,ma

anonymous asked:

eu sei que parece uma pergunta estranha, mas quando foi a última vez que chorou? qual o motivo e o que te fez parar de chorar?

Tudo bem. Fazia dias que eu não chorava, semanas. Essa ask é da semana passada, eu sei, não me odeie por ter respondido tanto tempo depois, só queria poder dar uma resposta digna. Eu chorei essa madrugada inteira e dessa vez, pela primeira vez na minha vida, foi sem parar por um segundo sequer. Não é uma metáfora ou um exagero meu, para você ter ideia, parece que acabei de sair do banho, meu cabelo está ensopado, deve ter sido porque o travesseiro tava se alimentando de todas as lágrimas e isso é nojento, joguei ele perto da porta. Eu ainda não sei o motivo, comigo as coisas costumam ser mais complexas do que com as demais pessoas. Tem tanta coisa acontecendo e eu sinto que tanta coisa ainda vai acontecer. Acredito que choro por mil motivos ou os invento para desfocar o único motivo que me deixa assim. O ser humano é tão estranho… Fazemos tantas coisas por emoção e onde foca a razão no meio de tudo isso? Digo, olha pra mim agora, o que aconteceu? Nem eu mesma sei. Não consigo respirar pelo nariz de tanto que chorei, acho que vou ficar o dia todo resfriada, que ótimo. Normalmente (anormalmente falando), o que me deixa mal a ponto de chorar é o que acaba me fazendo bem. Não sei explicar direito como o meu cérebro funciona, acho que ele está do lado errado ou trabalhando a favor de alguém, acontece que eu penso demais, mente fértil demais, ousada demais, complicada demais e o que antes era veneno, agora vira antídoto. O ser humano deveria vir com manual de instruções. São 4:49 da manhã, acabei de assistir “Querido John” e isso de tempo e distância me fizeram pensar em algumas coisas, como… Sumir. Sabe essas pessoas que desaparecem por anos e voltam tão repentinamente quanto sumiram? Sempre senti vontade de fazer isso. Sinto vontade de sumir, viajar, sem avisar pra ninguém por uns 10 anos e voltar numa noite de quinta-feira qualquer só para ver como as coisas estão. Como será que estariam sem mim? E aqueles que diziam me amar? Ainda lembram do meu sobrenome? Quem dirá os amigos, com certeza apenas soltariam um típico: “te conheço de algum lugar”. Acho que para viver de verdade, viver para ser bem e feliz com alguém de verdade, teríamos que viver no mínimo umas 3 vezes seguidas, nascendo e morrendo, sabe? Num ciclo vicioso de ensinamentos. Para que, quando chegássemos na vida “vida”, fizéssemos tudo como realmente deveria ser feito. Sem perder tempo com amizades falsas, parentes invejosos, amores que te amam e amam mais 10 outros amores por aí… Enfim, é isso que me faz pensar em chorar. Já estamos em mais um fim de ano e parece que nada nunca muda, além do último número da unidade do ano. Sempre as mesmas dores, com as mesmas pessoas ou não. Sempre presentes e perdas, idas e vindas, olás e adeus. É tão triste chegar no fim do ano, gritar: “vida nova” e saber que nada nunca vai mudar. Você vai estar no mesmo corpo, cercado das mesmas pessoas, sentindo as mesmas coisas, num novo e repartido início do ano que se passou. Consegui parar de chorar, são 5:02 da manhã. Sei que não vou chorar amanhã e acho que vai demorar pra acontecer isso de novo, mas, acredite, será sempre pelo mesmo motivo.
Sinta-se um guerreiro se leu isso até o fim, porque estou me sentindo uma por ter escrito tudo pelo celular.
Beijos e uma noite tranquila pra você, pelo menos, mais tranquila que a minha.
Desculpa a demora.