ahauahu

Vejo o tempo se esvaindo pelos meus dedos. Fico assistindo a vida passar pela janela, enquanto fico trancada em meu quarto sem nenhuma disposição. Tenho uma alma cansada, embora ela nem tenha tantos anos assim. Eu nem tenho tantos anos assim. Sou jovem ainda. Fisicamente, sim. Tenho olhos pesados, cabisbaixos. Olhos de ressaca, parecidos com os de Capitu. Minha alma e minha coluna já são velhas. Sei que estou desperdiçando boa parte do meu tempo, já que nem lembro mais a última vez que fiz algo proveitoso. Deve ser minha culpa. Eu nem luto contra essa força que me empurra cada vez mais pra baixo. Deixo essa solidão me consumir inteira. Queria me libertar, mas sinto minhas mãos presas. Me sinto amordaçada, e não consigo mudar isso. Não consigo pedir socorro. Alguém está aí? Alguém me ouve? Ninguém. Quem dera que, num dia desses, eu acordasse e puf! Tivesse curada desse tormento. Sou uma espécie de Benjamin Button ao contrário. O corpo dele era velho, no meu caso, a alma é que é. Espero que, assim como ele, eu vá rejuvenescendo com o tempo.
—  Parimundi