dthalita

Os seus olhos, tão meus
e eu inteira tão sua,
traduzindo o olhar
que reflete a alma nua.

Revelado no seu sorriso
e na pele arrepiada,
quase sinto o gosto
de ter me tornado um nada.

Sua boca, minha boca,
ambas se tocando de lado,
acalmando a dor do outro
tirando o fardo pesado.

Colecionando os seus olhares,
espalhando pelos sete mares
enfeitando o céu com palavras suas
para enfim encontrar-te em todas
as pessoas nas ruas.

Por dentro dói a saudade que invade.
Sem teus sinais me sinto a beira de um cais
prestes a pular, com a alma nua sobre o
reflexo da lua.

E nada é mais frustrante
do que essa espera infinita
que no interior grita, chama,
mas por fora a expressão do rosto
engana.

E quando você vai voltar pra mim?
Meu bem, eu não sei, mas vê se volta
você sabe, eu sempre vou abrir a porta.

—  Thalita Freitas
Último romance

Eu tento, eu juro que eu tento me convencer que estar perto não é físico, mas tudo vai por água a baixo quando me dou conta que sou toda gota que escorre livre pelo rosto e só sossega quando encontra a sua boca. Quero te contar dessa gente toda, dessa pressa tanta, e desses dias cheios. Se você também está cansado dessa monotonia, o meu peito poderia muito bem ser a tua moradia. Olha, eu não sei se o mundo é bom, mas ele está melhor desde que você chegou. E eu nem vi você chegar. Foi como ser feliz de novo. Percebi que a vida é uma viagem, mas não se preocupe, você não vai se aventurar sozinho se depender de mim. Analisei minhas manhãs antes de você, e vi que manhã cedo, agora é bom de levantar, pois toda dor que me aparece eu te conto, e você me cura sem se quer notar. Juntei minhas músicas preferidas, só pra te dizer que se o tempo for te levar, eu sigo essa hora, eu pego carona pra te acompanhar.

Thalita Freitas.