Gray.

       Tenho minhas dúvidas quanto a existência humana. Anda tudo tão frio, tão programado. Vejo amigos reunidos conversando por aplicativos de comunicação e redes sociais. Fico me perguntando: onde fica o calor humano? Talvez só exista calor no carnaval. Mas ele já se foi e hoje só nos restaram as cinzas. E quando vejo as cinzas me faço outra pergunta: Quem morre? VOCÊ!
Talvez você morra (ainda) hoje. Seja pela tua ressaca de saliva, pelo teu trago de amor em quatro dias. Um “quê” acabou resultando na tua overdose de desamor. Teu corpo não tem marcas de carinho, nem de nada que seja sincero ou recíproco no mesmo grau, sem intensidade alguma. Aquela dor de cabeça que te fazia franzir a testa foi apenas o primeiro sintoma da tua troca de um abraço por um aparelho que você só tem olhos pra ele, achando que tem o mundo por perto quando na verdade está sozinho, isolado entre quatro paredes, em uma ilha deserta, ou em uma cidade medieval com grandes muralhas e sem ponte alguma (o cenário eu deixo por tua conta). Aquela dor no peito que te fazia perder o fôlego foi apenas o segundo sintoma da tua troca de um abraço ou um beijo bem dado por escolher ser um eterno sedentário. Tenho até medo de saber quando foi o ultimo abraço que você deu ou recebeu. Vem trocado tuas falas por dígitos… Troque teus E-Meios por cartas INTEIRAS. Eu me preocupo quando os dias passam e você não percebe que há um sol lá fora. Pare apenas por cinco minutos e vá abraçar alguém, antes que só restem as cinzas. 

image

¿A quién se le habrá ocurrido la palabra "meritocracia"? La busqué en el DRAE y, en efecto, no existe. Debe ser por eso que los sabios con botas de la Tierra de Gracia se han ufanado en desdeñar a los meritócratas.
Text
Photo
Quote
Link
Chat
Audio
Video