Jess&Moss

I woke up this morning with Jesse St. James feels. Mainly about how Jesse is gonna have to work SO HARD to get on Kurt Hummel’s good side once he decides to go about wooing Rachel Berry.

Kurt making snarky remarks every time Jesse stops by.

Kurt passive-aggressively trying to set Rachel up on dates with literally any other guy in New York.

Kurt making passive-aggressive comments about Rachel and Sam. “Why did you and Sam ever break up? I liked you and Sam together.”

Jesse going to Kurt and trying to mend bridges and Kurt just goes “YOU THREW EGGS AT HER!”

Leitura diária: A verdadeira recompensa.

"É necessário que ele cresça e que eu diminua." (João 3:30)

Certa vez estava eu ouvindo atenta uma ministração na Igreja a qual frequento. Houve um momento em que o jovem que nos levou a palavra escolheu contar uma história. Ela começa com um homem formado em Direito ouvindo um ancião ministrar em uma Igreja sobre o Salmos 23. Ele ficou tão interessado nas palavras daquele ancião que parou na porta da Igreja para escutá-lo. Enquanto ouvia, propôs em seu coração de que o seu discurso seria muito melhor do que o daquele senhor. Assim que terminou a mensagem, o rapaz que era formado em Direito lançou o desafio para o ancião. Onde eles marcariam um dia para cada um deles trazerem o seu discurso sobre aquele Salmos. O ancião topou.

Chegando o dia, o rapaz do Direito foi sorteado para apresentar o seu discurso primeiro. Sua inteligência fluía diretamente em suas palavras, de uma forma que agradou aos ouvidos dos que estavam ali. Ele respeitou cada norma da língua culta, considerando cada vírgula, cada ponto, enfim, fazendo uso de uma concordância perfeita. Foi um belo discurso, que agraciou aos ouvidos de cada um. No final, todos foram à loucura, ovacionaram com muita vontade o discurso dele, o aplaudindo de pé. Chegou a vez do ancião apresentar o seu discurso. Já este fazia uso de uma linguagem tão simples. Seu vocabulário não considerou a norma culta da língua. Não se preocupou em falar perfeitamente bem, fazendo uso da concordância como o rapaz do Direito. Mas no final do seu discurso, algo inusitado aconteceu. As pessoas estavam chorando de joelhos.

Isso ocasionou um nó na cabeça daquele rapaz de Direito. Ele veio até o ancião para saber o porquê daquilo. Por que em seu discurso as pessoas ficaram alegres e o aplaudiram de pé, enquanto que com o ancião dobraram os seus joelhos em prantos. O ancião o respondeu com a seguinte frase: “Você conhece o Salmos, mas eu conheço o Dono do Salmos.”

Concordei com a moral da história, mas confesso que antes do seu término eu havia dado uma interpretação diferente a ela. Repare que o rapaz do Direito tinha uma intenção em seu coração e o ancião tinha outra completamente diferente. O rapaz do direito queria se sobressair sobre o ancião e seu discurso serviu para ganhar o elogio e o respeito dos homens. Já o ancião destinou todo o sucesso do seu discurso ao Dono do Salmos. A moral da história que eu quero apresentar é a seguinte: quando fazemos algo com a intenção de nos gloriarmos e nos sobressairmos, podemos até ganhar as palmas e o elogio dos homens, mas nada além disso. Agora, quando escolhemos fazer algo para Deus para refletir o sucesso somente nEle, as pessoas se arrependem e Deus as perdoa com todo o seu amor. E assim, todo o sucesso daquilo que foi feito reflete na pessoa de Cristo. Que diminua nós e que Cristo cresça. Essa sim é a nossa verdadeira recompensa.

"Eu não preciso ser reconhecido por ninguém. A minha glória é fazer com que conheçam a Ti. E que diminua eu. Pra que Tu cresças, Senhor. Mais e mais." Toque no Altar.