2

Não sai do meu lado. Sério. Nem que eu te pedir pra sumir da minha vida, pra desaparecer da minha frente, evaporar da face da terra. Quando eu falar coisas assim, não escute uma palavra do que eu digo. Nos momentos em que eu for a pessoa mais chata e grossa do mundo, te der patadas sem motivo e só falar em tom de ironia… Me dê carinho em troca da grosseria que eu derreto que nem manteiga na sua mão. Esse muro que eu construí em volta de mim mesmo é só pra evitar futuros machucados, vem e me mostra que você é diferente.” - (retur-n)

Guarda bem o que eu vou te falar. Um dia a gente vai se encontrar. Eu vou olhar pra você, te abraçar bem forte e pensar que valeu muito a pena ter esperado por isso. (retur-n)

"Simplesmente aconteceu. Não existe mais você e eu. No jardim dos sonhos, no primeiro raio de luar, do nada amanheceu. Tudo volta a ser só eu. Nos espelhos, nas paredes de qualquer lugar não tem segredo. Mas se você quiser voltar, não tenha medo. A culpa é minha, eu tenho vício de me machucar. Em lentamente o seu olhar largou do meu, sem destino, sem caminho certo pra voltar. Ninguém ama porque quer. O amor nos escolheu, você e eu. E se você voltar, a tristeza vai ter fim[..] É hora, acabou a tempestade. E te trago essas flores, pra você cuidar e deixar o tempo mostrar que nossa história mesmo assim[..] Nunca vai ter fim.” (caralhodesociedade)

"Acho que definitivamente eu te perdi. Sei lá porque essas coisas acontecem comigo. Digo, de perder as pessoas. Isso não é certo. Isso é doloroso. Perder a pessoa que você ama, é como se ela levasse uma grande parte de você. Eu não suporto tanto vazio. Só sinto muito. Sério. Sinto muito por termos dado essa vira-volta, e termos ficado assim. Tão separados, tecnicamente. Só desejo o melhor pra você. Só queria desejar o melhor pra nós." (caralhodesociedade)

Nós mulheres, temos uma mania de pôr amor em tudo. Em pôr esperança e carinho aonde não vai dar em nada; pôr um pouco de romance em uma história de terror; pôr um sorriso com a dor. Mas do que adianta? Se sempre voltamos para o mesmo lugar? No início. Com as mesmas desculpas, mesmas palavras, com a mesma pessoa no coração e assim vai […] O problema é que somos sentimentais demais. E algumas pessoas, usam isso pra ferrar com a gente e ainda assim, sair como vítima.

