Entenda

Você entendeu tudo errado, como pôde entender assim? O mundo sempre foi o resto para mim, eu existo em outro lugar, não gasto a palavra, bem como o carinho, nunca escondi que não costumo me importar, porque o mundo não vai colher o que não plantou em minha alma, me ouça com calma - eu me importo.

Eu me importo porque você me pegou existindo na esquina do verso que te vi, nas entrelinhas do metrô da minha verdade, nessa ironia que vai dar em nossos destinos, esteja você em qualquer parte. E você já quer descer?

Trate de entender direito e tire esse peso do meu peito, pois qualquer dia desses, em um fim de tarde com as cores que eu quiser, com as cores que pintar, nas esquinas da vida, ou na rima bem bolada de um poema, tomaremos um café despreocupados. E no meu mundo meu bem, o que é bom dura muito, você vai ver.

- Transtorno Poético -

Quizá eso fue lo primero que me atrajo; tu juguetona manera de ser y ese aire despreocupado tan tuyo. Incluso tu malhumor y el orgullo que me hería.
—  Editus, Natasha Castello.
Como você está?

Essa é uma pergunta muito comum não é mesmo? Tão comum quanto aquele OI quando vemos uma pessoa conhecida na rua :) Mas, as pessoas nem sempre perguntam porque se preocupam com o nosso estado emocional. Não sei como está muitos nesse momento agora, não sei como anda a vida de quem está lendo isso, se está boa, ou se está ruim. A minha está boa, está linda! Estou vivendo dias lindos *-* Mas hoje aconteceu uma simples coisa que destruiu todo o meu humor. Minha família é minha base, meu chão! E quando acontece alguma coisa, briga, sei lá qualquer coisa, isso me abala muito. Principalmente se envolve minha avó, pai e minha mãe! E foi isso que aconteceu, meu pai e minha mãe. Mas não preciso entrar em detalhes né =D Mas enfim, eu sinceramente muitas vezes me sinto sozinha. Sem ninguém pra conversar, sem encontrar alguém que realmente se importe com o que eu estou sentindo, sem alguém que queira ouvir-me. Mas sabe, existe alguém que esteve disposto á me ouvir, e sei que também existe alguém que está MORRENDO DE VONTADE de ouvir você! De consolar você, de poder te abraçar e cuidar das suas mágoas. Esse alguém é Jesus. Queridos, Jesus é o teu salvador. Ele morreu numa cruz por amor á você. Se ele deu A PROPRIA vida por você, porque será que ELE NÃO SE IMPORTARIA COM VOCÊ? Queridos, o SENHOR se importa com você,  E MUITO! Ele se importa com seu bem estar, com o que você pensa, o que você faz, enfim… ele se importa com você! Agora, não se sinta só, corra para Jesus, porque se você está com problemas ele te ajudará a resolver. Se você não tem forças pra caminhar, Ele te carregará no colo. Se você está chorando, ele te fará rir muito. Ele promete ajudar você! Não espere o tempo passar, Jesus te ama. Ele NUNCA te rejeitará. NUNCA. Jesus é um PAIZÃO, o Pai que eu nunca tive, o Pai que sempre esteve comigo apesar de tudo! E ele está com você, só falta você estar com ele agora. ♥

Kazzui Pedraza ;

[Salão de Festas (Ala Central)

Decidi parar na ala central daquele salão, peguei um vinho em um dos pratos dos garçons que passavam por lá, até mais do que nas outras alas.

Fiquei em uma parte onde eu poderia ver as crianças que já havia encontrado em outras áreas do salão, sem que chamasse atenção delas. Despreocupado, comecei a tomar o vinho em minhas mãos calmamente, mas mantendo a etiqueta, afinal, aquela ala tinha mais gente rica de ambas os reinos do que nas outras.

   E então, como era noite e sua irmã Ártemis estava cuidando do céu, Apolo simplesmente tomou a forma do adolescente despreocupado que tanto gostava. Ele adorava caminhar entre os mortais e ver como cada um deles se comporta. Mesmo que parecesse estranho, o deus trazia consigo a aljava e o arco, mas eram poucos os olhares estranhos que lhe direcionavam. Quando cansou de observar, parou em algum lugar quase deserto, na frente de uma árvore e começou a atirar nela, só por diversão. As flechas fincadas no tronco acabaram formando o desenho de um sol bem infantil, e o deus riu do que tinha feito. Mal percebeu a presença próxima de si.

