalia, ela achou que talvez estivesse encontrando alguém que se preocuparia com ela do mesmo jeito que a amiga havia se preocupado.
235- Depois da guerra contra Cronos, Ártemis chamou Thalia para conversar e disse que agora que tudo tinha acabado, ela poderia sair da caçada se quissesse, pois sabia que aquele nunca tinha sido seu desejo. Thalia ouviu tudo em silencio. Ela pensou no que faria se saísse da caçada. Poderia voltar ao acampamento, fazer novos amigos e até mesmo tentar encontrar alguém especial. Então pensou em Luke, e em todas as coisas vividas entre eles antes e depois dela ter virado um pinheiro. Pensou nas risadas, brincadeiras e conversar até de madrugada. Pensou nas batalhas lutadas juntas, e nas que lutaram um contra o outro. Quem ela queria enganar? Nunca seria feliz sem ele. Nunca encontraria outro alguém, e mesmo se o fizesse, a pessoa seria apenas uma substituta. "Eu vou ficar" respondeu "Eu quero ficar se não se importar, senhora." "Mas por que? Nós duas sabemos muito bem que você não quer isso. Só aceitou minha proposta para evitar a profecia." "Tem razão, eu não queria ser caçadora. Mas agora... Tudo que eu quero é ficar em um lugar onde seja útil. E a caçada é o melhor lugar para isso." Ela estava prestes a sair quando Ártemis lhe perguntou: "Você amava o filho de Hermes, não? Ele não esta mais aqui, mas você poderia amar de novo. Ter uma vida ao lado de outra pessoa." "Nunca haveria outra pessoa, mesmo que eu tentasse. Quanto mais tempo livre mais eu penso nele, e a caçada me mantém ocupada o suficiente para que o único momento em que eu possa pensar em nós dois e em como teria sido, é durante poucas horas, quando eu preciso dormir. Por isso eu escolho ficar."
267- O filho mais velho de Percy e Annabeth era o que mais gostava de visitar a vovó Sally. Eles passavam horas assistindo TV ou comendo, e ela sempre lhe contava histórias divertidas sobre o pai. Mas o principal motivo dele gostar de passar o final de semana com a avó, era que sempre dormia no quarto antigo do pai, e podia passar a noite toda admirando a estranha flor prateada que ficava na janela sem que seus irmãos ficassem lhe enchendo com perguntas que ele mesmo não sabia responder.
Text
Photo
Quote
Link
Chat
Audio
Video