corr!

anonymous asked:

O que toda mulher deveria saber sobre os homens?

Toda mulher deveria saber que os homens também tem sentimentos. Toda mulher deveria saber que os homens também gostam de carinho. Toda mulher deveria saber que os homens também quer se sentir amado. Toda mulher deveria saber que os homens também choram. Toda mulher deveria saber que os homens também sofrem. Toda mulher deveria saber que os homens também ficam chateados, após uma briga. Toda mulher deveria saber que os homens tem medo de perder a menina que mais ama. Toda mulher deveria saber que os homens também tem sonhos. Toda mulher deveria saber que os homens também corre atrás, quando está errado. Toda mulher deveria saber que os homens quando falam “eu te amo”, é porque realmente tem amor. Toda mulher deveria saber que os homens também não são de ferro…

With the Cillian Murphy-starring Victorian crime drama Peaky Blinders beginning on RTÉ2 on Sunday February 1 at 9:55pm, here’s another chance to read Alan Corr’s interview with the Cork actor at the time of the show’s BBC Two premiere in September 2013.

"When we meet Tommy he is emotionally a bit crippled and it would be interesting to see what he was like before the war. He may have been a very different and carefree individual but when we meet him something is broken inside him."

O tempo sorriu para você. Já aos oitenta você lembra de tudo. Você até corre, varre a casa quando quer, toma menos de dois comprimidos por dia e não tem reumatismos ou câimbras, doenças de velhos ou vício em cana. Você está bem e pode, vendo de longe, sem consultar o RG, ser chamado de moço, dispensando o senhor tão lisonjeiro e cínico antes do segundo nome. Está tão bem que a pele, sempre tão branca e lisinha, continua, aos oitenta, mais branca e pouco enrugada, quase tão lisa quanto quando você costumava jogas bola de gude e empinar pipa improvisada com pedaços de caixa e restos de gaiola de passarinho. Não é para todo mundo, moço, que o tempo sorri e você, mais que ninguém, devia saber disso. Agora vai, não precisa escutar essa minha embromação. Eu, apesar de ter vinte, nasci com cabeça de velho, maquinando histórias para os meus netos, pensando em contar coisas que vivi e que não vivi também, tendo o dom do exagero, olhando para o céu e tendo fastio pela manhã, querendo que meu olhar não precise de lentes grossas para distinguir o certo do gato, o errado do larápio. A verdade é que nasci com um escritor roçando nos meus miolos. Um escritor de mais de mil anos, com mais de mil vidas que insiste em dizer que o tempo sorriu para nós três. Ele permitiu que eu conhecesse meu avô, fez com que eu visse que idade é questão de se entregar a bengala e ao chapéu, que a gente pode manter cada parte do corpo em pleo vapor, funcionando bem. Nos fazendo acreditar que há um propósito, que estamos cá por um motivo, nem torpe ou inútil. Estamos vivendo, o tempo sorrindo e, como cortesia, sorrimos de volta agradecendo por cada dia a mais.
—  Theu Souza
É fácil esticar a mão, ficar ao lado, ouvir as tragédias. Difícil mesmo é ficar feliz lá no fundo quando o outro conquista alguma coisa. Quando ele se dá bem. Quando ele está com o coração sorrindo. A gente percebe direitinho sorrisos amarelos, olhares não sinceros. Acho isso tão pequeno. Se você gosta de alguém, se é amigo de alguém é obrigação ficar feliz pela pessoa.
—  Clarissa Corrêa. 
Eu amo a geração exagerada, aquela que se joga de cara nas relações, que não tem medo de amar, que não tem orgulho, que chora, grita, pede perdão, se humilha e corre atrás. Diferente dessa geração atual, que por qualquer decepção amorosa já acha que sabe tudo sobre amor e se fecha, a geração passada adorava o sofrimento por amor.
“Eu nunca mais vou respirar se você não me notar. Eu posso até morrer de fome se você não me amar. 
E por você eu largo tudo! Vou mendigar, roubar, matar. Até nas coisas mais banais… Pra mim é tudo ou nunca mais.” - Exagerado, Cazuza.
—  Julio Amorim
Não que eu seja melhor que alguém, não sou, não. Mas quem é meu amigo é meu amigo. Não finjo amores. E não passo a perna, não sou mascarada, minha diversão não é falar mal de você e depois fazer coraçãozinho com a mão. Se eu não vou com a sua cara ou não concordo com as suas atitudes, vou te respeitar, ser educada e ponto. Acho muito triste quem vive a vida alheia.
—  Clarissa Corrêa. 
Corre tras ella, haz que se sienta bien antes de marcharte
Porque duele el corazón ver partir a quién amas.
As coisas são dessa forma, você aceita se quer. Uma pessoa só muda se quer, se tem vontade, se faz esforço. O dia que todo mundo entender isso vai ser mais fácil viver a dois, a três, a quatro, a mil.
—  Clarissa Corrêa.