“Tá vendo aquela garota com roupas coladas, maquiagem forte, dando gargalhadas com as melhores amigas, com uma bebida na mão e cabelos grandes e lisos? Sou eu. Eu era do tipo de menina doce, quieta, alucinada no amor, carente de carinho, resumindo. (…) Solitária. Eu nunca fui de sair de noite, nunca fui de sair à todos os finais de semana, eu nunca fui popular e namoradeira. Um certo dia, eu cheguei pro menino que eu amava, e perguntei o que eu teria que fazer pra “ele gostar de mim”. Ele disse que nada. Porque eu não fazia o tipo dele. - Bem, ele quis dizer que certamente, eu era feia, desengonçada, tonta e que eu não era popular. - Chorei por dias, fui tentando lutar por meses, fui tentando esquecer ele por anos. Passaram-se anos, eu já estava com 18 anos, por aí. Meus pais, amigos, família, tinham dito que eu mudei, me tornei mais mulher. Comecei a gostar disso. Eu realmente, estava totalmente mudada. Cabelos brilhosos e grandes, corpão, lábios carnudos, peitos fartos, totalmente linda. Certo dia, fui pra uma balada. (…) Dancei demais, ri demais, beijei demais, curti demais! Vi um certo menino olhando pra mim, fui pegar uma bebia no bar, certamente, ele estava ali; Ele perguntou o meu nome e eu o dele, logo me veio na mente, quem ele era. Ele relembrou de mim, pediu meu número de celular, eu dei. Depois de pegar 3 copos de vodka para mim e minhas amigas, fui dançar. No outro dia de manhã, eu estava cansada, com dores de cabeça. Eu andava meio “foda-se” pra tudo sabe? Desde desse menino do colegial, eu realmente mudei. Eu ainda tenho o e mail dele, ele veio questionando o porque que eu tinha lhe dado o número errado, o porque eu tinha dado o número de um bordel, ele estava totalmente furioso. Eu totalmente calma e debochada, lhe disse: Lembra daquela menina ‘feia, desengonçada, tonta e não popular’? Ela cresceu de dentro pra fora. Amadureceu. Ela fez sentir o que você a fez sentir quando criança. Dói, tu não concorda? Ser enganado, ser deixado de lado, ser magoado? Ah, eu sei como dói. É a mesma dor que eu senti por meses, anos por você. Ele certamente ficou calado. Então, eu digo pra todas as meninas que ficam chorando, ficando desesperada ou se cortando por meninos: “Você é linda!” Enquanto você não encontrar o cara certo, o cara que realmente te dê o devido valor que você merece, curta! A vida é curta e dolorosa demais pra ficar por aí se queixando de o porque tudo sempre dá errado. Eu resolvi mudar, mudar por mim. Mudar minhas atitudes, gestos, palavras, pensamentos, mudei o meu coração, minha vida. Te recomendo a fazer o mesmo. Ele aprendeu uma lição, ele percebeu que nós, mulheres, não precisamos sempre de um homem. Aprendeu que uma mulher quando com raiva ou magoada, é capaz de tudo e muito mais; Que conseguimos ser suficiente para nós mesmas, e que conseguimos caminhar sem eles. Então, não pare de viver por causa de um homem. Viva por você. Afinal, pelo que minha mãe sempre me diz: “Homens gostam de mulheres que gostam de si mesmas.”  E ah, um brinde à nós, mulheres, que passamos por tanta coisa, tanta descriminação e continuamos aqui, de pé!” — Caralho de Sociedade. (CaralhodeSociedade)

caralhodesociedade:

03:46hrs. Ele liga pra ela…

Ela: Quem é? 

Ele: Sou eu. Me escuta… 

Ela: Ah, é você. Que seja importante, por favor.

Ele: Você não precisa dizer nada. Só me ouve. Eu estou sentindo sua falta. Eu estou precisando de você aqui comigo. Eu já não aguento sorrir pra todo mundo escondendo uma dor que você sabe, porque o motivo é você. Você precisa me perdoar. Eu sei o que eu fiz não foi errado, meu amor. Mas… Eu estou necessitado de você. Eu estou clamando pelo teu sorriso. Pelas tuas mãos tão pequenas e macias. Pela teu corpo quente sobre o meu. Você sabe que eu odeio pedir desculpas, mas hoje é preciso, hoje não, sempre foi preciso. Tive atitude de moleque. E vi que a ficha só caiu agora. Eu não aguento mais mandar mensagens e não receber nenhuma reposta tua. Eu não quero! Eu não quero ver você chamando outro cara de "meu amor", "minha vida", "meu menino", "mô", "meu pequeno" ou "meu tudo". Você não pode fazer isso. Não é pra você andar de mãos dadas com esse retardado na rua, não é pra ele te sujar de sorvete, não é pra ele deixar você ganhar no videogame, não é pra ele te chamar de apelidos que eu chamava. Não é pra ele entrar na sua vida. Não era pra a gente ter se distanciado tanto. Não era você ter me deixado. Eu até que posso viver sem você, mas eu não quero. Porque você é o motivo do meu sorriso. A luz do teu olhar, clareia o meu viver. E, eu não posso viver sem isso. Você… Você ainda tá aí? Não ouço nada… Eu só queria que você tivesse me escutado, e ter tido noção de quanto eu me arrependo de ter feito tudo aquilo contigo… De ter feito você chorar, de ter feito você sofrer. Eu só quero você de volta. De volta pro que é meu. Pro que é nosso. Acho que você já desligou…

Ela: Eu tô aqui. 

