caralho

Tuas confusões me deixaram confusa. Tuas incertezas me fizeram deixar todas as minhas certezas de lado. E o teu amor, nem era tão amor assim.
—  Laura Mello.
Sou forte demais para me entregar e fraco demais para suportar alguns fardos sem derramar um punhado de lágrimas. De vez em quando preciso chorar em algum canto. Extravasar o que aperta e faz sangrar. Não dá pra guardar tudo no seu devido lugar e fingir que a vida é cena bonita de filme. Nunca pensei em desistir, mas às vezes bate um desânimo. A dor me consome e o cansaço me desgasta. Procuro achar saídas, mas parece que ando em círculos. Percebo que as coisas trocam de lugar, porém nunca se resolvem de forma definitiva. Fico me perguntando o que faço de errado, tento trocar as formas de agir e lidar com as situações. Quando penso que algo está entrando nos eixos tenho uma surpresa desagradável. Já cheguei a cogitar inúmeras hipóteses, mas nunca chego a uma conclusão definitiva. Sei que nesta vida temos nossos carmas, cruzes, resgates e aprendizados. Tento fazer o que posso e aproveitar cada lição que me é ofertada, mas não sou perfeito e nem sempre tenho a fé necessária para acreditar. E eu sei (eu sei!) que preciso acreditar. Só que às vezes dói tanto, às vezes a aflição é tão grande e me domina de uma tal forma que não sei se vou suportar.
—  Clarissa Corrêa.
Você assistindo um filme: ele tá super baixo > você se esforça pra ouvir > não entende nada > aumenta > ACONTECEM VÁRIAS EXPLOSÕES, COMEÇA UMA BRIGA DE BAR COM DIREITO A GARRAFAS QUEBRADAS, ACIDENTES DE CARROS, ATAQUES ALIENÍGENAS COM GRITOS DE MULHERES HISTÉRICAS, DUELOS DE SABRE DE LUZ, O FIM DO MUNDO > você abaixa > os personagens voltam a conversar normalmente e você continua sem entender porra nenhuma