image

Son muchos. Vienen a pie, vienen riendo. Bajaron por Melchor Ocampo, la Reforma, Juárez, Cinco de Mayo, muchachos y muchachas estudiantes que van del brazo en la manifestación con la misma alegría con que hace apenas unos días iban a la feria; jóvenes despreocupados que no saben que mañana, dentro de dos días, dentro de cuatro estarán allí hinchándose bajo la lluvia, después de una feria en donde el centro del tiro al blanco lo serán ellos, niños-blanco, niños que todo lo maravillan, niños para quienes todos los días son día-de-fiesta, hasta que el dueño de la barraca del tiro al blanco les dijo que se formaran así el uno junto al otro como la tira de pollitos plateados que avanza en los juegos, click, click, click, click y pasa a la altura de los ojos, ¡Apunten, fuego!, y se doblan para atrás rozando la cortina de satín rojo.
—  Elena Poniatowska, La noche de Tlatelolco
O limite invisível das linhas imaginárias

"Não acha estranho esse jeito que o Cristo nos observa? silente."

"Ele não nos observa, ele nos ignora."

Nós tínhamos música, comida e a TV no mudo passando Jornal da Globo. Minhas unhas do pé pintadas de vermelho sobre o tapete e sob as pernas dele, num vai e vem despreocupado e leve, como formigas tentando roubar o açúcar em cima da mesa da cozinha.

"você tem alguma coisa pra esconder?" 

"de quem? de você? do Cristo? do Reitor da faculdade? você precisa me dar uma margem pra fazer esse tipo de pergunta"

Ele olhava para o alto distraído, a mão morena pousada na minha coxa branca e minhas unhas pretas procurando caminho entre os seus dedos. A janela da sala do meu apartamento ficava embaixo da mão esquerda do Cristo Redentor, com uma barreira de brócolis gigantes e depois a encosta do morro separando a gente. Chovia. A janela respingada de gotinhas nos guardava do frio lá de fora, do céu arroxeado com nuvens magras grudadas nele, e o cristo, silente, nos ignorava na sua frieza, mas espichava o ouvido para dar atenção à nossa conversa. 

"se eu pudesse entrar na sua vida e vasculhar seus pensamentos, eu ia gostar do que daria pra ver?"

"não sei. o que você pensa sobre infanticídio?"

"você é infanticida?"

"não. só estou dizendo que esse é o tipo de coisa que dá pra encontrar na cabeça dos outros. é bom não saber o que as pessoas pensam. se você já soubesse de tudo você iria embora por aquela porta e entraria na porta de outra."

" tem tanta maldade assim escondida embaixo desse nariz pequeno e desses olhos apertados?"

Ele não sabia de tudo, mas já sabia de todas as covardias miúdas, de encostar a boca perto da maçã do rosto e não beijar, mas quase. e de passar o polegar pela minha orelha quando punha o meu cabelo para trás. ele sabia que eu gostava de suas mãos que eram sempre tão quentes e, grandes o suficiente para segurar meu coração inteiro.

"não tem não. eu só não quero que você vá embora."

Nós estávamos sentados no tapete, com as costas encostadas no sofá, com as pernas emboladas, com uma das mãos entrelaçadas sobre o colo. Parece que ali o tempo não passa, tudo é lento, o ar, as imagens da TV que não fazem sentido, o movimento dos brócolis gigantes assoprados pelo vento, os beijos dele na minha boca. 

"Acho que o Cristo nos ignora pra nos dar um pouco de paz"

"Acho que ele nos observa justamente por isso"

"você consegue ficar em paz com alguém te vigiando?"

"não assim, literalmente"

"ele segura o mundo do lado de fora da janela e nos dá as costas"

"ele está de lado"

"metaforicamente" 

"não, ele está literalmente de lado"

"como você é insistente!"

"e como você é teimosa mesmo quando está errada!" 

"não é porque você só enxerga literalmente que as coisas só são literalmente.”

"Isso não faz o menor sentido"

"Se você parar de procurar sentido exato em tudo, eu te explico aos poucos como as coisas são sem ser."

"abstrato demais."

"você se acostuma"

Ele tirou os olhos do Cristo e enfiou nos meus. Demorado e sem pressa, com um sorriso em algum lugar da minha visão periférica. A gente ainda discutiria mais aquela noite. E no dia seguinte. E em todos os outros dias. Mas naquele instante, preferimos só ficar ali, encaixados sob a paz garantida por Cristo, ouvindo Zaca Baleiro e levantando só para buscar mais cerveja na geladeira, porque o tapete nos servia bem. 

"vamos dar um pulo em Santa Tereza amanhã?"

"uhum. mas só se parar a chuva."

eu já sabia que de manhã o sol estraria estalando de novo e secando do chão e das árvores a chuva de hoje. 

(Daniella Leal)

Text
Photo
Quote
Link
Chat
Audio
Video