Ele: (Silêncio)

Ela: Só queria saber o porque você foi tão idiota comigo? Faltou amor? Eu não era suficiente pra você? Você precisou ter feito um grande estrago no meu coração? Precisou deixar ele tão surrado… tão maltratado e escuro? Eu… Eu não consigo esquecer aquela cena. Eu não quero olhar pra você e lembrar do que tivemos, do que devíamos ter. Você errou! E o pior, fez isso e levou com tudo todo o meu amor por você. Você me reduziu à pó.

Ele: Mas você percebe que eu nunca quis ter feito, não é? Que eu sou um otário, que eu tô perdendo a mulher da minha vida.

Ela: Eu já não quero perceber mais nada! Sim, você é um otário, um imbecil, um idiota. E foda-se.

Ele: Era pra ter sido verdadeiro…

Ela: Verdadeiro? Foi. Pra mim, pelo menos. Eu quis tanto chegar até o que você queria, que acabei indo rápido demais e passei na tua frente.

Ele: (…)

Ela: Acabou! Eu e você. Separados. Essa é minha realidade agora. 

Ele: Eu e você? Nunca mais nós? 

Ela: Nunca mais. E se um dia houve amor da sua parte, de verdade… Eu o deixo ir. 

Ele: E por que?

Ela: Porque nem eu mesma sei se esse amor é verdadeiro. Então, que ele vá embora. Tô cansada. E você só se deu conta quando eu parti e soube que eu nunca mais iria voltar. Sinto muito.

Ele: Então você sente…? Pena?

Ela: É. Pena. Pena de você. Pena desse teu possível falso sentimento. Foi isso. 

Ele: Te deixo partir agora então.

Ela: Você já tinha deixado há tanto tempo, que eu só fui me dando conta tão tarde. 

Ele: Você ainda será a melhor parte de mim.

Ela: Tudo bem. Serei a melhor parte de você, no passado. Entendeu? Espero que sim. Boa noite. 

 (Ligação encerrada).

— Eu quero dormir com você — sussurrei em seu ouvido. A boca dela se abriu em um sorriso malicioso e vi que ela tinha entendido errado.
— Não assim — esclareci, devolvendo o sorriso. — Só… — olhei para baixo, constrangido. As palavras saíram em um sussurro. — Só deitar com você, na cama. Não tem nada a ver… Com sexo ou sei lá. Eu só quero ficar te ouvindo respirar… E sei lá, refletir sobre como eu tenho sorte por poder fazer isso. Ou então deitar contigo, ficar bem perto e abraçar você, te esquentar se tiver frio, te beijar se tiver vontade, te proteger se tiver medo… Sabe?
Olhei pra ela, ela só sorriu pra mim, mas o sorriso era diferente do de antes. Era carinhoso, meigo. Provocou uma leve agitação no meu estômago. Continuei:
— Ou deitar de frente pra ti, e passar a noite toda conversando, falando besteira aos sussurros e te beijando às vezes, até pegarmos no sono. Você com a cabeça no meu peito, e os meus braços te envolvendo e.. — parei de falar. Me sentia bem idiota e nada romântico, pra falar a verdade. Ela não disse nada.
— Isso é normal? — perguntei, o silêncio me incomodando. Talvez, pensei, ela não queira o mesmo. Me contrariando, ela disse:
— Não tanto quanto eu quero te beijar agora.

" — Distanciaram-se.

— Perdão, o que? 

As pessoas… Se distanciaram de mim.

— O que fez elas se distanciarem?

Fui eu. Eu sou doce demais, isso enjoa as pessoas.

— Não entendi.

— Eu nunca consigo deixar as pessoas com aquela vontade de… "Quero mais."

— Talvez o problema não seja totalmente contigo, moça.

— Ah claro…

— Sério. Às vezes, essa mudança toda foi culpa de alguém. Alguém que partiu teu coração.

[…]

— E porque esse silêncio? Confesse, andaram quebrando teu coração…

Não quebraram… Pisaram, torturaram, massacraram… Fizeram dele um aeroporto. Pessoas indo e voltando. Isso dói.

— […] E hoje? O que restou de ti?

— Só eu e o meu orgulho. 

— Não sente falta de ninguém?

— Não… Aliás, sinto sim.

— De quem, moça? 

De mim. Do que eu era, do que eu costumava ser antes de vir um idiota e estragar com tudo que havia de bom em mim.” (caralhodesociedade)